domingo, abril 13, 2014

Floração de pimenta malagueta ornamental


GERTRUDES
Meu pé de pimenta malagueta

Foto: João Cruzué
PIMENTA MALAGUETA
(Primeira produção da Gertrudes)
POR JOÃO CRUZUÉ

Quase tudo que você precisa saber sobre pimentas está no estudo Pimenta (Capsicum spp.) da EMBRAPA HORTALIÇAS com sede em Gama, no Distrito Federal. Lá  só não diz como você deve fazer se seu pé de pimenta malagueta emitir flores dentro de uma sala fechada de um escritório no Centro de uma grande Cidade. 

Eu disse que a EMBRAPA diz quase tudo, porque nesta semana que passou (7 - 11 de abril/2014) quase perdemos uma florada inteira da Gertrudes, um pé de pimenta malagueta que embeleza o ambiente do escritório. Foi preciso usar tecnologia de experiências passadas para conseguir conseguir a polinização das flores.

Quando as lindas pimentas desta foto começaram a murchar, nós verificamos que, ao mesmo tempo, a Gertrudes tinha começado a soltar botões de uma nova florada. E a primeira flor que se abriu, um dia depois estava murcha. Como também murchou e caiu o pendúculo que suportaria o fruto  se ele tivesse vingado. Eu comecei então a desconfiar que em um ambiente fechado de escritório nenhum fruto iria vingar e teria que agir rápido.

Primeiro colocamos um pouco de água de cal no substrato do  vaso onde a Gertrudes está enraizada. Se o problema fosse acidez excessiva,  (como no caso das flores do chuchu) estaria resolvido. Restava um outro problema bem mais difícil - a polinização.

A flor da pimenteira malagueta é branca, com cinco pétalas, copo virado para baixo. Esta estrutura suporta cinco "bolsinhas de pólem"  ou anteras -  que seriam a parte masculina da flor. No cento, desce um longa haste branca, quase do calibre de uma agulha - o estigma - a parte feminina da flor.  Se um grão de polem entra em contato com o estigma, ocorre a fecundação e um fruto nasce. Do contrário, em 24 horas toda estrutura da flor inclusive o pendúculo caem. São descartados.

A Gertrudes estava em sala fechada, sem direito à brisa nem inseto, bem no Centro de São Paulo. Por isso, minha segunda providência foi ir até o Armarinho Fernando onde comprei dois pincéis com as cerdas pequenas e delicadas. Encostei o pincel na flor um uma pequena nuvem de polem se desprendeu e brilhou contra o sol. Usei o pincel em todas as flores. A partir do dia seguinte, os pendúculos pararam de cair e frutos começaram a vingar . Acertara em cheio.

Mas havia outro problema. 

Uma grande quantidade de botões iam abrir no fim de semana. Então tomei uma decisão radical. Para tristeza de minhas colegas de seção, que já se acostumaram com a planta, comprei um grande recipiente de plástico na Rua Direita, acondicionei a Gertrudes e fui direto para minha casa. Como não sou adepto de automóvel, ela foi de metrô e de trem. Conheceu a Linha Vermelha, a Linha Amarela e muitas estações da  CPTM. Como dá trabalho, carregar um vaso de pimenta que pesa uns seis quilos!

                                                                                                                                                                       Foto: João Cruzué
Pimenta Malagueta
(Gertrudes no dia 4.4.14)
No sábado de manhã, eu fiz questão de ver quando os primeiros raios de sol começaram a iluminar a Gertrudes.  E, para minha surpresa, no minuto seguinte, uma abelhinha já foi chegando. Como se já conhecesse a Gertrudes há muito tempo, ela foi chegando e trabalhando nas flores. Em pouco tempo já estava com duas patinhas cheias de polem de pimenta. Como eu teria que comprar outro pincel, pois esqueci os outros na gaveta da minha mesa, desisti. Pelo menos umas quatro ou cinco abelhinhas.

Hoje pela manhã, notei que as flores que se abriram ontem, já se desprendiam do pendúculo. Não a flor inteira, mas suas pétalas e anteras.  Em 24 horas o botão se abre e se a polinização não ocorre, a flor cai junto com o pendúculo e você fica sem um fruto. Como uns 20 botões se abriram no sábado, e hoje eu contei uns 30, já deu para contabilizar que se eu tivesse deixado a Gertrudes trancada no escritório neste fim de semana, no mínimo 60 pimentas deixariam de vingar.

O uso do pincel escolar, com poucas e delicadas cerdas funcionou. Contei umas 40 pimentinhas. Com outras 50 deste fim de semana, a Gertrudes vai arrebentar a boca do balão com mais de 100 malaguetas. Ainda tem muito botão para abrir.

Resumo da ópera: Pimenta malagueta ornamental não se poliniza em ambiente fechado. O tempo da abertura do botão, que só acontece durante o dia, até a polinização da flor é coisa muito rápida. Pela minha observação, depois que a flor da pimenta malagueta abre, se não ocorrer a polinização no começo da tarde, adeus pimentinha. Se o ambiente for de um escritório, a polinização só vai acontecer se for usado o pincel para espalhar o polem, de forma que algum grão se apegue ao estigma e aconteça a fecundação. Este seria o plano "B".

                                                                                                                                                                     Foto: João Cruzué
Pimenta malagueta com flores

(Gertrudes em 4.4.14, depois da coleta dos frutos)
O plano "A" seria cultivar a sua pimenteira em um ambiente aberto, com direito à brisa e à visita de abelhas. Eu usei os dois planos, mas o segundo parece-me mais eficaz.

Se tudo der certo, e o frio não afetar a Gertrudes, dentro de um mês, eu devo tirar outra foto dela com mais de 100 pimentas vermelho-ferrari. Vamos bater o record da primeira produção, que foi de 57 pimentas.


Mudas de pimenta malagueta

(Gertrudes em casa, com as gertrudinhas em 12.4.14)
Gertrudes junto com  34 gertrudinhas, todas elas germinadas a partir das sementes de uma única pimenta. 

Idade: 45 dias. 

Hoje é Domingo de "Ramos", 13.04.2014. Uma frente fria chegou hoje a São Paulo. Ontem choveu forte, mas hoje ainda não deu nem um pingo. A previsão é de tempo chuvoso e constante na segunda e na terça. Não sei não...


.




5 comentários:

Thiago S disse...

Ola você usa algum pesticida para cuidar da sua pimenteira?

Joao Cruzue disse...

Oi Thiago, não precisou não. Agora, pimenta não gosta de solo encharcado. Se deixar molhar demais no vaso ela morre. Para evitar fungos, uso aquela receita do Rio Grande do Sul: 10 partes de água e uma parte de leite de vaca de caixinha. É beleza.

Ednoquio disse...

O meu pé de dedo e moça está lindo, uns 5 meses com muitas pimentas verdes e grande... Mais a pimenta antes de avermelhar ela cai do pé... Alguém pode me ajudar?

Joao Cruzue disse...

Oi colega, eu acho que pode ser excesso de água. Pimenta não é planta muito chegada à água. Use uma haste de bambu, daquelas que são vendidas em pacotes para espeto de churrasco e experimento enviar na terra a uns 10 cm do pé da sua pimenta. Se ele vier com barro, é porque tem água demais. A terra pode ficar úmida, mas nunca molhada de mais. Desconfio que este seja o seu problema.


Abraço.

adalberto fontes disse...

Muito interessante gastei