sexta-feira, outubro 24, 2008

A responsabilidade da mídia no caso Eloá e a psicologia

"Liberdade de Reflexão"

Divan
A mídia no divã
POR SUELY GEVERTZ
Transcrição de João Cruzué

Procura-se um culpado que justifique o encerramento trágico do seqüestro de Eloá, ocorrido em Santo André na semana passada. A polícia agiu corretamente?A volta ao cativeiro da amiga de Eloá deveria ou não ser permitida? Os pais dos adolescentes envolvidos agiram corretamente? Como deveriam agir os pais? Como educar filhos? o que ocorre na adolescência?

Na minha área de atuação, surge uma curiosidade a respeito da alma humana. Qual é a personalidade do seqüestrador? O que o motivou a seqüestrar sua ex-namorada? Ciúmes? Frustração? Estrutura Familiar? Mostram-se depoimentos de amigos e familiares dos adolescentes envolvido na situação com o propósito de procurar alguma característica psíquica de Lindemberg que justifique seu ato.

A psicanálise estuda o requintado, sutil e delicado processo por que passa a mente humana em seu desenvolvimento desde a infância. Basicamente, esse processo envolve a vivência e a elaboração das experiências afetivas, dando um significado a elas e um sentido para o viver. Uma pena que somente em situações trágicas as pessoas se interessem pela mente humana, presente em todo seu viver, trágico e feliz, dolorido e alegre, no contato é nas relações entre seres humanos, na cultura e na sociedade. Buscar explicações somente no que ocorre no psiquismo não justifica o seqüestro de Eloá. Um seqüestro envolve uma situação muito mais complexa. Estão presentes: o indivíduo, a cultura, a sociedade e muito mais em uma trama de relacionamento entre as pessoas e nessas instâncias.

O que se observou na semana passada, não foi somente um seqüestro. Foi um fenômeno de psicologia de massas. O seqüestro de Eloã foi o início da explosão de um episódio muito maior que envolveu a todos, tornou-se um acontecimento, do qual todas as pessoas participaram. Não fomos somente meros expectadores do seqüestro, e, sim, participantes do evento social do seqüestro. Assistiu-se TV, ouviu-se rádio, buscaram-se notícias sobre o seqüestro – que foi parte integrante da maioria das conversas entre pessoas – produziram-se notícias. Estimulamos e fomos estimulados por tudo aquilo que podia estar envolvido na situação. Assistimos e participamos de um espetáculo.

Lembrando que não existe o culpado pelo encerramento trágico do referido seqüestro, abro espaço para uma questão. Porque será que existe um louvável acordo entre os dirigentes dos meios de comunicação de não divulgação de seqüestros que envolvam resgate, para não atrapalhar as negociações e os seqüestros, como o ocorrido em Santo André, viram um acontecimento midiático? Lindemberg conversou com o negociador policial e com jornalistas na frente das câmaras de TV. Estava, em rede nacional, 24 horas, aparecia diariamente em jornais escritos e televisivos e na internet. Foi mais citado que qualquer outra pessoa ou acontecimento do mundo na mídia brasileira, enquanto durou o seqüestro. Ele assistia e ouvia, no cativeiro, o mesmo que todos nós. Como ele mesmo disse: “Eu sou o cara”.

Lindemberg era participante e telespectador do espetáculo. Tinha Acesso às opiniões emitidas sobre sua personalidade, suas possíveis motivações, seu enquadramento jurídico, declarações de seus amigos e os de suas reféns, etc. Será que alguém imagina ser possível alguma negociação exitosa para a libertação de reféns no espetáculo montado?Afinal, era um experiência terrível, catastrófica, que envolvia o seqüestrador, seus reféns, familiares, amigos e companheiros ou um show?

Espero que os responsáveis pela mídia, pela produção e emissão das notícias tratem situações como a ocorrida na semana passada igualmente àquelas de seqüestro de pessoas que exigem resgate para a libertação de reféns. É necessário que surjam mais situações como essa, com perda de vidas, para se tomar uma posição?
.
*Suely Gevertz é psicóloga clínica e psicanalista, coordenadora da comissão de mídia da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo; professora do Instituto Sedes Sapientia de São Paulo e do Setor de Psicoterapia do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP.
.
Fonte: Folha de São Paulo
SP 24/10/2008

Nota do Blog Olhar Cristão: Nossa participação no caso Eloá iniciou-se na sexta-feira à noite, dia 17/10/2008, com a chegada das primeiras (más)notícias liberadas pelo Hospital de Santo André. Este Blog não tem por costume reportar as desgraças do dia a dia por entender que, com todo respeito, se trata de divulgações de interesse maligno ou deixando o eufemismo de lado: publicidade das obras do diabo. João Cruzué.


cruzue@gmail.com


.

.

3 comentários:

Anônimo disse...

Pastor

Estou com saudades do velho Olhar Cristão. Vinha aqui e me alimentava com artigos que alimentava minha fé.

Desculpe o desabafo.

Paty

Joao Cruzue disse...

.

Paty,

Este é um dos melhores comentários que já recebi.

Obrigado.

Pode ficar tranqüila, eu não esqueci do caminho.

As reportagens e outras artigos são apenas o meio de conseguir mais leitores.

Me aguarde!

Irmão João


.

Janela Para Cristo disse...

Irmão achei muito intereçante seu blog, pode contar com mais um leitor semanal!

Se puder visite meu blog: janelaparacristo.blogspot.com