domingo, fevereiro 27, 2011

Café com Jesus 6


.
O ARGUEIRO E A TRAVE

trave
Duas traves
João Cruzué


Vejo que estamos na temporada de diagnósticos sobre a situação da Igreja Evangélica no começo desta segunda década dos anos 2000s. Todos eles bem críticos. Também quero emitir uma opinião, mas uma opinião destoante. Quando falo de Igreja Evangélica, a primeira imagem que deve aparecer na minha frente, é a minha própria situação espiritual diante de Deus. Eu não estaria sendo justo com Deus nem honesto comigo mesmo se fosse analisar o argueiro da Igreja sem levar em consideração a possibilidade de uma trave à frente dos olhos.

Vou levar em consideração que:
1 - A Igreja não é Evangélica nem Católica. Foi o Senhor Jesus Cristo que lançou sua pedra fundamental, há 2000 e poucos anos, e o que conta efetivamente na sua composição não são os registros do rol de denominação alguma, mas os nomes daqueles que foram salvos, perseveraram, e mantêm seus nomes escritos no Livro da Vida.
2 - Cristãos nominais nem sempre são Cristãos de verdade


O QUE ESTÁ ERRADO

Em primeiro lugar considero a perda gradual da comunhão com o Espírito Santo, que não mora nesta ou naquela Igreja. Seu templo é o nosso corpo, e continua conosco se não o magoarmos, afastarmos e o apagarmos de nossas vidas. Não é a Igreja que esfria, mas cada um de nós que perde o calor do Espírito, ao teimar em tomar atitudes erradas e
fazer escolhas contrárias a vontade do Senhor. De escolha em escolha, de teimosia em teimosia, o Espírito vai se entristecendo, o primeiro amor se vai, e meus olhos começam a sentir que a temperatura da Igreja caiu.

Mas na verdade fui eu quem provocou queda na sua temperatura. Ora, ora, isto está se tornando muito comum no tempo. A inversão de valores. A busca pela presença do Espírito de Deus cedeu lugar a coisas "mais" imediatas, e a forma da pirâmide de necessidades está de cabeça para baixo. O mais importante, que sustenta nossa vida espiritual está em baixo, mas desejamos nos dar bem e não mais depender a CADA DIA da providência do Senhor. Algo do tipo: Alma, deita e regala-te, pois tens no depósito muitos bens!


INDIVIDUALISMO EXARCERBADO

Vivemos na época do pós-modernismo, onde princípios e marcos foram banalizados e desacreditados. O amor, a moral, a política, as relações familiares são relativisadas como produtos descartáveis. Um zilhão de informações e transformações agride nossos sentidos e paradoxalmente nos esvaziam. Consumismo, secularismo, narcisismo, a coroação do eu, o excesso de abertura de novas igrejas. O não contentamento, a pressa e a velocidade estão ditando as normas de tudo.

Sem a dependência de Deus, seremos como um barco perdido, varrido pelas ondas e açoitado por fortíssimos ventos. É preciso uma âncora. E esta âncora não pode chegar ao fundo sem ter tempo para estar na presença de Deus. Orações não são coisas descartáveis. O tempo da oração não pode ser reduzido, reduzido e reduzido a cinco minutinhos - por semana. Para buscar a presença de Deus é preciso estar na presença de Deus. Isso vem sendo desrespeitado ultimamente. Se eu não tenho este tempo, e você também não, é bem provável que culpemos a Igreja pela nossa frieza.

Deixar nossa vontade em segundo plano e colocar a de Deus em primeiro lugar na nossa vida, é o retrato da fotografia da Igreja de hoje, E quem é esta Igreja: eu e você.


ATITUDES PESSOAIS

Não posso escrever muito, pois não é preciso muitas palavras para concluir o assunto. O quanto você e eu desejamos pagar para que a Igreja de hoje deixe de ser fria, ineficaz, ineficiente e pouco efetiva?

Bem, isto depende de cada um de nós. Se cada crente tomar aquela atitude necessária para subir em um grau a temperatura da sua vida espiritual, isto vai também refletir positivamente na congregação.

O quanto estamos conscientes e dispostos a melhorar nossa situação espiritual? O apóstolo Paulo citou uma frase de autoria do Mestre que diz: "Melhor coisa é dar do que receber". Estamos dando alguma coisa ao nosso próximo? Pelo menos já descobrimos que é este próximo? Temos incluído este próximo em nossas atividades anuais? Temos planejado repartir com nosso próximo uma parte daquilo que temos recebido com tanta fartura? Enfim, estamos mesmo interessados em solidariedade e compaixão? Se não estivermos, não podemos dizer que amamos Deus, se nem conseguimos perceber os seres humanos que fazem parte da nossa comunidade.

A Igreja está "ruim", porque eu estou aquém do que deveria estar. Antes de criticar a Igreja, eu preciso passar as mãos à frente dos olhos, pode ser que uma trave esteja bem ali, tirando a visão de mim mesmo.

Para mudar a Igreja, devo começar produzindo uma mudança em minha vida. Eu preciso que Deus transforme um carvão em brasa e este carvão sou eu. A partir do momento que houver o fogo do Espírito em mim, é possível compartilhar com os outros que ainda estão apagados. Por último, não é possível fazer nada sem Jesus, pois sem Ele nada podemos fazer". Para meditação, II Crônicas 7:14/15




Em Cristo,



João Cruzué.

cruzue@gmail.com

Se você gostou, leia também:


2 comentários:

Wellington S.L. disse...

a todo momento acontece coisas que muitas vezes não entedendemos mas é porque esta alem de nosso pequeno entendimento. sempre é importante lembrar que nada acontece sem a permição de Deus, contudo devemos nos policiar e buscar reparar as novas brechas que surgem todos os dias, caso assim não fosse seriamos perfeitos.
agradeço a Deus que sempre envia ministros p/ nos esclarecer pequenas porções que muitas vezes estão claras diante de nós mas temos os olhos voltados p/ outras coisas que julgamos de maior relevancia.
que nós possamos nós dedicar cada vez mais a vontade de Deus

a paz do Senhor Jesus esteja contigo !!!!!

wanderson disse...

Nossa!!!quero parabenizar o irmão pela postagem....
hoje mal consegui dormir direito pensando na situação da blogosfera cristã,em que cada vez mais os crentes procuram atribuir os erros das igrejas a somente determinadas denominações,pastores,cantores,,etc..Esquecendo que cada cristão é de fato a igreja,podendo fazer a diferença nessa terra!pior ainda é ver como alguns "apologistas" às custas dos equívocos e erros das igrejas...basta comparar quantos comentarios tem as postagens relacionadas a erros da igreja em comparação a postagens de união pela serra ou trabalhos sociais...deus retire de nós a hipocrisia de achar que somente o nosso irmão tem um cisco no olho