sábado, dezembro 09, 2017

A cracolândia e os direitos humanos


Por João Cruzué


Depois de 9 anos, fiz uma visita  não planejada à Cracolândia. Em 2008, havia apenas poucos grupos de pessoas com seus isqueiros acendendo malditos cachimbos. Ontem, eu passei pela região e tenho algumas coisas aterrorizantes para contar.

Perto das 11 horas, estava no carro,  quando nos aproximamos da Rua Mauá. A Rua estava interditada por dois policiais com uma farda desconhecida para mim. O motorista mostrou o crachá para um deles e perguntou se alguma grande operação estava sendo realizada no local. Para nossa surpresa, o policial disse que aquele aglomerado de umas 200 pessoas era só a rotina do dia a dia.

Da janela do carro eu saquei o celular e fui clicando aleatoriamente pela janela. Todas as fotos abaixo foi tirada por mim.

Um pouco mais à frente, em um lugar perto da Estação Julio Prestes havia uma praça vazia com todo tipo de lixo espalhado pelo chão.

Veja as fotos, de depois não deixe de ver o que vou escrever no final.















Voltamos pelo mesmo caminho umas duas horas depois. Estava vendo estas pessoas na foto?  Perto da 13:00, havia o dobro de pessoas no mesmo lugar. Parecia um grande formigueiro brotando de dentro do inferno. Se às 11 horas eram 200, a uma da tarde deviam ser umas 400.  

Sabe a Praça vazia, onde havia lixo de todo tipo espalhado pelo chão de terra batida? Se pela manhã não havia uma pessoa no lugar, às 13:00 horas estava cheio de noias - termo que estas pessoas são chamadas.

Agora vou reportar o que ouvi das pessoas com quem conversei durante meu trabalho externo. 

Todas elas diziam que aquelas pessoas estão completamente abandonadas. São os direitos humanos da Cracolândia.  Eu ouvi que aquelas pessoas são como bichos. Acham que ninguém vai mover um dedo para resgatá-las.  

Uma multidão de viciados em crack catando papel no meio da rua para juntar R$ 10,00.  Se de um lado as Autoridades estão com as mãos atadas por causa dos DIREITOS humanos, os traficantes estão deitando e rolando. A cada semana mais noias  chegam à Cracolândia.

Se em 9 anos a quantidade de viciados  se  multiplicou,  das 500 pessoas que devem estar ali hoje,  em mais 2 anos, se nada for feito, vão ser 2.000. Em 3 anos, 3.000,  e em 10 anos o Centro de São Paulo vai se tornar uma região muito perigosa para morar, trabalhar e viver. 

Por que? Porque é bom para os negócios dos traficantes de drogas. Eles não estão nem aí para os Direitos Humanos.

Exagerado?

Compare as fotos da Cracolândia de 2008 com as fotos de agora!








segunda-feira, novembro 20, 2017

Meditação no Salmo 55



"De tarde, e de manhã, e ao meio-dia orarei; e clamarei,  
e Ele ouvirá a minha voz"

Túmulo de Absalão (Esquerda), Jerusalém

João Cruzué


--------------------------------------------

Em situações tão difíceis, não há outro 

caminho senão orar e depender mais de Deus


--------------------------------------------  

"Inclina, ó Deus os teus ouvidos à minha oração e não te escondas da minha súplica. Atende-me e ouve-me; lamento-me e rujo, pois o clamor do inimigo e a opressão do ímpio lançam sobre mim iniquidade e com fúria me aborrecem." Este é o início de um Salmo de David, o rei que orava e dependia das respostas de Deus.

David era músico. Atarefado com a guerra e os deveres do reino, receio que não tinha tempo para fazer poesias. Imagino que orava junto a alguém, algum profeta ou secretário, Natã por exemplo, que anotava suas palavras. E elas não eram frutos de ficção, mas de um cotidiano muito difícil.

Os eruditos acreditam que o Salmo 55 foi escrito durante a rebelião promovida por Absalão, um dos filhos do rei, que buscava tomar pela força o trono do pai, sob a influência de Aitofel, ex-conselheiro de Davi. 

