domingo, novembro 16, 2008

O perigo da insatisfação na vida cristã


Photobucket
Cruzando o Mar da Galiléia
João Cruzué

Quero deixar algumas linhas sobre dificuldades de orientação para cristãos já amadurecidos, conhecedores da Palavra, mas insatisfeitos: à procura da Igreja perfeita, diferente, um porto seguro para congregar. Este dilema é bastante comum em nossos dias.

A Igreja do Senhor é perfeita, todavia, constituída de membros imperfeitos que por opção pessoal podem ser lapidados ou não pela palavra. Não sei porquê, mas por duas vezes Ernest Hemingway passou pela minha mente: quando dei título ao post ( O velho e o mar) e neste parágrafo, quando lembrei-me de parte daquele prefácio do Livro Por Quem os Sinos Dobram - "Nenhum homem é uma ilha". Uma tendência ao individualismo, ao isolamento pode produzir uma insatisfação com a própria Igreja. Neste ponto começamos ver no próximo defeitos que na verdade também estão em nós.

Jesus ordenou aos discípulos que cruzassem o "Mar" da Galiléia, enquanto ficava para trás, com certeza para orar. Interessante: Se Jesus era Deus por que precisava orar? A resposta era o prazer da comunhão, de estar em contato com o Pai. Mas há um algo didático neste hábito: se o que era Perfeito buscava comunhão, para suas orientações diárias, então, cristãos maduros também necessitam do mesmo hábito para manter viva a mesma comunhão.

Os discípulos corriam perigo de morte e o Senhor os viu em plena luta e os socorreu: entrando no barco e repreendendo o vento e o mar. Há muitos cristãos à deriva açoitados pela força do vento e fúria do mar. O vento das novidades e o mar do secularismo. Ficamos insatisfeitos e esta insatisfação pode ser benéfica ou maligna.

Uma crise pode nos forçar um aumento da sede de comunhão com o Senhor. Neste sentido, é Deus quem nos coloca no barco e manda atravessar o mar. Embora não esteja no barco o tempo todo, ele nos observar atentamente. Isso produz experiência, crescimento e maior comunhão.

Outra crise de insatisfação pode nos açoitar - como a do filho pródigo. Esta não produz nem sede de oração, nem desejo de comunhão com Deus. São olhos que focam apenas defeitos naquilo que observam: excesso de ortodoxia, liturgias adormecedoras, pastores ignorantes, antagonistas em lugar de irmãos, o mundo parece mais interessante que a viver da fé. Aqui mora o perigo.

Não era a "casa" do filho pródigo que era defeituosa. Não havia nada errado com ela. O coração do moço, sim, estava envenenado pelo mundo. Sua insatisfação pessoal o levou ao desvario, ao desperdício e à derrota. As orações do pai - o trouxeram de volta, pois coube a ele o benefício da inexperiência.

A insatisfação de cristãos experientes pode ser mais complexa. Se por um lado é difícil encontrar uma Igreja que possa satisfazer a visão de cada um, por outro o conhecimento bíblico de lidar com a situação já faz parte da bagagem. Se Jesus, que era muito mais experiente e sábio que qualquer cristão maduro resolvia seus problemas de orientação e solidão através de mais comunhão, não há outro caminho senão buscá-la através de orações sinceras. 

Jesus era um profundo conhecedor dos corações e da hipocrisia humana não desperdiçava seu tempo anotando defeitos, nem murmurando das pessoas, nem jogando-lhes em face seus pecados. Por que um crente deveria adotar  este comportamento tão mesquinho de origem  maligna? O diabo sim, quando nos vê, só enxerga coisas ruins. Mas Jesus não ensinou assim: Ele  nos vê com olhos compassivos. Ainda que  só tivéssemos mil deifeitos e apenas  uma virtude, é sobre ela  que Jesus foca para depois nos animar.

O mar está revolto por causa da fúria do vento? Quem sabe a solução não esteja em abandonar o barco, mas em trazer Jesus para dentro dele?  Isto mesmo! Convide o Senhor para estar no barco.


João Cruzué
para o Blog Olhar Cristão
cruzue@gmail.com

.

3 comentários:

Pr Ely disse...

A paz irmão Cruzué.
Enchi meus olhos de lágrimas ao ler este post.Ao ler estava aparecendo em minha frente pessoas na igreja que estão nesta condição.Totalmente isolados dentro da igreja.Não participam de nada e ainda assim criticam os que se dedicam à fazer e até a igreja em que congregam.Como isto faz doer em nossos corações.Peço à Deus que um dia estas pessoas possam deixar o Espírito Santo trabalhar em seus corações.Eu sempre digo que o Espírito Santo não encontra dificuldade em converter um pecador,por pior que seja.Ele encontra dificuldade em converter um crente convencido e não convertido.Que Deus continue te usando meu querido irmão.

pastor_elylima@hotmail.com

Anônimo disse...

Não há possibilidade desse cristão maduro insatisfeito ser um instrumento de Deus para abrir os olhos dos demais?

Se Jesus não confrontou as pessoas então leio uma Bíblia diferente do irmão.

Anônimo disse...

.

Para o anônimo:

Nossas bíblias não devem ser diferentes. Talvez com uma segunda leitura, possa interpretar melhor o texto.