quinta-feira, agosto 14, 2014

Eduardo Campos e a fragilidade da vida humana


João Cruzué



Pedaços de corpos espalhados pelos telhados dos prédios. Um dentista levou radiografias da arcada dentária do político ao Instituto Médico Legal, mas não tinham ainda encontrado esta parte do corpo para comparar. 


O bombeiro que atendeu  ao acidente desde os primeiros momentos, relatou que parecia que os corpos tivessem sido explodidos.  Encontraram um pedaço de gente a 150 metros de distância.

Os legistas não conseguiram corpos para laudar. E dos poucos pedaços de gente que encontraram, será preciso fazer o teste de DNA em todos eles, para juntar algo para colocar dentro de um caixão para ser enterrado pelas famílias.

Estas coisas afligem-me e me mostram que a distância que separa a vida da morte é tão tênue quanto a linha de um retroz. Que o Senhor Jesus conforte coração dos familiares que perderam sete entes queridos.






.

2 comentários:

Nilton Rodolfo Rodrigues disse...

De fato essa tragédia nos leva a lembrar de modo mais vívido o quanto que a vida é passageira. Que Deus console a família das vítimas do acidente aéreo e guarde o nosso coração.

Joao Cruzue disse...

Irmão Nilton, um grande abraço de SAMPA e a Paz do Senhor para os Rapazes GQL.