domingo, março 29, 2015

O poder da oração

O Poder da oração
JOÃO CRUZUÉ

Vivemos em uma época de grande eficiência nas comunicações. Em 1996, vendi uma linha de telefone fixo por R$ 5.200,00. Hoje, com aquele dinheiro, no mínimo, eu poderia comprar uns dez bons smartphones e, a quantidade de linhas fixas que poderia comprar, seria, talvez, umas cinco dezenas. Além do telefone fixo,  temos hoje: o Skype, Twitter, Whatsapp, Instagran, Facebook, Google+ e sistemas operacionais para todos os gostos, sendo os maiores [1]: o Androide, o iOS, o Windows Phone, Firefox.OS, Tizen, Ubuntu Touch, Synbian  e o Blackberry. O interessante é que, mesmo com toda esta tecnologia, se não estiver ao alcance de uma antena, nada disso vai funcionar. Seu celular pode ficar mudo, talvez em um momento crítico e de extrema necessidade. Para os momentos de crise, há uma linguagem de comunicação que funciona há mais de 4 mil anos e ainda não foi desbancada por qualquer tecnologia de comunicação: ela se chama oração.

Quase todos oram. Há orações curtas e orações longas. Orações decoradas e orações espontâneas e orações excelentes (mas que não sou ouvidas) e orações simples que são respondidas. Deus responde orações, mas não a qualquer oração. Através da oração, Jesus disse que é possível transportar um monte para o meio do mar. Um fato indiscutível é que através da oração é possível receber um milagre, a cura de um mal incurável e a solução de problemas insolúveis. A oração sincera, de um cristão humilde, quando é feita dentro da vontade de Deus é a coisa  mais linda e poderosa que alguém jamais viu. Esta poderosa forma de comunicação é gratuitamente dada  por Deus a quem dela quiser fazer uso.

Em momentos de grave crise, a primeira coisa que o cristão deve fazer não é pegar do smartphone para ligar para o Hospital ou para a mamãe ou marido/esposa. Esta não é a primeira alternativa. Quando a coisa está muito difícil ou de qualquer forma que esteja, a PRIMEIRA coisa a ser feita é dobrar os joelhos e ORAR ao SENHOR. Deus está no controle de qualquer situação, e se ele está no controle, é para ele que devemos abrir a nossa boca para pedir uma luz, uma direção, uma porta aberta, um socorro urgente. A paz entre o casal, a segurança do emprego, o backspace de uma besteira feita, que não há como voltar no tempo para consertar. 

Para ilustrar esta mensagem volto a meditar no Evangelho segundo Mateus, 15: 21, quando Jesus saiu de Genesaré com seus discípulos, deixando o Mar da Galileia em direção a Sidon e Tiro, nas margens do Grande Mar para encontrar com a mulher cananeia. 

A Bíblia registra que a mulher cananeia surgiu de repente e começou a gritar atrás dos discípulos. "Senhor, filho de Davi, tem misericórdia de mim, pois tenho uma filha miseravelmente endemoninhada. Um espírito mau morava no corpo daquela moça e controlava sua mente. Não há registro detalhado do sofrimento imposto à filha e consequentemente à mãe.

Jesus ouviu, mas ficou em silêncio.

O que fazer quando Deus fica silencioso depois de uma oração? Ele não deveria responder logo, e livrar-nos de todo sofrimento? A Bíblia fala em II Coríntios 12; 9  que o poder de Deus se aperfeiçoa nas fraquezas do cristão. 

O que fez a mulher diante do silêncio de Jesus? Ela continuou gritando, a ponto de perturbar os discípulos que fizeram o seguinte comentário: Senhor, despede esta mulher, porque ela vem gritando atrás de nós... E a resposta de Jesus, foi adequada aos ouvidos deles: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.

E, Jesus ainda estava falando, quando aquela mulher chegou a seus pés e o adorou e depois falou três palavras: "Senhor, socorre-me."

Houve uma mudança maravilhosa de atitude. Agora, aquela senhora deixou de gritar e passou a adorar o Senhor. Seria algo como, deixar por um pouco uma extrema necessidade de lado  para adorar e exaltar o nome do Senhor, do único lugar de onde pode vir o socorro.