Davi, em guerra contra o próprio filho, em uma situação desesperadora, consciente da sua fraqueza,  fugiu de Jerusalém para nãos ser morto (ou matar) pelo próprio filho. Absalão, estava envenenado e disposto a qualquer coisa. Que situação! Verdadeiramente as portas do inferno estavam abertas dentro da casa de Davi.

E foi assim que David percebeu que devia orar mais e clamar com mais força a Deus. Passou a orar sobre o assunto três vezes ao dia. E para um judeu fazer isto, significava que sua necessidade era angustiante. De tarde, pela manhã e ao meio-dia.

A principal mensagem do Salmo 55 para mim, está registrada no penúltimo versículo: Lança o teu cuidado, sobre o Senhor, e Ele te susterá, e não permitirá que um justo seja abalado. Isto quer dizer que em situações tão difíceis como aquela, não há outro caminho senão orar mais e depender de Deus. Como esta promessa está vinculada à justiça, é bom ordenar sua vida com Deus para evitar impedimentos.

Se você entrar dessa forma diante de Deus, ele vai parar a fúria do inimigo. Você dará a volta por cima, porque o Senhor conquistará a vitória por você. Não se cale nem se apequene diante da fúria do diabo.


"Sujeitai-vos, pois a Deus, resisti o Diabo, e ele fugirá de vós"
Tiago 4:7





sexta-feira, novembro 03, 2017

Depois do deserto o Senhor Jesus lhe dará bênção muito maior que imagina


Photobucket
Cataratas do Iguaçu - Iguassu Falls

João Cruzué

"E quero irmãos que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para maior proveito do Evangelho, porque a vós foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer Nele, mas padecer por Ele, mas Deus é o que opera em nós tanto o querer como o efetuar,segundo sua boa vontade". Filipenses.


Escrevi esta mensagem para você que está passando um longo período no deserto ou no vale da angústia. Tudo o que você fez até agora, não deu nada certo. Embora tenha molhado muitas vezes seu rosto com as lágrimas do abandono. Deus não responde suas orações. Eu vim aqui para dizer que o SENHOR não o(a) abandonou. Este vale escuro vai passar e o Sol da vitória novamente vai levantar-se sobre sua vida para brilhar ainda mais que no passado.

Seus pensamentos estão confusos e seu coração triste porque está lhe faltando quase tudo. E, quando você observa as pessoas à sua volta, principalmente seus parentes e as pessoas não crentes você repara que elas não passam por nenhuma falta. Então decepcionado(a) você procura um lugar solitário e ali derrama suas lágrimas e pergunta ao Senhor - por quê?


Se o Senhor está provando você porque Ele a(o) ama. Os dias que você está passando no vale não são um tempo perdido: é um tempo de capacitação e investimento. Até Jesus passou por coisas assim. Há algo precioso que o Senhor vai confiar a v0ocê para fazer e é no vale que vai aprender a olhar e ver como Senhor vê. Mas não saia de porta em porta procurando por profetas para tentar saber a visão antes do tempo. O Espírito Santo vai falar ao seu coração no tempo apropriado. 


Na primeira oportunidade que tiver, Olhe-se na frente do espelho. Olhe bem nos seus olhos, e diga para Jesus algo do fundo de seu coração. 


Sabe, às vezes adquirimos uma cultura religiosa errada, monótona, cega, insensível. As quatro paredes de um Templo podem nos impedir de ver o que se passa lá fora. Você sabia que nunca tivemos tantas Igrejas, tantos pastores, tanta facilidade para falar do amor de Deus e paradoxalmente o mundo nunca antes teve tantas pessoas perdidas e tantas almas sedentas sem saber nem do que? Sabia também que em meio a tantos crentes, há uma carência muito grande de pessoas que tenham um compromisso de servir a Deus sinceramente?


O Senhor não quer que você seja mais um(a) assentado no banco dos insensíveis, na cadeira dos hipócritas, um cego que pensa que vê. O Senhor está muito mais perto de você que antes. Ele quer lhe dar olhos que enxergam as necessidades das pessoas, mãos que não sejam egoístas, um coração que se enterneça com as necessidades do próximo. É no vale que o Senhor se aproxima de nós, porque choramos mais, oramos mais, questionamos mais e conseguimos abrir nosso coração até dizer o que Ele quer ouvir de nós.


