segunda-feira, julho 14, 2008

Café requentado


Café Requentado

João Cruzué

A Bíblia ainda é o melhor livro para se ler, quer acredite ou não, ali está o be-á-bá que ensina o cristianismo para que a mulher e o homem aproximem-se de Deus. A diferença entre ela e um livro qualquer, é que a Bíblia é o único livro que não aumenta o vazio de ninguém. E a Revista Veja é ainda , em meu juízo, a melhor revista secular publicada no Brasil. Como crente ativo e leitor desconfiado vou redigir este texto para que fique bem claro uma coisa: apesar de usar óculos de míopia, não preciso deles para enxergar atrás do "morro". Sem paixão, portanto, quero tratar dos últimos acontecimentos envolvendo gays, evangélicos, Projeto de Lei 122, Pr. Silas Malafaia, André Petry e Beloto, neste artigo.

De repente a grande mídia brasileira descobriu que os crentes também vão a Brasília protestar. É bem verdade, que outros crentes também vão e protestam, de forma discreta, e exercem as mesmas pressões políticas sobre assuntos que a Igreja tem interesse em marcar posição. Além de religioso, todo crente é um cidadão, e como tal, não é superior nem inferior a qualquer outro. Apenas, "a-pe-pe-nas", acontece o seguinte: quando o crente vai a Brasília protestar é rotulado de "a direita religiosa" o "atraso da modernidade" os "fanáticos da Bíblia". "Homofóbicos" - segundo o jornalista da Veja, André Petry, e seguidores da Ku Klux Klan sengundo o "gran titã" Tony Beloto.

Isso é verdade? Coisa nenhuma! Quando o governo ensaiou a criação de um órgão fiscalizador da Imprensa, todos os jornalistas chiaram, protestaram, fizeram pressões políticas, e morreu a coisa. Quando aparece um projeto trazendo como título um nome esdrúxulo: Lei da "Homofobia" a mesma mídia acha que os evangélicos são todos fanáticos, radicais, e inimigos declarados de homossexuais. Quando o termo "discriminação" estiver devidamente claro, posto que sua interpretação é muito subjetiva, nós os crentes deixaremos de protestar. Não vejo lógica em um projeto que ao proteger uma minoria, passe exatamente a discriminar a outra.

E nesse entrevero, a imprensa que deveria ser grande se apequenou. É o caso do colunista da Revista Veja, o jornalista André Petry. Ele presta uma grande desinformação à sociedade brasileira ao rotular o povo crente de "homofóbico". Sou crente há mais de 30 anos e nunca odiei gays. Nunca ouvi um pastor que dissesse estimulasse o ódio a homossexuais. Leio bastante e gosto de bons jornais e de boas revistas. Posso afirmar sem medo de faltar com a verdade que Pastores assembleanos, batistas, metodistas, presbiterianos; quadrangulares, adventistas, universalistas; da Deus é Amor, Internacional da Graça, Comunidade da Graça, Bola de neve, Renascer em Cristo e outras tantas boas Igrejas - NUNCA - ensinaram, ensinam ou vão ensinar o ódio e a aversão contra homossexuais ou qualquer outro ser humano. Discordar é uma coisa e odiar e incitar o ódio é outra coisa muito diferente. Nosso padrão é Jesus Cristo, e amar as pessoas nossa obrigação. Publicar coisas difamatórias sem entender a essência das coisas é no mínimo preconceito.

Outro desmiolado na mesma Revista, comparou os líderes do protesto evangélico que foram a Brasília com a Ku Klux Klan. Como é fácil distorcer a verdade! O que tem a ver um protesto contra um projeto batizado de o elixir milagroso que acabará com toda a discriminação aos homossexuais? Os crentes crêem nos ensinos bíblicos. O Evangelho de Jesus Cristo, escrito por quatro autores, não traz uma linha sequer de ensinos para odiar, matar ou queimar pessoas sejam elas judeus, estrangeiros, crentes ou homossexuais. Na verdade, os evangélicos brasileiros não são adeptos da Ku Klux Klan. Mas cabe lembrar que um dos domínios desta facção racista e assassina de negros do Sul dos EUA tinha um nome muito interessante: "Gran Titan".

Todavia, devemos levar em conta que, passado o momento de protesto político, não devemos nos esquecer que nossa missão e compromisso é levar o evangelho do AMOR de Cristo aos desprezados, aos discriminados,aos sobrecarregados, aos presos, aos famintos, aos sedentos, aos nus, aos enlutados, alfabetizar os ignaros - enfim: trabalhar com juízo para a edificação de um Reino que não pode ser abalado por este mundo - o Reino de Deus.