A mudança de ação da mulher também provocou uma mudança de atitude do Senhor. Ele rompeu o silêncio para dizer um NÃO, que aos ouvidos daquela mulher não era um não completo, havia uma pequena oportunidade. E ela veio quando o Senhor a provocou com estas palavras: "Mulher, não é bom deitar o pão dos filhos aos cachorrinhos.."

De novo a mulher surpreendeu ao Senhor com sua resposta. Ela poderia ter ficado indignada com o aparente preconceito de ser comparada aos filhotes de uma cadela. Mas, em vez disso se humilhou, porque o que estava em jogo não era o preconceito, mas a liberdade de sua filha do controle de um demônio.

--Senhor, não me importo que me chame de "cachorrinho", considere, apenas, que de vez em quando, algumas migalhas caem da mesa  dos donos dos cachorrinhos. A Bíblia não registra, mas depois de ouvirem estas palavras, os discípulos de Jesus se esqueceram da origem daquela mulher. 

Desta vez, o Senhor Jesus olho para aquela senhora, e exclamou diante de todos:

Ó mulher, grande é a tua fé! Seja feito aquilo que tu pedes. E desde aquela hora sua filha ficou liberta.

A oração ainda é e sempre será a forma mais eficiente de comunicação com Deus. Mas, sua resposta depende da vontade de Deus. E a vontade de Deus, na maioria das vezes, depende da postura de quem ora. A oração desde sua existência, que deve ter começado com a existência de Adão, nunca precisou de uma versão atualizada. Quem deve, se "atualizar" é o coração de quem precisa de uma resposta de Deus.

Quem era aquela mulher cananeia? Era ninguém aos olhos dos discípulos. Mas Deus tem o poder de transformar um ninguém em  alguém pelo estímulo à oração. Quando uma pessoa fala, nem sempre é possível entender se é arrogante ou humilde, se é persistente ou desanimada. Mas quando uma pessoa reage é bem possível perceber os defeitos de seu caráter ou as virtudes que possui.

Pelo poder da oração, a mulher cananeia mudou a situação de sua filha. Primeiro gritou, depois continuou gritando. Quando viu que só gritar não ia resolver, se aproximou de Jesus, abaixou-se a seus pés e o adorou. Depois de ter adorado, fez  a súplica em favor da filha.  Mas, foi quando reagiu com muita humildade diante das palavras duras de Jesus que ela se mostrou seu caráter por inteiro: sábia, objetiva, corajosa, insistente, intercessora, humilde e por isso, vitoriosa.

O sofrimento é algo que nos aflige e humilha, mas, às vezes, ele é a única forma de comunicação que Deus permite para tratar de um coração arrogante e teimoso que não mais  ouve ninguém. Se é este o seu caso, saiba que o filho pródigo saiu de casa por conta própria. Mas, saiba também que seu Pai, todo dia, olha pelo caminho que ele um dia poderia voltar. Nada que o pai dissesse ao moço poderia dissuadi-lo da própria vontade de sair de casa. Ficou em silêncio. Foi o sofrimento que trouxe juízo àquele coração duro. Passou-se muito tempo, e um belo dia, aquele pai viu o moço voltando, e foi com uma oração humilde que ele disse ao pai: Pai, perdoa-me porque eu pequei contra o céu e contra ti. Já não sou mais digno de ser chamado seu filho, mas permita que eu fique aqui e trabalhe com um de seus jornaleiros.

Estas duas orações: a da mulher cananeia e a do filho pródigo são o tipo de oração que os ouvidos de Deus não conseguem resistir, porque elas trazem em si a essência da humildade. A oração, quando feita por lábios sinceros e um coração humilde, é poderosa porque provoca uma resposta de Deus. Esta forma de comunicação está fora de alcance da tecnologia atual, mas é acessível a pobres e ricos, homens e mulheres, crianças e velhos. Não é preciso dinheiro, para falar com Deus, mas é preciso as palavras certas e uma postura humilde.