Quando saí da casa de meus pais, para vir à cidade de São Paulo, tinha dois propósitos: trabalhar e me graduar em uma universidade. Todavia o Senhor tinha um outro propósito maior - de escrever meu nome no livro da vida. Em 11 anos aqui, aceitei Jesus, graduei-me, fiquei bem financeiramente, casei-me,  constitui um lar cristão com esposa e duas filhas. Mas dias vieram anos à frente, em que a necessidade bateu à nossa porta. Também foram longos 11 anos de desemprego, frustrações, privações, humilhações, desesperança e muitas lágrimas.


A primeira visão que o Senhor deu-me foi coletar e enviar literatura bíblica para grupos de crentes presos nas penitenciárias do Estado de São Paulo. Faltavam três anos para sair do vale. Ao lado do CDD do Correio aonde fui - durante dois anos - postar cartas sociais para aconselhamento de presidiários, tem um hospital público. No final dos 11 anos de vale, isto é, em 2003 o Senhor enviou uma pessoa à minha casa para comunicar a existência de uma oportunidade temporária com contador daquele hospital. Tive muitas vitórias. Sendo a última um sonho: auditor concursado em um Tribunal de Contas.


Em seguida veio um concurso em que consegui definitivamente o direito ao cargo - pela graça de Jesus. Ali, uma surpresa: aprendi muitas coisas sobre computadores e programas. Voltei a escrever - nos anos 80 fui jornalista, editor de uma tabloide evangélico. Tive oportunidade de estudar inglês por dois anos. O mundo hoje fala inglês, e três bilhões de pessoas ainda não sabem quem é Jesus. 


Durante os 11 anos no vale, fiz um compromisso comigo mesmo de glorificar o nome Dele trabalhando com a palavra escrita. Sem nenhum exagero, tenho usado a WEB para evangelizar e fortalecer pessoas tanto no Brasil quanto na Ásia. Algumas das mensagens que Jesus deu-me, eu as traduzi para o inglês e tenho recebido testemunhos de pessoas que foram tocados pelo Espírito do Senhor enquanto as liam tanto do Brasil como de outros países.


Antes eu apenas via as quatro paredes da Igreja. Hoje eu consigo olhar para toda a terra, e com as ferramentas que o Senhor capacitou-me posso falar de Jesus sem dificuldades para muita gente. Minha maior alegria são os testemunhos que recebo das pessoas que se alegram com as mensagens que o Senhor concede-me escrever.


O amor por este trabalho de escrever - foi amadurecido nos três últimos anos no vale, durante o tempo em que escrevi quase mil cartas de próprio punho para aconselhar e comunicar-me com presos. Cheguei a ficar com dores no cotovelo direito e no ombro de tanto escrever à mão. Foi um ótimo investimento.


Por isso, nesse tempo que você está no vale, ocupe-se. Reaviva seu compromisso de servo(a) do Senhor e não se envergonhe de fazer aquilo que o Espírito Santo falar ao seu coração. Será do meio deste vale que o Senhor vai tomar sua mão e conduzi-lo passo a passo para lugares mais altos. Não para ser engrandecido, mas para servir. Chegará tempo, que você olhará para trás e vai agradecer ao Senhor por esses dias difíceis que podem fazer de você um cristão compromissado e sincero com Deus.


Anime-se! Continue fiel ao Senhor no vale. Se seus olhos pudessem ver, todas as vezes que você está aflito poderia contemplar O Senhor perto de você dizendo carinhosamente: "Continua! Não desfalece, pois a sua bênção está muito perto".


Jesus é fiel, Ele nunca vai abandonar você.

