sábado, junho 26, 2010

Porque Jesus chamou 12 discípulos

.
Disciple
Foto do ator Robert Powell, em "Jesus de Nazareth"

João Cruzué

Há vários argumentos que podem explicar bem as razões da chamada de cada um dos doze discípulos que Jesus, depois enviou para pregar o Evangelho do Reino. Neste pequeno texto eu quero abordar a comunhão. Jesus chamou os 12 para ensinar comunhão.

Comunhão para mim é estar junto, em perfeita harmonia com alguém. Jesus queria ensinar os primeiros passos da comunhão com Deus. O início de um relacionamento sincero com o Pai. A evolução deste relacionamento. As crises de relacionamento. As frustrações. A sensação de abandono. Os tempos difíceis. o Vale. O ponto de virada. Uma nova comunhão em um nível mais alto, mais íntimo. Jesus tinha um extensa grade curricular para ensinar de forma muito simples e peripatética os valores mais altos de uma comunhão com Deus.

Jesus chamou os 12 para estarem no dia a dia com Ele. Para aprenderem ouvindo e observando. Eram 12 jovens, provavelmente entre 30 e 40 anos. Tiveram que deixar tudo, para aprenderem a comungar com Ele. Mateus estava assentado na coletoria. Jesus passou e disse duas palavras: "Segue-me". E ele se levantou e O seguiu. A comunhão era a disciplina mais trabalhada e valorizada na "universidade" do Senhor Jesus Cristo.

Os 12 andaram com Jesus durante três anos. Costumeiramente subiam ao Templo em Jerusalém algumas vezes ao ano. Depois voltavam pelo caminho de Samaria em direção à Cafarnaum da Galileia. Indo para Jerusalém, Ele e seus discípulos pousavam na casa de Lázaro e suas irmãs, Marta e Maria. Ele ensinava e eles ouviam. Ele pregava às multidões e eles observavam. Ele expulsava os demônios e eles aprenderam sobre o valor do jejum e da oração. Ele orava frequentemente sozinho pelos montes. E eles sabiam disso.

Será que a comunhão é mesmo tão importante assim? Nos dias atuais não temos mais tempo para conversar uns com os outros. É tudo movido pela pressa. A tecnologia trouxe os computadores. Os computadores turbinaram a tecnologia. As redes de relacionamento ligam centenas de milhões de pessoas. "Nunca na história deste mundo" as pessoas se comunicaram tanto. Mas apenas se comunicam. Redes de relacionamento social são simples sinônimos de relacionamento superficial, onde cada um faz parte da coleção de alguém. Como coleção de figurinhas, selos... O recente filme de Bruce Willis, "Os Substitutos" é um bom exemplo disso. Nele as pessoas ficam deitadas em casa, enquanto seus avatares (robôs) de corpos sarados e esculturais saem para interagir na sociedade. À noite voltam, se recolhem em seus "cabides"e a pessoa real acorda cheia de pensamentos negativos e frustrações, porque a realidade é bem diferente da "virtualidade".

Evoluímos muito em tecnologia, mas estamos desaprendendo rapidamente como nos relacionarmos uns com os outros. O vizinho prefere passar o dia diante do computador e da TV. Ás vezes nem sabe que alguém em nossa casa está doente. E vice versa. Nossas Igrejas estão cheias de membros, que não fazem a mínima ideia do que se passa na casa e na vida familiar uns dos outros. Se vivemos em um ambiente de comunicação formal tão incipiente, estamos mesmo vivendo em comunhão uns com os outros? E se não temos mais comunhão uns com os outros, como podemos dizer que temos comunhão com Deus que nem vemos?

Eis o grande paradoxo: a Igreja que nasceu depois de um trabalho árduo de três anos de ensino sistemático de COMUNHÃO, agora não sabe mais o que isto seja.

Os planos estratégicos da Igreja de hoje está voltado para difusão massiva do conhecimento. Da letra. PhDs em Divindade. Veio-me uma imagem interessante: Um corpo com um cérebro enorme, mas um coração pequeno. A racionalização bem mostrada na parábola do "bom samaritano." Nunca fomos muito bons em lidar com muito conhecimento. Aliás, foi o marketing do saber ilimitado que atraiu a curiosidade de Eva e de tantos outros. Um alto conhecimento, via de regra, não leva a uma profunda comunhão. Talvez, eu creia, que seja pelo fermento da presunção humana ou da soberba, mesmo.