Meditação em 29.3.2015.













sexta-feira, março 27, 2015

Natanael e a figueira

Ele ouve até nosso silêncio...

Wilma Rejane


"Jesus viu Natanael vir ter com ele, e disse dele: Eis aqui um verdadeiro israelita, em quem não há dolo. Disse-lhe Natanael: De onde me conheces tu? Jesus respondeu, e disse-lhe: Antes que Filipe te chamasse, te vi eu, estando tu debaixo da figueira. Natanael respondeu, e disse-lhe: Rabi, tu és o Filho de Deus; tu és o Rei de Israel. Jesus respondeu, e disse-lhe: Porque te disse: Vi-te debaixo da figueira, crês? Coisas maiores do que estas verás. E disse-lhe: Na verdade, na verdade vos digo que daqui em diante vereis o céu aberto, e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem." João 1:47-51

O que fazia Natanael debaixo da figueira? É uma especulação comum aos que lêm essa passagem. Natanael poderia estar orando já que a pratica de orar embaixo da figueira era comum aos rabinos judeus que em suas orações incluíam o retorno do Messias. Independente do que fazia Natanael, o mais esplêndido de tudo é que Jesus o viu em um momento que ninguém poderia ter visto. Era somente Natanael, seus pensamentos e uma frondosa figueira. Por isso o espanto de Natanael. Ele só poderia estar frente a frente com o Messias, alguém capaz de enxergar nitidamente o mundo espiritual, além da matéria.

A promessa dos céus abertos sobre Natanael substituía o simbolismo da sombra da figueira. A figueira que já estava presente no Éden:

Gênesis 3.7: "Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueiras e fizeram cintas para si."

Em Gênesis a primeira referência a figueira está nas vestes confeccionadas por Adão e Eva. A figueira seria o esforço do homem por tentar salvar-se, seria o código das leis de Moisés que apontavam para a salvação em Cristo Jesus. Deus substituiu as vestes de Adão e Eva feitas com folhas de figueira por roupas feitas com pele de cordeiro. O Cordeiro que tira o pecado do mundo já estava profetizado, Ele seria o sacrifício perfeito e completo a cobrir, redimir todo pecado:"Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo." João 1:29

E quando Jesus diz: Natanael, daqui em diante, vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem,entende-se como: "Natanael, o novo tempo chegou em que tereis acesso ao Pai através do Filho, o véu foi rasgado e o Reino de Deus é chegado a vós."

Natanael orava como um verdadeiro Israelita, ele conhecia as Escrituras e esperava a redenção da nação via Messias. Mas Jesus lhe mostra algo maior: céus abertos! 

Debaixo da figueira:

Essa passagem de Natanael embaixo da figueira nos fala dos atributos de Deus: Onipresença, onisciência, onipotência. Deus está em todos os lugares, tem todo o poder e conhece todas as coisas. Ele vê cada momento solitário nosso. Ele conhece sobre o que oramos, Ele ouve até mesmo nosso silêncio. 

Nossa procura por lugares seguros (figueiras frondosas) pode ser constante, mas o encontro com Aquele que nos resguarda a Sombra do Onipotente (Salmo 91:1) é que verdadeiramente nos salva.

"Eu te vi Natanael, embaixo da figueira" essa frase pode ser transferida para qualquer um de nós: "Eu te vi........(Maria,João, Jacó...)quando oravas, quando esperavas, quando buscavas refúgio para tuas aflições". E da mesma forma que Jesus aguardava Natanael ir ao seu encontro, Ele também nos aguarda, todos os dias para que possamos viver das promessas que o Reino de Deus reserva para cada um de nós. 


Deus o abençoe

quinta-feira, março 26, 2015

Resumo do Filme Mãos Talentosas


ENXERGANDO ALÉM DAQUILO QUE VOCÊ VÊ!

Dr. Benjamin Solomon Carson
João Cruzué

FICHA DO FILME
.Baseado na vida real do Dr. Benjamin Solomon Carson
.Lançamento: 2009
.Diretor: Thomas Carter
.Ator: Cuba Gooding Jr. (Ben Carson)
.Atriz: Kinberly Elise (Sonya Carson)
.Gênero: Drama, Biografia.