Agora ouça este hino dos Arautos do Rei: Eu te erguerei


Autor: João Cruzué


SP-14/01/2008

.

terça-feira, outubro 31, 2017

O terrorismo islâmico e a morte de cristãos


Boston

 Berlin

 Londres

Paris

Por João Cruzué

A facilidade com que muçulmanos matam, enquanto os cristãos morrem, vai a cada dia perdendo o efeito de chocar. Matar cristãos ocidentais, hoje, está se tornando uma atividade comum. Degolados, queimados, explodidos, assassinados a tiros e facas, atropelados...

Pode chegar um tempo que vão se cansar de tanto  matar.














sábado, outubro 28, 2017

A História da Igreja Assembleia de Deus em Angola

Pastor Francisco Domingos Sebastião

Introdução 

Caros irmãos e amigos, de vez em quando, eu costumo pesquisar nas mídias eletrônicas de Angola com objetivo de trazer boas notícias das Igrejas Evangélicas dalém mar.  Dessa vez, fui muito feliz na pesquisa, encontrando uma bela entrevista, crédito: Agência Angola Press (ANGOP) com o Pastor Francisco Domingos Sebastião, Presidente da Igreja Assembleia de Deus Pentecostal de Angola - Ministério Manculusso. Nesta entrevista ele descreve em detalhes a origem das Assembleias de Deus em Angola (João Cruzué)


PERFIL

Nome: Francisco Domingos Sebastião
Idade: 61 anos
Local e data de nascimento: 11 de Maio de 1954 (mas oficialmente nos documentos nasceu em 1956), município de Viana (Luanda).
Profissão: Marceneiro, mas hoje é Pastor evangélico
Formação académica: Formou-se em Sociologia e também em Teologia pela Escola Superior de Teologia de Oeste África.
Cargos exercidos: Já foi na igreja por 12 anos pastor dos pastores da província de Luanda. Foi também líder de duas Igrejas locais, a de Maculusso é a terceira, por quase 30 anos, assim como é vice-representante legal da instituição.
Funções atuais: Há 5 anos é presidente do Comitê de Cooperação da Aliança Evangélica de Angola, vogal da Ordem dos Pastores de Angola e conferencista internacional.
Livros escritos: Dois (As sete maneiras de agarrar o cônjuge; e Liderança Emergente no Sec. XXI).
Línguas: Português e Kimbundu. O restante é apenas para identidade ou saudação.


PREFÁCIO DO PRESIDENTE:

--Ao longo desses anos, a Igreja Assembleia de Deus implantou-se em todo o território nacional, estando assim, atualmente nas 18 províncias, e em todos os municípios do país. 

--Estou satisfeito com as conquistas alcançadas, mas elas não podem deixar uma liderança satisfeita, porque como líder eu tenho uma filosofia, segundo a qual nunca estou satisfeito com aquilo que estou fazendo, pois se disser o contrário não farei mais nada.


ENTREVISTA:

Data: 15/08/15 

Agência Angola Press (Angop) Senhor Reverendo, que contribuição deu a Igreja Assembleia Pentecostal à História do país?

Reverendo Francisco Domingos Sebastião (Rev. FDS): Bom, é verdade que partindo do princípio histórico, é sabido que quando os portugueses chegaram a Angola vieram também com a religião. Quer dizer, se numa mão estava a espada, na outra estava a cruz. A religião veio com a própria colonização.

Só que com o passar do tempo, foram vindo também, isso já depois da reforma protestante do século XVI, outras Igrejas evangélicas e a partir do século XVIII, XIX foram chegando outras religiões e claro, assim sendo, podemos dizer que a educação estava intrinsecamente ligada à religião. Primeiro com a Igreja Católica, por causa da concordata em que o governo português, no ultramar, tinha responsabilidade de educação para essa denominação. Depois há a outra parte em que a religião protestante entra, fixando em cada lugar onde se fazia presente uma escola, cujo foco era alfabetizar os autóctones ou nativos.

Logo, podemos dizer que a igreja participou da revolução libertadora de Angola, na medida em que mudou a consciência das pessoas em compreender o seu estado político como cidadãos.

Angop - Como surge a Igreja Assembleia de Deus Pentecostal em Angola?

