sábado, janeiro 17, 2015

População Evangélica do Brasil atinge 25,25% em 31.12.2014


POR JOÃO CRUZUÉ

Cálculo atualizado em 16 de janeiro 2015.


TOMANDO POR BASE DADOS DO IBGE
De acordo com as séries históricas e a estimativa do IBGE para a população do Brasil em 2014, fizemos os cálculos da população evangélica para 31.12.2014.

Em 2010 a população evangélica do Brasil era de 22,16% e 42.275.437 crentes.  

Metodologia: Embora a média aritmética da taxa de crescimento anual de 1960 a 2010 seja de 5,75%, para a projeção de 2014, por conservadorismo, utilizamos na PROJEÇÃO a mesma taxa anual (4,91%) do último Censo IBGE 2001-2010. O Cálculo (1,0491^4) deu 21,13%.

Assim sendo, a população do Brasil estimada pelo IBGE em 31.12.2014 foi de 202.768.562 habitantes. Aplicando a projeção acumulada (21,13%)  a população evangélica, então, é 51.208.237 crentes, representando 25,25% ou pouco mais de 1/4 da população Brasileira.

Se, eventualmente, o crescimento da população evangélica se desse pela média aritmética das taxas anuais (5,75%) o cálculo, então, chegaria a 26,07% ou 52.870.036 de crentes. Por isso, podemos afirmar que ela esteja entre 51.208.237 e 52.870.036, ou seja em torno de 52 milhões de evangélicos.




 PESQUISAS DO  INSTITUTO DATAFOLHA

Os católicos, segundo o Datafolha,  representavam 75% da população brasileira em 1994.  Em 2007 eram 64%. No Censo IBGE de 2010 eram 62%. Em julho de 2013, época em que o Papa Francisco veio ao Brasil, uma pesquisa divulgada pelo  Datafolha revelava que a  população de católicos no brasil tinha caído para 57%. Analisando apenas a estatística dos números, podemos inferir que em 20 anos (1994-2014) a Igreja Católica deve perder cerca de 20 pontos percentuais, indicando uma queda de 26,67% no período.

Considerando que os dados do IBGE não são provenientes de contagens físicas de evangélicos, casa por casa, mas amostrados e projetados estatisticamente a nível estadual, podemos também compará-los com os de outro Instituto.  Segundo o Datafolha, em 1994 a porcentagem de evangélicos no Brasil era de 14% (10 + 4). Em 2007  era de 22% (17 + 5). E em julho de 2013, para 28% (19 + 9). Dessa forma, podemos observar que os dados do Datafolha são de 3 a 4 pontos porcentuais maiores que os números do IBGE.

Fim.

-----

AVALIAÇÃO DOS FATOS

Comparando:  No ano de 1994 os católicos eram 75% e  os evangélicos 14%. Em 2007 os católicos eram 64% e os evangélicos subiram para 22%. Em julho de 2013, os católicos eram 57% e os evangélicos (DATAFOLHA) 28%. Ou seja, pelo DATAFOLHA, em 18 anos,  enquanto o número de católicos caiu  24%, os evangélicos cresceram  100%.

Enquanto a Igreja Evangélica cresce por volta de 5% a cada ano, os católicos diminuem 1,2% no mesmo período. Em decorrência disso, e mantidas as mesmas taxas até 2025, católicos e evangélicos terão a mesma participação na população brasileira em termos de QUANTIDADE. Quanto à QUALIDADE do fiel tanto de uma igreja quanto de outra, aí são outros quinhentos, para uma abordagem qualitativa em outra matéria.

Nossas projeções para 2020, com base nas estatísticas dos censos do IBGE de 2000 e 2010, e da população do Brasil em 31.12.14 estimada pelo IBGE, são as seguintes:

População brasileira em 2020: 211.738.799 (+11% em 10 anos);
Católicos Romanos  = 53%: 112.728.216  (-9,07% em 10 anos);
Evangélicos = 32,2%: 68.253.698 (+61,45% em 10 anos).

Uma das explicações para o firme crescimento no Brasil, pode ser constatada em qualquer cidade do Brasil: é a quantidade de denominações evangélicas que faz a diferença. Mais congregações traz mais evangelização e mais evangelização leva a mais salvação. E isto não se restringe apenas à evangelização pessoal ou coletiva, acontece a mesma coisa no rádio e na TV. Esta descentralização e aparente divisão do corpo de Cristo, na verdade, pode ser analisada de outro modo: o Reino de Deus cresce no plano espiritual. Parafraseando o apóstolo Paulo: uns pregam pelo Espírito, outros pelo dinheiro, outros pelo poder, por divisão, por "n" razões. Cada um receberá de Deus o seu salário, no entanto é a Palavra de Deus que salva. Neste ponto, quanto mais pessoas pregando e abrindo templos evangélicos, mais cresce nominalmente e espiritualmente o Reino de Deus. A descentralização e democratização dos evangélicos leva vantagem sobre a metodologia de evangelização da Igreja Católica. E este fenômeno não acontece apenas no Brasil, é possível dizer que ocorre com vigor em toda América Latina.

Considerações finais: Nossa pesquisa foi conservadora, baseada em dados de Institutos certificados. Não trabalhamos com chutômetro.Se você gostou, ou queira discutir algum ponto, por favor, escreva para mim: cruzue@gmail.com.

Para usar os dados de minha projeção, solicite a  autorização por e-mail.









12 comentários:

Anônimo disse...

eita deus tremendo

Anônimo disse...

evangélico do Brasil100 Rogério do Brasilmulher evangélico do Brasil

David moura disse...

Deus e fiel ,jesus amar o brasil.

oseas lisboa disse...