RESUMO: O filme conta a história de vida Benjamin Solomon Carson, o maior neurocirurgião pediatra da década de 80/90,  que chegou no auge da sua carreira quando  operou com sucesso, pela primeira vez na história da medicina, uma separação crânio-cefálica ocipital de gêmeos siameses alemães, sem que nenhum deles morresse. Da infância pobre à Medalha Presidencial da Liberdade na Casa Branca em 2008, foi um caminho muito difícil onde as atitudes da mãe foram decisivas para colocar o filho (que todos chamavam de burro) no caminho de um futuro brilhante.

HISTÓRIA:
Ben Carson era um menino pobre, negro, criado sem a presença do pai desde os cinco anos, na cidade de Detroit. Por ser míope e pouco disciplinado tirava as piores notas da escola. Sendo constantemente chamado de burro pelos colegas mais aplicados, começou a acreditar  mesmo que não tinha inteligência.

Sua mãe não aceitou aquela crença. Afirmou que Ben era inteligente e colocando seu dedo indicador na cabeça do garoto profetizou: Tudo o que você precisa para conquistar no mundo está aqui dentro! Você só precisa enxergar além do que vê!

Sonya Carson, a mãe de Ben, era uma mulher analfabeta. Criava sozinha os dois filhos. Ela crescera em lar adotivo e aos 13 anos casou-se com um homem que a fazia muito feliz. Mas, depois de cinco anos, descobriu algo que lhe trouxe uma tristeza imensa: seu marido sempre tivera uma outra família. E ainda mais ficou horrorizada quando também descobriu que ele era um traficante de drogas. Divorciou. Fugiu com os filhos para a casa da irmã em Boston. Depois da sentença do divórcio, voltou para Detroit. Continuava muito deprimida e com pensamentos suicidas, procurou ajuda no hospital psiquiátrico da cidade. Na conversa com o médico, chorou e disse que era burra, analfabeta, uma faxineira, e que estava muito preocupada com os garotos, pois não queria que eles tivessem o mesmo futuro. 

Tendo sido aceita para tratamento, antes de se internar tomou a primeira decisão que veio a ser o ponto de inflexão na vida de seus dois filhos. Dizendo que iria a Boston ver a irmã (mentiu), ela ordenou, antes de se internar,  que na sua ausência os dois "moleques" deviam aprender a tabuada inteira. 

Ben, ao ouvir esta ordem da mãe, disse que ela era a pior mãe do mundo.  Mas, pouco tempo depois, o menino que não acertava uma questão na prova de Matemática estava acertando 24 questões em 25. No dia que isto aconteceu ele chegou em casa muito eufórico, e deparou com sua mãe que estava de volta. 

Trabalhando na casa de um professor viúvo, a mãe de Ben ficou impressionada com o tamanho da Biblioteca e perguntou para aquele professor se ele já tinha lido todos aqueles livros. O que ele respondeu: "Quase todos". Voltando para casa, encontrou os filhos desperdiçando tempo precioso de vida assistindo programas idiotas na TV. Então tomou a terceira e mais acertada atitude que levaria aqueles dois garotos a  ser homens de destaque na sociedade, ao ordenar que poeriam assistir dois programas de TV por semana. Tendo sido questionada sobre o que iriam fazer com aquele tempo, ela deu uma segunda ordem: eles teriam que ir à Biblioteca da cidade, ler dois livros cada, fazer os resumos e entregá-los para ela.

A leitura fez  muito bem a Carson. Ele terminou a 8ª série com o prêmio do melhor aluno da classe. Mas o fato decisivo que o levou a escolher a medicina foi o sermão do Pastor da sua Igreja que pregou sobre um médico missionário sendo perseguido por bandidos em terra estranha.

Suas notas eram tão boas que foi um dos três alunos que ganharam bolsa de estudos para estudar na Universidade de Yale, cidade de New Haven, Estado de Connecticut. O futuro da Neurocirurgia estava no Hospital Johns Hopkins, em Baltimore, Maryland. Havia somente duas vagas para 130 candidatos à bolsa-residência médica. Na entrevista, ele falou do milagre do cérebro e de Haendel. Ficou com a primeira vaga.