Rev. FDS: Assembleia de Deus Pentecostal surge nos anos 40, com a chegada do primeiro casal de missionários de nacionalidade americana. Os Stark se estabelecem na região do Cuanza Sul, com o objectivo de desenvolver uma missão. O senhor Stark é acometido por uma enfermidade que, naquele tempo, era normal e morre, tendo a senhora resolvido voltar para o seu país, passando por Portugal, na Igreja Assembleia de Deus Pentecostal local, faz um apelo no sentido de enviar um substituto do esposo a Angola para dar sequência ao trabalho.

É então que um jovem de nome Joaquim António Cartaxo Martins, com 24 anos, recém-casado, vem a Angola, atracando no Porto do Lobito, em finais de 1948. Um ano depois, começa a reativar o trabalho, batizando a primeira angolana convertida, que ainda vive em Benguela. Por falta de condições para a prossecução do trabalho nessa província, o missionário resolve ir para a área onde esteve o casal Stark, no Cuanza Sul, na localidade do Kirimbo Gar. Ali constrói uma escola para educação de indígenas e, à medida que as crianças iam aprendendo, com elas vinham os pais e assim nasceu a Assembleia de Deus, naquele pequeno núcleo do quilômetro 70 do Posto Kirimbo.

A partir daí desenvolve-se a igreja. Dessa localidade inaugura outra igreja em Porto Amboim, depois no Sumbe, Gabela e daí por diante.

Angop - Alguma vez a Assembleia de Deus foi convidada a participar do processo de pacificação de espíritos, no período pós-guerra entre angolanos?

Rev. FDS: Nós sempre fomos chamados a participar, quer em fóruns próprios, quer indiretamente através dos órgãos de Comunicação Social. Existem blocos inter-eclesiásticos, nos quais as igrejas fazem parte. No entanto, nós da Assembleia de Deus fazemos parte da Aliança Evangélica de Angola, que são igrejas que se identificam com a mesma visão e objetivos. Depois temos o CICA, Conselho de Igrejas Cristãs de Angola, que também alberga um grande número de igrejas. Existe também a CEAST - Igreja Católica e todas as suas paróquias e surgiu um novo grupo que se chama Grupo das Igrejas Independentes, que não se revêm nos demais.

Todos esses grupos são muitas vezes chamados para conversar com o Estado, naquilo que são os projectos e para darmos o nosso contributo na pacificação de espíritos e fizemo-lo com alegria e continuamos a fazer, pois o trabalho da igreja é levar a transformação da mentalidade do homem, segundo a Bíblia, porque nós não oferecemos riquezas para as pessoas. A nossa maior contribuição é mudar a mentalidade da pessoa e sabemos que uma pessoa bem equilibrada mentalmente é um cidadão saudável.

Angop - Está satisfeito com o desenvolvimento registado pela Igreja Assembleia de Deus no país?

Rev. FDS: É claro que sim… Como qualquer instituição tem altos e baixos e tem etapas. A Igreja Assembleia de Deus Pentecostal conhece pelo menos quatro etapas: a primeira é a da sua implantação em 1949 com a chegada do missionário António Cartaxo Martins, que iniciou este trabalho e que vai até mais ou menos 1956, quando o primeiro missionário implantador do trabalho volta a Portugal de férias e depois, não sendo permitido voltar, tendo o trabalho sido continuado pelo seu irmão mais novo, Manuel Cartaxo Martins, até finais de 1958/59.

A terceira etapa vai desde a saída dos missionários até 1967, altura em que chegam outros missionários. Neste período de aproximadamente oito anos, tivemos uma liderança ativa dos nativos, que ainda não tinha grande traquejo, mas aguentaram a obra e ela desenvolveu-se. Por exigência do governo colonial, foi-nos imposto mandar vir missionários brancos de Portugal para liderar a igreja e começam a chegar nos finais de 1967 e o quarto período vai até 1974. O dos missionários ou da grande missionação da obra, tendo-se conseguido construir algumas igrejas no interior do país, sendo em Luanda apenas uma, igual número na Gabela e em outras paragens.

