sexta-feira, junho 26, 2015

Pastor Silas x Ricardo Boechat sobre o caso da pedrada na garota do candomblé


Opinião do Pastor Silas Malafaia




Opinião do Jornalista Ricardo Boechat




Opinião do Blogueiro:

JOÃO CRUZUÉ

Quando eu tinha meus vinte e poucos anos, congreguei na Igreja Assembleia de Deus do Jardim Duprat, em São Paulo. Por mais de uma vez, durante o culto das sete da noite, pessoas vizinhas atiravam pedras enormes no telhado da Igreja.  Minha mãe conta que nos anos 40, na cidade de Guiricema, as pessoas batiam na cara de crentes no meio da rua em eventos ao ar-livre da Igreja Evangélica. Por muito tempo a sociedade brasileira - leia-se fiéis católicos, desceram literalmente a madeira em crentes. Pelo que eu saiba, nunca vi nenhum jornalista tomando as dores dos crentes.

Agora, neste mês de junho, a imprensa falada e escrita noticiou que dois caras com bíblias na mão" atiraram uma pedra na direção de uma garota na saída de uma seção de Candomblé. A leitura que faço desta notícia é a seguinte: pode ser que estes dois caras sejam de alguma Igreja Pentecostal. Ponto. Pode ser que estes dois caras não sejam de Igreja nenhuma e que o caso seja uma armação para  cima dos evangélicos, do mesmo jeito que a Globo explorou no passado o assunto do chute na santa. Estas duas interpretações são possíveis.

Agora uma coisa tem que ser dita: há muitos fulanos pregando qualquer coisa no meio da rua, inclusive, usando uma bíblia que não congregam em lugar nenhum. Outros são tão fanáticos que não aceitam ser submissos a  nenhuma autoridade religiosa. Eles andam por suas próprias cabeças. Um exemplo disso pode ser visto no Centro de São Paulo, no alto da Rua General Carneiro na Praça Padre Manoel de Nóbrega. Neste lugar tem um sujeito com uma barba de meio metro dando tapas fortes em uma Bíblia. Ele tem uns dois ou três seguidores que, na sua ausência, imitam o sujeito da barba grande. Não pregam evangelho coisa nenhuma, inclusive, xingam moças e mulheres que passam. São tão loucos, que ainda não sei como não agrediram alguma pessoa por ali.

A Igreja Evangélica Tradicional e a Igreja Evangélica Pentecostal ou Neo Pentecostal não tem nada a ver com estes doidos que ficam esmurrando Bíblias no meio da rua nem jogando pedra nos outros. Nestes 40 anos de fé, nunca vi um pastor ensinando fanatismo nem agressão a ninguém, principalmente, contra espíritas e gente do Candomblé. Nossas diferenças estão na maneira de cultuar e no Deus que adoramos. Cristo nunca mandou atirar pedra em ninguém, pelo contrário, evitou que uma mulher morresse apedrejada.

As posições do Pastor Silas são bem conhecidas. As Posições do jornalista Ricardo Boechat também são, e eu não gosto delas, porque são claramente preconceituosos  e não vêm deste episódio, vem de tempos pretéritos. Sua reação feita no ar, pela Rádio Band News, mostrou que não tem autocontrole além de sua postura ser expressa e declaradamente a favor da causa gay. Não é só contra o Pastor Silas Malafaia que ele soltou as palavras que lhe soam naturais quando fala - ele tem ojeriza a qualquer pastor. Usou um comentário de um Pastor da Igreja Batista como um anteparo, para justificar suas ideias de que toda vez que alguém levar uma pedrada no meio da rua, 50 milhões de evangélicos ou 500 mil pastores são obrigados a fazer mea culpa. Quando o Sr. Levi Fidelix expressou sua opinião sobre a antinaturalidade de uma família de gays, o mesmo sr. Boechat, depois que o Sr. Levi foi processado por ativistas gays, cansou de agredi-lo gratuitamente na Bandnews, chamando o ex-candidato de  Levi "fudelix".

Concluo, apoiando a opinião do Pastor Silas Malafaia: Que a polícia encontre estes dois fanáticos apedrejadores de fiéis do candomblé, os prenda e leve até diante de um juri popular - sejam evangélicos ou não. Com a recusa ao debate, o sr. Boechat mostrou que a postura que tem: um cara autoritário e grosseiro e sua arrogância pode até mesmo ser vista nas entrelinhas de sua fala com os colegas da Bandnews: Eduardo Barão e Tatiana Vasconcelos. Como ele é muito grosseiro, deixei de ouvi-lo por algo melhor: o programa "Os pingos nos is" de Reinaldo Azevedo - também já criticado , gratuitamente, pelo Sr. Boechat neste mês de junho. Assim, da mesma forma que uns caras usaram um pedra para atacar um adolescente adpeta do Candomblé, o sr. Boechat também é especialista em "pedradas" raivosas em cima de pessoas que tem uma opinião diferente às dele.

Sobre a possibilidade deste caso ser uma armação, quero também dizer o seguinte: Nesta mesma época, também os judeus estão sendo alvo de perseguição no Brasil. É uma coincidência incrível, ainda mais pela grande publicidade nacional em torno do caso da pedrada. Pode ser armação política de quem não gosta de religião nem de religiosos.

As autoridades do Rio de Janeiro precisa, urgente, de ir atrás destes apedrejadores para que se tire a limpo este precedente perigoso. Se forem fanáticos religiosos: Cadeia neles. Se for armação política, que o caso venha à luz do dia. #pontofalei.

---

---

Agora quer ver a reação de quem tem preconceito contra evangélicos? Dá uma olhada neste recorte:











2 comentários:

Marcelo Medeiros disse...

Estimado irmão João da Cruz, meus parabéns pelo blog e pelo excelente texto. Que Deus o abençoe mais e mais em Cristo Jesus. A leitura do seu texto firmou em mim a convicção de que precisamos ter historiadores e pessoas que façam documentação de fatos em nossas fileiras.

Falo isto porque conhecei e ouvi muitas vezes da boca da minha avó histórias de pedradas, tomatadas, para não falar nos ovos podres que eram lançados em cristãos nas décadas de 40 a 70. Mas que esta história jamais seiva de fundamento para uma prática similar em nosso meio, mas para que possamos dar aos nossos algozes o melhor tratamento.

Em Cristo,

Att Marcelo Medeiros

Blog Coisas de Protestante disse...

Devo dizer que não devemos nos preparar apenas bibliologicamente, mas também. A sociedade atual está sofrendo uma drástica mudança em seu bojo moral, comportamental e religioso. Com isso percebo que a Igreja evangélica brasileira sofrerá em breve um enfrentamento duro e perverso. Nosso credo será atacado de forma veemente e impiedosa. tentarão subjugar nosso povo e nós pastores. Devemos nos preparar, para não sermos pegos como incautos na fé.