Foi tão bem sucedido na sua residência no Johns Hopkins, que mais tarde veio a ser o chefe da Neurocirurgia Pediátrica daquele Centro Hospitalar. Ali ele chegou ao auge quando operou os gêmeos siameses da Alemanha, tendo sido a primeira operação na história da medicina em que os dois bebês sobreviveram. Para conseguir sucesso em seus grandes desafios ele tinha um grande segredo: Oração!

Ele orou para que Deus contivesse sua raiva, quando esfaqueou um colega de escola. Ele disse que orava quando se encontrou pela primeira vez com o casal de alemães, pais dos gêmeos siameses Binder e ele orou antes de iniciar o processo operatório que durou 22 horas. 

A cirurgia dos gêmeos Binder deu certo, porque o Dr. Carson introduziu um procedimento inédito: induzindo o coração dos bebês à hipotermia por uma hora. Com o coração parado, não haveria perda de sangue, o sistema circulatório do cérebro de cada bebê seria reconstruído. O tempo chegou ao fim, o sangue que estava a 20º foi aquecido, os desfibriladores fizeram aqueles dois coraçõezinhos pegar "no tranco" e, para a glória do Senhor, lá foram os dois para as incubadoras.

-Qual dos dois vocês querem ver primeiro?  

Foi a pergunta do médico ao casal Binder, que foram e acharam os dois  vivíssimos!


MINHAS CONSIDERAÇÕES:

Não chame ninguém de burro, porque você insulta  o Criador. E ele criou cada um para um grande e maravilhoso propósito. Não aceite o rótulo de burro, porque se Deus tivesse criado você para ser um burro teria lhe dado quatro patas e duas orelhas grandes. E mesmo um burro, não tem nada de burro!

Por que muita gente se acha burro? Bem, uma professora de pós-graduação nos disse que o cérebro pesa um quilo e meio de massa e além de ser um milagre de Deus, pode ser também uma fábrica de crenças bloqueadoras: Estou velho demais... É muito tarde para começar isso...  Não deu certo da primeira vez...Eu sou um negro coitadinho...Eu sou uma branquela sem futuro...Deus já se esqueceu de mim... Vou morrer na miséria... Meu filho nunca vai largar as drogas... Não vale a pena estudar...O único caminho que tenho agora é me matar... Não aguento mais ficar naquele trabalho... Minha saúde nunca vai melhorar... Eu não consigo passar naquele concurso... Eu sou um zero à esquerda... Deus não gosta de mim... etc,.

Há respostas e planos para todos os problemas do mundo dentro do seu cérebro. Como disse a mãe do garoto Ben: Você só precisa enxergar além daquilo que você vê", o mesmo conselho que o Apóstolo Paulo deu para os cristãos de Corinto: Andemos por fé, e não por vista." O que você está vendo? Uma parede? um buraco sem fundo? uma vida destroçada? E se você levantar um pouco mais os olhos, o que sua imaginação pode ver? Deixe-me dizer uma profecia: Um canudo de Doutor! Uma casa de três andares! O melhor emprego da sua vida! Uma pessoa maravilhosa que Deus colocará em sua vida! Três carrinhos de compra lotados no supermercado e uma conta bancária com o suficiente para você e sua família. Você precisa usar sua imaginação e mostrar grandes coisas para você e para Deus. Um dia, todo este fracasso estará no passado, e você será agradecido a Deus pelos tempos difíceis, porque estes costumam ser o ponto de inflexão  na sua vida.

Por fim, o cérebro só consegue  levar você ao grande propósito de Deus para sua vida, se você fizer ele trabalhar: estudando, estudando, estudando e não perdendo seu tempo com coisas que o deixam ignorante. Não há limite de espaço para o conhecimento dentro dele. Mas se você deixá-lo ocioso ou alimentá-lo com coisas inúteis, não só vai falhar na conquista daquilo que Deus planejou para você, como também privar a sua família de um futuro melhor.

Assista:o filme aquihttp://vimeo.com/67598786





.



.