sábado, junho 14, 2008

Barack Obama sob um olhar muçulmano


"O APELO DE OBAMA NO MUNDO MUÇULMANO"

Barack 4 peace
Obama para a paz

YASSER KHALIL

Tradução: João Cruzué

"Cairo – O Senador Barack Obama representa um fenômeno que tem chamado a atenção global e cativado as mentes de muçulmanos pelo mundo pois ele empreende uma campanha animada para se tornar o próximo presidente dos Estados Unidos.

Apesar do debate aquecido da campanha e um pouco de retórica controvertida quanto ao Islã, grandes segmentos da população muçulmana aqui permanecem fascinados com a eleição e se tornaram grandes fãs do Senador Obama.

Este nível de apoio a um candidato presidencial americano é sem precedentes no mundo muçulmano. Que isto venha no meio de uma sensação quase unânime de indignação e raiva quanto à política exterior dos Estados Unidos – em particular no Iraque e os territórios palestinos – torna isso ainda mais notável.

A explicação é simples: muitos muçulmanos vêem uma nova razão para esperança na aproximação política de Obama e de seus conselheiros. Sua ânsia evidente para reunir mais suporte internacional à política dos Estados Unidos, e até falar "com os inimigos" da América, é a causa do otimismo. Imagine o que a política global pareceria no Iraque, Sudão, Afeganistão, se uma visão como a de Obama tivesse influenciado as lideranças dos Estados Unidos, antes.

Como um árabe muçulmano do Egito, afetado pela política externa dos Estados Unidos, acredito que uma aproximação de Obama ajudaria a resolver os problemas acumulados entre muçulmanos e americanos que ficaram ainda mais agravados desde os ataques terroristas de 11 de setembro. Técnicas novas e mais criativas para tratar com extremistas em lugar dos métodos controvertidos usados pela administração atual dos Estados Unidos também podem tirar da Al-Qaeda e de outros grupos iguais o pretexto para recrutar novos membros. Então, talvez, os extremistas perderiam os argumentos que fornecem o combustível a sua máquina criminosa que os leva a destruir a gente inocente.

Existem, naturalmente, aqueles no mundo muçulmano que se opõem a Barack Obama. Eles argumentam que a Política dos EUA não mudará com um novo presidente. Para eles eu digo que Obama tem já provado há espaço para balançar o barco. Ele se opôs à decisão de invadir o Iraque e está fazendo recomendações lógicas e concretas para que se retire as tropas dos Estados Unidos de lá.

Os muçulmanos cínicos argumentam que todos os políticos americanos, inclusive Obama, são influenciados na direção de Israel à custa de Árabes. Mas nós devemos diferenciar entre o suporte de um candidato por um estado judaico e um viés inerente em direção a ele. A amizade dos Estados Unidos com o Israel não tem de ser uma ameaça, especialmente se ele tomar uma posição mais ativa ao criar tão somente uma política justa para o resto do mundo árabe.

Depois houve o debate apóstata. Quando Obama foi descrito como um apóstata muçulmano em potencial, muitos muçulmanos reagiram com espanto e curiosidade. Obama disse que nunca foi muçulmano, em primeiro lugar, ainda que algumas pessoas o consideraram assim, por parte de pai. Para mim, é claro que o Islã é um ato de livre escolha, não hereditário.

Outras campanhas pela Internet exploraram pretensos links muçulmanos de Obama retratando a América como "um país racista" cujos cidadãos e os políticos nunca permitiriam a Obama ganhar, porque ele é negro e tem raízes muçulmanas. O esforço malogrou-se, mas todavia trouxe para o candidato até mais compaixão entre mundo muçulmano.

A negativa de Obama de ser um muçulmano não significa que ele o vê como uma acusação, em vez disso, ele está distanciando-se de acusação formal de engano e hipocrisia. É tempo de sair desses debates desnecessários e julgar este promissor candidato presidencial sobre suas visões políticas e capacidade para equilibrar os interesses globais muçulmanos com aqueles deseus partidários e amigos.

Abraçando o diálogo com países muçulmanos como a Síria e o Irã, e saltos iniciais dos esforços diplomáticos dos Estados Unidos , Obama abrirá portas que foram fechadas – e trancadas– nos últimos anos. É do interesse de todos os países muçulmanos que o presidente dos Estados Unidos tenha tal aproximação construtiva, mesmo enquanto mantém um alto grau de amizade com o Israel e poderes que o apoiam nos EU e exterior.

Em desempenho racional, abrangente, e políticas criativas, Obama pode continuar eficaz enquanto ainda supera obstáculos que impedem o caminho da coexistência e de uma paz global."

Tradução: João Cruzué

Yasser Khalil é pesquisador e jornalista egípcio.
Artigo do The Christian Science Monitor

Leia mais: Porque Barack Obama ganhou e Hillary Clinton "morreu" na praia.

cruzue@gmail.com



4 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro irmão João,
A Paz do Senhor!
Muito obrigado pela indicação, bem como pelo seu zelo e dedicação de treaduzir artigos de tamanha importância.
Fui enriquecido com as informações contidas no artigo.
Parabéns!
Tenha um bom domingo!
Pr. Carlos

Mayara disse...

Oii!
Noossa,esse blog eh mto legal!
Gostei mto,viiu?
To começando o meu agora,dá uma passada lah?
E me ajude a divulgar,eh para jovens cristãos..e não cristãos tb né!


Um abraço..fique com DEUS!

Jean Charles disse...

Olá João, a graça e a paz! Não sei se você já chegou a ver uma filme (trilogia) com base no livro de Apocalipse: DEIXADOS PARA TRÁS I, II e III. Alguns podem achar-me "avoado" por compará-lo, mas no útlimo filme eles indicavam um presidente do EUA, negro. E, ainda citavam uma frase que li no artig traduzido por ti: "... paz global". Creio que não é mera coincidência. Mas, enfim, gostei do artigo. Paz mundial é bem-vinda, mas sabemos muito bem o que ocorrerá antes dessa 'paz' e principalmente durante ela com os que ficarem. Um forte abraço fraternal irmão. Jean

Joao Cruzue disse...

.

Respondendo:

1. Pastor Carlos Roberto: quando quero testar a capacidade de de dizer palavras de ânimo de meus colegas blogueiros eu costumo deixar links das coisas que publico, noto que a única pessoa a manifestar-se é o irmão. Parabéns!

Se dirige ou co-pastoreia uma Igreja, com certeza faz um bom trabalho. Deus o abençoe pelo carinho e caráter amoroso

2. Mayara é bondade sua os elogios ao Blog Olhar Cristão. Ele ainda não está bom, mas já tem uns quatro anos em um processo de tentativas e erros. Você não deixou o link do seu blog. Quero visitá-lo.

3. Irmão Jean Charles, não me lembrava mais do Presidente na Trilogia "Deixados para Trás", não deixa de ser uma grande "coincidência". É provável que, se Barack Obama for o próximo presidente dos Estados Unidos, uma das coisas que acho que uma das coisas que fará, vai ser um grande esforço pela paz, uma mistura de John Kennedy com Martin Luther King.

Interessante, seu comentário.

-------------------------

Obrigado meus irmãos pela honra de receber os comentários de vocês.


.

1:13 PM
Excluir