quarta-feira, agosto 24, 2011

FGV - Evangélicos voltaram a crescer no Brasil

.
"Novo Mapa das Religiões - 2009"
FGV - Marcelo Neri

Tabela de: João Cruzué
Censo 2009


João Cruzué

Em abril de 2009 publicamos uma tabela similar, com dados do IBGE dos censos de 1890 a 2000, acrecidos com dados de nossa projeção para 2010, estimando população evangélica, de 19%, sobre um universo de 192 milhões. Recentemente, o economista da FGV, Marcelo Côrtes Neri, publicou um estudo de 65 páginas - Novo Mapa das Religiões - utilizando dados publicados e microdados do IBGE, apontando para dois fatos: A queda da população Católica a partir de 2003 e o crescimento acentuado dos Evangélicos nos mesmos níveis da década de 90.

É sabido que o IBGE não se utiliza uma contagem real para determinar os números do Censo das Religiões. Daí ser importante destacar que as populações religiosas dos dados do IBGE são tabuladas por amostragem, portanto não são produto de contagem real. Por exemplo, o questionário utilizado pela agente do Instituto em minha casa não continha esta pergunta.

No texto da publicação de Marcelo Neri, consta que a Igreja Católica que tinha estancado a perda de fiéis por volta de 2003, voltou a perdê-los significativamente entre 2003/2009, passando de 73,79% para 68,43%. Em contrapartida os Evangélicos que representavam 15,42% da população brasileira, subiram para 20,23% - ou seja, 38,5 milhões de fiéis. A subida, a partir de 2003, é tão acentuada quanto à ocorrida nos anos 90s.

O ranking detalhado para o ano de 2009 está aqui

O Centro de Políticas Sociais/FGV utilizou-se de pesquisas de microdados inexploradas, a razão de 200 mil entrevistas sobre composição religiosa para o ano de início e final da década passada (2001-2010) com base em questionários que não foram usados em pesquisas religiosas.

Segundo Neri, a religião também é um produto de exportação brasileiro. Relata que nos últimos anos assistiu programas de TV pela madrugada em lugares tão distintos como Índia, México e Nicarágua - todos protagonizados pela Igreja Evangélica.

A razão da vinda ao Brasil do Papa Bento XVI no ano que vem, está explicada. Ele tentará outra vez conter o crescimento inexorável da população evangélica às custas do rebanho católico. O encantamento dos padres famosos já passou. É difícil comparar o esforço do Padre Marcelo Rossi diante do Apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus, não bastasse o avanço incisivo das Igrejas Universal e Internacional da Graça de Deus a partir da década de 90.
O fato é que a cada década surge um grande Evangelista para continuar a sangria de católicos no país. A Teologia da Libertação foi degredada por João Paulo II e o Movimento Carismático tolerado por falta de estratégia melhor. Entretanto o modelo esgotou-se e não há nada à vista.

O que é melhor: uma nação católica ou evangélica? Embora eu seja evangélico, minha opinião é baseada na Bíblia: Cristo não fundou uma religião, mas uma Igreja viva que existe no plano espiritual. O que interessa mesmo é ser nascido de novo, da água e do Espírito e ter o nome escrito no Livro da Vida. Cristo é uma coisa e Religião, outra. Nem todo aquele que diz: "Senhor!" "Senhor!" herdará a vida eterna. Não se serve a Deus apenas com palavras e liturgias, mas em espírito e em verdade.








.


3 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro irmão João Cruzue,

A Paz do Senhor!

Parabéns pela tabela e pelo artigo.
Fiz uso para uma pequena reflexão lá no Point Rhema, com o devido crédito e link.

Um grande abraço!

Seu conservo,
Pr. Carlos Roberto

Donizete disse...

Caro irmão em Cristo.
Desejo de coração que este crescimento seja sustentável. pois temos que admitir que este fenômeno deve-se muito ao neo- pentecostalismo. E sabemos que esta ala do evangelicalismo brasileiro é muito rápido no sentido de agrupar as pessoas sob suas respectivas denominações. Contudo muito frágeis no que diz respeito a instrução teológica e intelectual de seus membros. Dai para o nominalismo, para a perda de identidade, para o apego a crendices é um passo.
UM abraço.

Francikley Vito disse...

O crescimento dos evangélicos é perceptível, porém, me parece, que crescimento numérico não é tudo; precisamos crescer em qualidade. E esse é um grande desafio a ser vencido. Um abraço.
www.vosbi.blogspot.com