segunda-feira, maio 09, 2016

A Igreja Evangélica da Suécia e o casamento gay


Nova lei marital e a sugestão da Igreja da Suécia


Assembleia Geral da Igreja da Suécia em Upsala
David Jonasson

Tradução de João Cruzué

O Conselho Central da Igreja da Suécia decidiu propor (há 4 anos) que a Assembléia da Igreja adote as novas regras de matrimônio de acordo com a nova Lei marital sancionada em primeiro de maio 2009. Esta lei dá a casais do mesmo sexo o mesmo direito ao matrimônio que outros.

O Conselho Central também sugeriu que o Estatuto da igreja fosse modificado para permitir que "noivos" do mesmo sexo pudessem ser casados, com um modo alternativo de expressar os votos nupciais. Por exemplo, a expressão 'marido e mulher’ deveria ser modificada para "cônjuges".

Na ordem do dia da Assembléia da Igreja fica enfatizado que: “o matrimônio, segundo a visão evangélica Luterana, é uma instituição social regulada por autoridades públicas. Da perspectiva da teologia da criação, o matrimônio tem o objetivo de garantir uma relação entre cônjuges para proporcionar um ambiente seguro para o crescimento das crianças”.


O arcebispo Anders Wejryd disse que o mandamento do amor é superior a outras mandamentos e proibições na Bíblia...

“Quando a Igreja da Suécia se posiciona na questão do matrimônio entre pessoas do mesmo sexo, a questão mais relevante é: Se isto prejudica ou ajuda as pessoas. A Igreja da Suécia quer apoiar relações "fiéis”, escreveu Wejryd em uma nota à imprensa.

A Assembléia da Igreja votou a proposição naquele outono. Por enquanto parece que a maioria apoia a proposição, a única exceção vem do grupo Frimodig Kyrka.

Depois de ser notificados sobre a proposição do Conselho Central, eles responderam que o assunto é problemático por vários motivos. Ele vai de encontro às opiniões que alguns bispos já exprimiram publicamente, que isto pode prejudicar relações ecumênicas tanto dentro como fora do país, pois os argumentos teológicos de uma modificação nos Estatutos Eclesiásticos são por demais débeis e não completamente discutidos. 

“Eles estão prontos para se aprofundarem além dos rachas e feridas da já combalida unidade dentro da Igreja da Suécia. Com a obrigação de realizar o matrimônio de acordo com a nova lei marital a igreja será lágrima e trapos além disso a questão é se isto irá mantê-la unida em absoluto”, Erik Johansson, sacerdote e membro de Frimodig Kyrka, escreve em resposta.

A Igreja da Suécia é a maior igreja do país. Até 2.000 ela manteve a posição de uma igreja estatal. Ela adotou naquele período uma estrutura administrativa basicamente nos moldes do estado. Seu sistema eleitoral é o mesmo usado nas eleições parlamentares ou municipais.


Fonte: Stockholm News


COMENTÁRIO DO BLOGUEIRO:

Eu traduzi e publiquei este artigo (há 04 anos) para informação das lideranças evangélicas brasileiras. Caso aconteça mesmo a aprovação da Lei da homoafetividade, uma série de outras proposições de alterações constitucionais virão rapidamente em seu rastro. Moral da história: muito cuidado na hora de votar nas próximas eleições. O seu voto pode ajudar a criar uma cobra que não vai ter nenhum compromisso com as crenças da Igreja. Por isso, o voto evangélico deve ser melhor trabalhado, debatido, principalmente nas Revistas de Escola Dominical. Não sei quem alienou o povo evangélico da política, mas se não tivermos organização consciência nestes institutos, ainda podemos presenciar pastores realizando casamentos entre pessoas do mesmo sexo dentro de seus tempos. Na marra, sob ordem de juiz, que exigirão o cumprimento da lei prejudicada.

Isto significa que de agora em diante, em questões de representatividade, não podemos mais errar, pois o outro lado atua com muita organização - além de ser financiado tanto com recursos públicos (nossos impostos) quanto através aportes financeiros do exterior.

Quando um Pastor evangélico vai à Brasília entregar um manifesto, ele é atacado pela mídia e é rotulado de ser o "atraso" da sociedade. Conversa. Isto sim, é que é discriminação contra nossa forma de pensar. Em uma democracia, temos garantias por direito de nos expressar e manifestar pacificamente, com ordem.

É claro que devemos ter todo o cuidado para evitar polêmicas, mas que fique bem claro nossa posição. Eu respeito a posição de muitos blogueiros que espiritualizam muito as coisas. Eles sempre batem na mesma tecla: que o mundo jaz no maligno, que é assim mesmo, que vai piorar etc. Eu penso diferente: o mundo está mesmo apodrecendo, mas Jesus Cristo já definiu muito bem a função da Igreja no mundo: sal e luz. O sal serve para combater a putrefação e a luz para iluminar a mente das pessoas que estão nas trevas. É claro que estou falando de coisas espirituais. Nossas armas são uma conscientização da realidade e o uso da Palavra de Deus. Nós não lidamos com o ódio. Defendemos democraticamente nossa liberdade de opinião.

Moral da história: Cristo não comissionou sua Igreja para ficar omissa esperando que a podridão e as trevas tomem conta de tudo. 









4 comentários:

Anathallycio Nascimento disse...

A Igreja de Deus(qualquer igreja evangélica séria-comprometida com a são doutrina, não aquela que quer pregar o evangelho politicamente correto, para o mundo sem Deus)tem que saber sua posição dada por Deus: a de ser atalaia na terra. Um atalaia não tem a obrigação de salvar a cidade, mas de alertar do perigo. Nós evangélicos verdadeiros não podemos impedir da sociedade pecar e propagar o pecado, mas baseados na Bíblia temos a obrigação de mostrar o que é pecado e suas trágicas consequencias para quem insistir em praticá-lo, goste ou não os "evangélicos" modernistas, que estão falando a mesma linguagem do mundo.

Clenio Daniel disse...

Caro irmão, Pastor João Cruzué, estes são sinais dos fins dos tempos mesmo. Me admira, meu caro irmão, como tem pessoas dentro da Casa de Deus ainda levando as coisas "na esportiva", ou seja, brincando de servir a Deus quando "o buraco é mais embaixo". Parabéns pela postagem, pela brilhante iniciativa de trazer ao conhecimento nosso estas fatalidades que só servem de aviso para o cristão que aguarda "a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e Salvador nosso" (Tt 2.13).

Em Cristo,

Ev. Clenio Daniel Parente Mendes

Joao Cruzue disse...

Abraço irmão Anathallício. Obrigado pelo comentário.

Joao Cruzue disse...

A paz do Senhor, Irmão Clênio Daniel. Coisa parecida aconteceu com a Igreja do Canadá. Por lá, com medo de perder a imunidade tributária na "Receita Federal", a Igreja Canadense estava pensando em passar por cima da Bíblia, em lugar de recusar a celebração de casamento gay. É nesse ponto que fica muito fácil diferenciar a corja de falsos profetas avarentos.