sábado, dezembro 20, 2008

O significado do Natal


Belem
Bethlehem da Judéia
Joao Cruzué

O Natal é muito especial para mim. Quando chega o mês de dezembro, percebo que as pessoas ficam mais alegres, mais solidárias, mais generosas, comunicativas, emotivas, viajam mais, vão para junto de seus queridos.Eu vejo o Natal sendo comemorado entre as famílias cristãs de todo mundo e até pelos não cristãos. Também é verdade que muitos rabujentos não gostam dele. Dizem que é puro comércio, outros uma festa pagã disfarçada. Cada um pode achar como quiser, mas sinceramente eu creio que no fundo todos gostam do Natal por que é um tempo especial para dar e receber presentes.

Natal é Jesus, e Jesus é o nosso maior presente. Por uns bons cinco anos trabalhei na Rua 24 de Maio, no Centro de São Paulo, anos 80. As duas Casas mais badaladas de compras na época eram o Mappin e a Mesbla. Quando chegava dezembro,um mar de pessoas andava por ali atrás de enfeites, perfumes, eletrodomésticos, roupas, presentes de todos os tipos. Havia Papais-Noéis tocando sininhos nas esquinas e as músicas natalinas maravilhosas enchiam o ar ao som da harpa paraguaia de Luis Bordon. Era "Gingle Bell" "Meu sapatinho" e "otras cositas", o dia inteiro, o mês inteiro. Hoje, o grande movimento está na Rua 25 de Março e nos Shopping Centers. Aquilo que eu achava bom, pode ser que esteja melhor ainda, mas não tenho ouvido mais o som da harpa.

Por causa do Natal, há muitas oportunidades de emprego no final do ano,quando o comércio vende mais. Ele sustenta o emprego de toda uma cadeia produtiva que começa desde a pequena indústria, passando pelas grandes fábricas, atacadistas, transportadoras, terminando na rede varejista. Cada um pode voltar feliz para sua casa com alguma coisa no bolso.

Muitas famílias entre tanta gente humilde neste país têm uma oportunidade de comprar um peru, um chester ou um pernil pelo menos uma vez por ano - no Natal. Posso imaginar crianças tagarelando à mesa com o rosto sujo de comida, e do outro lado, pais e mães felizes, guerreiros e guerreiras assistindo com alegria o resultado, o fruto de seu trabalho. Se o Natal fosse apenas comércio, sem ele o lixeiro, o carteiro, o moço da conta de luz, os porteiros dos prédios, os faxineiros não poderiam compartilhar de uma generosidade de tão pouca duração. Que bom que nessa época o comércio seja mesmo forte, porque é muito bom que todos compartilhem do mesmo pão e da mesma paz, pelo menos uma vez por ano.


Por trás de todo este movimento, quer queira quer não, está a pessoa de Jesus Cristo.O personagem principal da Bíblia, o Filho de Deus nascido em uma manjedoura pobre pela indiferença dos antigos moradores de Belém. Eu sei que Deus poderia ter escolhido a família mais abastada da Judéia para que Jesus nascesse em berço de ouro e lençóis de linho. E por que motivo não o fez? Não conseguiríamos perscrutar a mente divina, mas posso entender que se Cristo tivesse nascido rico, o pensamento farisaico teria invertido todos os valores morais cristãos. Se os fariseus acham que só a riqueza é um sinal de justiça e da bênção de Deus, Jesus para eles foi um paradoxo e uma pedra no sapato.

O Natal é Cristo. O filho de Deus que se humanizou para mostrar boa vontade para com os homens. Ele veio trazer luz aos cegos, libertar os cativos, soltar os oprimidos, restautarar os quebrantados de coração. O Príncipe da Paz veio anunciar o ano aceitável do Senhor. É por Jesus Cristo que Deus oferece a cada um a opotunidade de reconciliação.

Sua data de nascimento não é precisa. Imagino que os que não gostam do Natal sejam tão mesquinhos quanto os antigos moradores de Belém. Esses lhe negaram um teto e o aconchego de um berço; aqueles ainda querem lhe negar uma data de nascimento. De uma coisa estou bem certo: Ele Se ele não nasceu em 25 de dezembro, nasceu em meu coração em 11 de janeiro de 1975.


E, se tudo que já disse fosse insuficiente, Deus, em um gesto de boa vontade, presenteou todas as pessoas do mundo com uma grandíssima boa nova: Que na cidade de Belém da Judéia nasceu o Cristo, o Messias, aquele que veio para perdoar os pecados e aliviar as cargas de todos os pecadores.

Em um mundo tão agitado, tão violento, há uma mudança inegável no comportamento das pessoas quando chega o Natal. A Paz que acontece é explicada pelo maior presente já recebido pelos homens, com está escrito em Isaías 9;6: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz.

Paz e alegria através da presença de Cristo. É este o significado do Natal para mim.

Feliz Natal!

cruzue@gmail.com


.

4 comentários:

Sammis Reachers disse...

O que mais pode ser dito? S-e-n-s-a-c-i-o-n-a-l...

João, ao ler este texto pude contemplar em minha mente aquele projeto dos livros... Quase posso tocar o primeiro exemplar. É um excelente projeto para 2009.

Amado, obrigado por suas palavras de encorajamento, fiquei feliz e honrado. É uma felicidade ser também teu amigo: havia aqui na Tv MultiRio um programa de entrevistas chamado 'Encontros Essenciais'. Pois creio que você foi um desses encontros essenciais em minha caminhada, um exemplo e um guerreiro imbuído do mesmo Espírito, com quem posso somar forças.

Que Deus lhe abençoe e use cada vez mais neste ano que se iniciará.

Feliz Natal, brother!

Um abraço do Sammis

Felipe Huvos Ribas disse...

Bonito post, João. Feliz Natal para o senhor também :D Deus te abençoe.
Só uma dúvida minha... (pra variar) e sobre o papai noel, o que o senhor acha?

Fabricio disse...

Irmãos abram seus olhos.

Joao Cruzué disse...

.

Réplica ao Fabrício

Já abri os olhos. E vi um título de "apóstolo" por trás do texto anti-natalino.

Da mesma forma, posso usar seu próprio argumento para aferir o peso.

Só há doze apóstolos na Bíblia. O nome deles está escrito nos doze fundamentos na Nova Jerusalém, em Apocalipse 21.

Viu, eu abri os olhos.

Poderia concluir dizendo que se o Natal é festa pagã, o título de "apóstolo" além de ser uma fraude é um costume presunçoso que não combina com a simplicidade cristã.

Ora bolas! Se Cristo se encarnou e nasceu de mulher, logo teve um dia de nascimento. E se ele não tivesse um dia de nascimento, direito assegurado a qualquer homem, logo seria uma fraude.

Papai Noel, coelhos e dia das Bruxas são coisas pagãs.

O Natal que eu celebro é a comemoraçãdo do Nascimento de Cristo. E Cristo é o espírito do Natal.

.








.