sábado, junho 12, 2010

O perigo da insatisfação na vida diária do cristão


Photobucket
Cruzando o Mar da Galiléia


"De que se queixa, pois, o homem vivente?

Queixe-se cada um dos seus pecados."

Lamentações 3.39

João Cruzué

Quero refletir um pouco sobre as dificuldades de orientação que nós cristãos, já conhecedores da Palavra, enfrentamos ao ficar insatisfeitos pensando na Igreja perfeita, um porto seguro para congregar com a família em tempos tão profanos. Um dilema bastante comum em nossos dias.

A Igreja do Senhor é perfeita, todavia, constituída de membros imperfeitos que por opção pessoal podem ser lapidados ou não pela palavra. Não sei porquê, mas por duas vezes Ernest Hemingway passou pela minha mente quando dei título ao post, e neste parágrafo em particular, lembrei-me daquele prefácio do pastor anglicano John Donne no Livro "Por Quem os Sinos Dobram":

“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.


O individualismo, hoje, tem um viés mais forte do que nunca e o isolamento pode produzir e alimentar em nós uma profunda insatisfação com a própria Igreja. É neste ponto que começamos a ver no próximo defeitos que na verdade julgamos que não estão presentes em nós.

Certa vez Jesus ordenou aos discípulos que cruzassem o "Mar" da Galiléia, enquanto ficou para trás. Ele foi orar. Interessante: Se Jesus era Deus, por que precisava orar? A resposta que achei foi: o prazer da comunhão. De estar em contato com o Pai. Há uma didática (antiga) neste hábito: se o que era Perfeito buscava comunhão, para suas orientações diárias, então, nós cristãos por mais "sabidos" que somos, também necessitamos do mesmo hábito, para manter viva a mesma comunhão.

Os discípulos corriam perigo. O Senhor os viu em plena luta e os socorreu. Entrou no barco, repreendeu o vento e mandou que o mar se calasse. Há muitos cristãos à deriva, açoitados pela força do vento e pela fúria do mar. O vento das novidades, o mar do secularismo e a fúria de um olhar crítico. Ficamos insatisfeitos e esta insatisfação pode ser benéfica ou perigosa, dependendo do caminho que tomarmos.

A crise de identidade evangélica pode nos levar a um aumento da sede de comunhão com o Senhor. Neste sentido, é Deus quem nos coloca no barco e manda que atravessemos o mar. Embora não esteja no barco o tempo todo, ele o observa atentamente. Isso produz experiência, crescimento, e desejo de maior comunhão.

Outro tipo de crise de insatisfação pode nos açoitar - como fez com o filho pródigo. Esta não produz sede de oração, nem desejo de comunhão com Deus. Ela é perigosa, pois nossos olhos focam apenas defeitos naquilo que observam: excesso de ortodoxia, liturgias adormecedoras, pastores ignorantes, antagonistas em lugar de irmãos, Teologia da Prosperidade entrando e saindo dos púlpitos, Política secular ocupando mais tempo de pastores que planos eclesiásticos. Aí o mundo começa a parecer mais justo que a própria Igreja. Aqui mora o perigo.

Não havia nada errado com com a Casa do Filho Pródigo. O coração do moço foi sendo envenenado aos poucos pelo seu (ou de outrem) pensamento crítico exagerado. Sua insatisfação pessoal o levou ao desvario, depois ao desvio, ao desperdício e à derrota. Foram as orações do pai que o trouxeram de volta, pois coube ao jovem o benefício da inexperiência.

A insatisfação de cristãos experientes pode ser mais complexa. E muito mais perigosa. É a insatisfação do filho mais velho da parábola que começou a criticar a justiça do próprio pai. Eu fico pensando, é bem possível que a causa do "envenenamento" da mente do irmão caçula tenha sido as críticas do primogênito. E esta também pode ser a mesma explicação para tantos filhos de crentes tomar o destino do mundo, envenenados pelo criticismo dos mais velhos, que parecem-se mais com o "promotor" de Jó.

Se por um lado é difícil encontrar a Igreja perfeita, aquela que possa satisfazer a visão de cada um, por outro, o conhecimento bíblico de lidar com a situação já faz parte da bagagem. Se Jesus, que era muito mais experiente, sábio, tinha seus problemas de orientação e solidão e os resolvia através de mais comunhão, não há outro caminho senão buscá-la através de orações individuais ou em cultos domésticos.

O Senhor era profundo conhecedor dos corações e da hipocrisia humana. Não desperdiçava seu tempo anotando defeitos, nem murmurando das pessoas, nem jogando-lhes em face seus pecados. Por então um crente deveria adotar este comportamento tão mesquinho e maligna? O diabo sim, quando nos vê, só enxerga coisas ruins. Mas Jesus não é assim: Ele nos vê com olhos compassivos. Ainda que só tivéssemos mil deifeitos e apenas uma virtude, é sobre ela que Ele focaria seus olhos para depois nos animar.

O mar está revolto por causa da fúria do vento? O barco parece furado e parece menor que as ondas do mar? Quem sabe a solução não esteja em abandonar o barco, mas em trazer Jesus para dentro dele?

Ao dedicar mais tempo para estar na presença do Senhor, os defeitos dos homens diminuem e nossas escolhas têm menos chances de afundar. Pior: de fazer afundar a vida espiritual dos mais jovens em nossa própria casa.


cruzue@gmail.com

.

3 comentários:

Visotaky disse...

Interessante. Somando-se ao problema da insatisfação pessoal, existe a própria vida individual de cada irmão. Acontecimentos PODEM nos deixar amargos.
Uma vez li que o mais importante não é o acontecimento, mas como REAGIMOS à eles. Vendo deste ponto, até as coisas ruins podem ser uma oportunidade de crescer, de amadurecer e praticar o bem.
As igrejas dão muito motivo para reclamar. E em algumas ocasiões é necessário alguém se levantar e apontar o erro. Mas ANTES precisamos pensar POR QUE faremos isso.
A Bíblia nunca disse que perdoar é acatar tudo, aceitar tudo que fazem contra ti. Pelo contrário, é um ato de amor quando vc se levanta e alerta um irmão do erro que ele está cometendo, ajudando-o a mudar a rota para o caminho certo.
Reclamar sem ter disposição de fazer alguma coisa pra melhorar é tolice, discórdia e difamação. Apontar os erros de alguém, é a mesma coisa. Alertar e aconselhar, junto com oração, é TODO o necessário.
Como diz a Bíblia em Provérbios 15:1 "A RESPOSTA BRANDA DESVIA O FUROR...MAS A PALAVRA DURA...SUSCITA A IRA."
Fique com Deus

Cleverson disse...

Irmão joão, estes textos sempre me edificam, e me deixam pensativo nos momentos mais dificeis de minha vida. A expressão "De que se quixa o homem" foi muito bem abordada.

Que Deus continue o abençoando e lhe dando textos mais e mais edificantes.

Cleverson
Curitiba - PR

Tel Foramilio disse...

A Paz do Senhor irmão..

Que belo e abençoado texto! Concordo com o irmão Visotaky, quando diz: o mais importante não é o acontecimento, mas como REAGIMOS à eles..

Que o Senhor continue te abençoando e inspirando em seus textos.

Louvado seja o nome de JESUS.

Graça e Paz
=D