O que está em pauta não são os homossexuais, mas suas almas, não as mães que abortam, mas suas almas, nossos inimigos não são os petrys, belotos, gays, vejas, globos e etc, mas sim as hostes espirituais da maldade que operam no plano espiritual. Não podemos perder o foco sob pena de aumentar o vazio do secularismo que tão de perto nos ameaça nem devemos hostilizar aqueles que precisam de Cristo e necessitam do seu amor. Consideram que a primeira impressão é a que fica, como ficará nossa imagem diante da nação se agirmos como fanáticos e desequilibrados? Quem vai depois querer escutar nossa pregação?


Não devemos beber o café requentado no fogo da vaidade de pastores que inconscientemente despertam em nós paixões estranhas em lugar do amor divino. Falar de amor é uma coisa, amar é outra. Ensinar paciência e compaixão é fácil, exercê-las é difícil. Deus é amor, e qualquer coisa diferente disso pode nos levar a atalhos perigosos, que à primeira vista parecem direitos, mas depois da primeira curva pode estar o precipício. O crente consciente que agrada a Deus não deve sair por aí escrevendo emails de desaforo para descrentes sob a emoção de uma meia-verdade. Podemos nos expressar e reclamar sim, mas não tangidos pela vaidade de ninguém.

Portanto, o momento é propício à reflexão. Temos um compromisso de amor para com todos os brasileiros, não importa a cor, raça, estatura, classe, opção sexual, criança, adolescente, jovem, adulto ou velho. Para exercitar este amor temos que beber da verdadeira fonte do amor para que não sejamos achados em falta com Deus. Não deixemos a fonte da Água da Vida para beber café requentado, e bem aventurados são os pacificadores, pois eles serão chamados de Filhos de Deus.


João Cruzué
cruzue@gmail.com


OPINIÃO CRISTÃ


.

2 comentários:

Anônimo disse...

Acho que esse discursinho seu e de todos os crentes não odiarem gays é banal e superficial. Não precisa odiar para prejudicar. A bancada evangélica na assembléia legislativa não permite a votação de leis que poderiam melhorar a vida de inumeros casais homosexuais, usufuindo das vantagens que a lei da aos heteresexuais. Essa falta de legislação afeta grandemente e de forma negativa as nossas vidas no plano terrenal, que ao final das contas, e deixando de lado seu discursinho estúpido de salvar as almas no plano espiritual, é o que realmente importa. Isto pode ser aplicado a qualquer outro ser humano, na pobreza, na miséria, que vocês dizem querer salvar-lhes as almas. Queria ver você não poder casar com sua mulher, ou não poder manter o patrimonio costruido e filhos, após a morte dela, por estar impedido de casar legalmente e estar exposto à que a família dela lhe tire todo. Se é que o inferno existe, vocês vão direto. Se você no pública isto, é porque é verdade, porque geralmente a verdade é escondida a conveniencia de quem lucra com a religiosidade do povo. Há no meu critério muitos livros excelentes a serem lidos, um deles, porque não existe "o melhor" (ai que eu acho uma falha no seu discurso, vocês se acham os melhores porque lêem "o melhor livro, é o Capital de Marx. Seria bom você dar ao seu rebanho espiritual para eles pararem de ser esplorados tanto por você, quanto pelos patrões de toda essa imensidã ode gente humilde que trabalha por um salário de fome e que vocês pastores religiosos fazem o favor de reduzir ainda mais a troco de "espiritualidades" petrificadas.

Joao Cruzue disse...

.

Réplica para "anônimo".

ORIGEM IP 189.29.14.# - Araraquara
Vivax.com.br - Visitante # 35.791
Data e Hora do comentário:Aug 6 2008 9:32:46am

1. O Brasil é uma democracia; onde as leis são feitas e aprovadas com base em pressões políticas. Cada segmento social puxa a sardinha para sua brasa. Discurso político não muda a lei. Voto e representação popular: sim.A decisão fica a cargo da maioria. Pelo que me conta a bancaca evangélica não é majoritária.

2. Temos sim opiniões diferentes. Mas não se esqueça que neste país os crentes ainda são mais discriminado do que negros e gays. Portanto na escola que você está aprendendo, já somos experientes em sofrer intolerância;

3. Não tenho compromisso de publicar comentários anônimos; porque não é de forma furtiva que se defende a própria causa.

4. Marx era um teórico. Estudei na universidade no final dos anos da Ditadura brasileira. Tínhamos cinco aulas de materialismo por semana, no início dos anos 80. Se agora é que descobriu "Das Kapital" está quase 30 anos atrasado.

5.Termino dizendo que tem uma péssima noção de interpretação de textos. Se não fosse tão preconceituoso entenderia que a essência do meu texto quer dizer exatamente o contrário do que você entendeu

Ou seja, que nós os crentes não aceitamos ser puxados por cabresto de qualquer pastor. Que justamente por entender muito de discrinação e preconceito - pois todo crente - sofre isso, não estamos a fim de agredir verbalmente nenhum homossexual. Temos só opiniões diferentes, e podemos ser cordiais.

.