Olá boa noite senhor João Cruzué. Que a paz de Deus esteja com o senhor. Me chamo Oseas Lisboa, moro em Belém do Pará. Sou diretor de uma Revista chamada PARÁ GOSPEL e estou fazendo uma pesquisa para encontrar dados que confirmem o Crescimento evangélico no Brasil e mais particularmente no meu estado. Estive dando uma olhada em seu Blog e lendo seus dados e são muitos interessantes até mesmo pela fonte ter sido o IBGE.
Gostaria de saber junto ao senhor se poderia ter sua permissão para usar sua matéria como referência para o estudo que estou fazendo. Assim caso precise usá-la anotaria os créditos ao seu nome.

Deixarei meu Email para que você possa me responder.

Desde já agradeço!!!

Oseas Lisboa
Diretor da Revista Pará Gospel
revistaparagospel@hotmail.com

andrei.antony disse...

E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane;
Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.

Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui, ou ali, não lhe deis crédito;
Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.

Eis aí a explicação porque eles vem crescendo muito. Jesus já tinha avisado sobre os falsos profetas (pastores) que irão enganar a muitos

Joao Cruzue disse...

Ao técnico Andrei. Caro Sr. Andrei, agradeço seu comentário. Minha réplica: sua conclusão é muito simplista. Sem dúvida há muitos falsos profetas por aí, mas eu lhe pergunto: Todos eles são do meio evangélico, ou estão por toda parte? O senhor criou seu perfil no Google, mas não trouxe nenhuma informação sobre o que tem realizado. Por que esta falta de transparência? O que tem a esconder? Os evangélicos crescem por um motivo muito simples, eles evangelizam mais. Dizer que todos os pastores evangélicos são falsos profetas, revela que o autor do comentário, embora se mostre religioso, é preconceituoso. E o preconceito tem atrás de si outras coisas ruins, como por exemplo uma cegueira intelectual e moral. Na linha do seu raciocínio, alguém poderia pensar e falar que todo padre é pedófilo, todo judeu uma praga e todo negro um marginal. Entretanto isto não é verdade, porque estas afirmações são mentirosas, preconceituosas e nojentas. No meio evangélico, quanto no meio católico, judeu e negro há milhares e milhões de pessoas honestas, trabalhadoras, esforçadas e prósperas. Para concluir, suas palavras não foram escritas pela orientação do Espírito de Deus. Então, meu conselho é : Não dê lugar ao diabo!

Dionete barboza disse...

O mal só aumenta!

Joao Cruzue disse...


Donizete Barbosa.

Aceito seu comentário, mas vou contradizê-lo. Se o mal está só aumentando, o Juiz Sérgio Moro de que lado está - do mal ou do bem?

Ao contrário do irmão, eu penso que o bem também está aumentando...

andrei.antony disse...

Ao J. Cruzue

Não foi uma conclusão, foi uma afirmação! Quando eu disse: pastores, estava me referindo exatamente aos pastores das denominações protestantes. Claro, com exceções. Não generalizando

E porque estarias tu preocupado com meu perfil do google?? Comentei porque, nesta página, está permitido comentar. Se não fosse permitido, não comentaria.

Os chamados grupos “evangélicos” crescem mais por varias razões sociais que se eu fosse citar aqui os motivos meu comentário ficaria muito grande.

Sobre preconceito, então sejamos no mínimo coerente. Quando verem um católico rezando frente a uma imagem não o chamem de idólatra e nem diga que ele não lê a Bíblia ou que está no erro, pois o catecismo da igreja católica está fortemente fundamentado na Bíblia. O mesmo quando verem alguém que faz trabalhos de oferendas à entidades seja na umbanda ou quimbanda. Aproveitem a ocasião para ir nos terreiros de umbanda ou do candomblé e assistam aos rituais que eles fazem, sem discriminação, e convide-os também para ir a sua denominação para participar das suas reuniões protestante. Mas não tente convencê-los de largar suas religiões e mudar para a sua religião por achar que a sua é melhor que a dele. Muito pelo contrário, apoiem os ritos deles seja qual for: umbanda, quibanda ou candomblé, numa reunião na sua igreja protestante e na frente de todos os fiéis e vocês estariam demostrando a maior forma de combate à intolerância e ao preconceito religioso. Caso contrário, vocês estariam seguindo a mesma linha de raciocínio preconceituosa, mentirosa, nojenta que você argumentou e, principalmente, hipócrita.

Agora quero saber quem tu és pra ter autoridade de dizer se alguém esta escrevendo pela orientação do espirito de Deus ou não. Por um acaso tu virou dono do espírito de Deus?? A soberba é tamanha que se acha no direito de dizer disparates como esse

Guedes disse...

De que adianta sermos 50 milhões de brasileiros, se na hora que a nação precisa se manifestar - nos escondemos dentro de nossos templos-feudais!!

Anônimo disse...

O importante e que DEUS e
maior que todas as coisas.

Joao Cruzue disse...

Guedes,

Sobre manifestações: Quando os fariseus mostraram uma moeda para Jesus, eles estavam fazendo uma abordagem política. Qual foi a abordagem de Jesus? A abordagem dele era espiritual. Estamos vendo manifestações neste país desde o Fora Collor. Cada um tem o direito de livre escolha, não creio que o mundo político possa ser mudado apenas com manifestações. Se fosse só assim, para que Jesus confiava mas nas suas Orações? Não estou dizendo que o cristão deva ser avesso à política. Ele deve se manifestar politicamente, mas não como massa de manobra dos outros.ou seja, participando de movimentos de rua cujo real propósito poucos sabem.

Estamos diante de tempos muito difíceis. Eu recomendaria muita cautela.