O momento atual da Igreja é de muita prosperidade material ímpar X uma pobreza sem tamanho de comunhão. Bom dia, boa tarde e a paz do Senhor, são apenas cumprimentos. Nas grandes cidades as famílias recolheram-se, isolaram-se. Uma Igreja constituída sobre estes pilares vai seguir o caminho do fracasso. Eu posso ver a ruptura nos olhares dos irmãos nos cultos de domingos. Os evangélicos somam ao redor de 25% da população brasileira, mas o que significa o termo "evangélico" hoje? Apenas um substantivo abstrato religioso. Um predicativo do sujeito.

Jesus chamou 12 discípulos para ensinar o valor da comunhão. E a dislexia dos pregadores de nosso tempo está ensinando humanismo. Secularismo. Um evangelho que agrada aos nossos ouvidos, mas que está desviado dos propósitos de Deus. O primeiro sinal disso, é que o Espírito Santo já saiu do dicionário de muitos pastores. O carro, o bom emprego, a "vitória" substituíram o batismo com o Espírito Santo. Os temas da prosperidade estão destruindo os pilares da comunhão das Igrejas. No final de um curso teológico, sabe-se de quase tudo, menos como praticar a comunhão diária com as pessoas e com Deus. A comunhão cristã é prática. Ela não é teórica.

Diante de tudo isso, como nos resguardar diante de tempos tão difíceis? Precisamos reaprender a ter comunhão uns com os outros. Planejar nosso tempo nos finais de semana, incluindo neles pelo menos uma visita aos vizinhos ou à comunidade. As Igrejas que não ensinarem a comunhão na prática vão desmoronar. Tive uma visão no passado, onde as colunas de uma Igreja estavam com os vergalhões quebrados e à mostra. Uma parte da laje, bem no local onde fica o Círculo de Oração tinha arriado. E uma voz dizia-me: Isto caiu, porque puseram pouco cimento.

A comunhão é o cimento que liga os "grãos de areia", a pedra e as armações das colunas de uma Igreja. Jesus começou investindo na comunhão. Ele poderia ter trazido à terra a melhor tecnologia, uma que em nosso século ainda não é conhecida, mas ele não fez isso. Ele não fundou uma escola de apóstolos.

Jesus chamou 12 discípulos para estarem com ele durante três anos. Para ver, ouvir, partir o pão, resistir ao preconceito e aprender o significado da palavra misericórdia. E Jesus fez assim, porque tinha comunhão com nosso Paizinho. Depois de 40 dias no deserto, em jejum e oração, praticando a comunhão com o Pai, resistindo às sugestões do diabo, Jesus conseguiu entender que projeto da fundação da Igreja tinha que começar com 12 homens unidos a Ele pela comunhão.


SP - 26.06.2010.




3 comentários:

Cleverson disse...

Paz Irmão João, como sempre mais uma verdadeira exposição dos dias atuais.
Vai lá meu nobre hoplita.

Que Deus o abençoe.

Cleverson

Adenísio dos Reis disse...

Paz seja contigo. Gostei muito desse texto. Concordo com você. Hoje em dia, sabemos muito de computador e muito pouco sobre gente. Que Deus derrame colírio.s em nossos olhos para que possamos enxergar o que realmente importa na vida.

http://palavrascuram.blogspot.com/

Anônimo disse...

A paz do senhor Jesus meu amado,fico feliz ,por descobrir que existem pessoas como o sr. que acredita na comunhão da noiva de Cristo como o alicerce do sucesso diante de Deus em Cristo nosso senhor,afinal foi por este motivo que o pai enviou seu filho para este mundo ,no intuito de reestabelecer a aliança da aproximação dos homens para com ele,como dizia o grande guerreiro flho de Jessé:o quão bom e quão suave é ,que os irmãos vivam em união,esta que só se lembra nos belos louvores entoados nos cultos,que Deus em Cristo continue te impulsionando atravé do Espírito Santo a continuar este ministério de aumentar a fé daqueles que investem tempo como eu lendo sua história e seus testemunhos, -JOSÉ GERALDO-IBIRITÉ -MG