Depois entramos para o período pós-independência, com a retirada dos missionários, e nós angolanos tivemos que assumir esta obra debaixo de dificuldades, mas graças a Deus ela cresceu, desde 1975 a 1983, quando fizemos uma grande reforma, na própria dinâmica, na organização do trabalho, entrando uma nova geração de liderança que acompanha o trabalho até hoje.

Ao longo desses anos, a Igreja Assembleia de Deus implantou-se em todo o território nacional, estando assim atualmente nas 18 províncias, e em todos os municípios do país. Estou satisfeito com as conquistas alcançadas, mas elas não podem deixar uma liderança satisfeita, porque como líder eu tenho uma filosofia, segundo a qual nunca estou satisfeito com aquilo que estou a fazer, pois se disser o contrário não farei mais nada.

Ainda tenho um caminho longo a percorrer. 

O que fizemos até aqui não pode nos satisfazer, senão nos sentiremos acomodados. É claro que conseguimos alcançar patamares visivelmente satisfatórios, como edificar infra-estruturas que hoje dignificam a Assembleia de Deus Pentecostal como uma Igreja reconhecida no país e que tem uma palavra a dizer. Temos a nossa sede no município de Cacuaco, um edifício grande que orgulha a todos, centenas de templos espalhados pelo país, mormente nas capitais de províncias e municípios.

Estamos agora numa grande revolução para substituir as várias igrejas de construção precária, sobretudo no interior, para definitiva.Pena que o país conheceu agora uma crise económica, que de igual modo afecta também os projectos da igreja.Mas continuamos a trabalhar para o efeito.

Angop - Há uma crescente proliferação de seitas religiosas no país. Como é que encara este fenômeno e o que deve ser feito para a normalização da situação?

Rev. FDS: Olha, eu sempre disse e vou tornar a dizer que numa casa quando há desordem a culpa não pode ser dos filhos; tem que ser dos pais. Porque existem igrejas que se consideram matrizes, vamos chamá-las de igrejas-mãe.

Eu não vou aqui mencionar denominações. Existe neste país igrejas que se consideram matrizes ou mães. Se essas igrejas matrizes não conseguiram treinar bem o seu pessoal e esse pessoal está saindo para abrir novas igrejas é porque há discórdia, e se assim é, então o nosso apelo é que essas lideranças se envolvam mais no diálogo com essa nova geração, para ver se também conseguem ceder naquilo que são as suas exigências. 

Por outro lado, existem motivos também que podem estar a influenciar isso. Há igrejas que abrem por instigação que alguém diz, sai e abre também a sua. E às vezes quem faz  tal agitação é uma pessoa que está fora, mas graças a Deus e, por causa das leis do país, esse espírito de aventura de abrir novas igrejas está um tanto ou quanto refreado.

Não somos contra a abertura de novas igrejas, desde que o objectivo seja para ganhar almas, prepará-las para o bem desta sociedade, não olhando apenas para o bolso, para as necessidades do pobre.

Angop - O que se deve fazer para continuar a preservar a paz e que conselho deixa aos jovens que frequentemente se manifestam descontentes?

Rev. FDS: O meu conselho é que se volte para a Bíblia. A Bíblia Sagrada diz: - "toda alma está sujeita as autoridades, porque as autoridades que existem foram levantadas por Deus". Se fizermos o bem, alcançaremos misericórdia das próprias autoridades e se fizermos o mal o castigo e a correcção será o caminho. O meu conselho é que os jovens se lembrem que para alcançarmos o bem não pode ser do dia para a noite. Tudo o que se quer vai-se alcançar, mas é preciso a contribuição de todos.

Angop - Angola é um estado democrático e de direito.Que opinião tem sobre o assunto?

Rev. FDS: Bom, isso é discutível. Depende como interpreta o Estado de Direito, se é de acordo com a Lei escrita no papel ou se é na prática. Eu penso que Angola é sim um estado democrático na medida em que eu posso me exprimir. E só não é um Estado de Direito quando eu não me comportar como tal. Se eu fizer o que quiser, aí o Estado vai me dizer o que devo ou não fazer e eu vou dizer então que não existe o Estado de Direito. O Estado de Direito só o é quando o próprio cidadão também sabe reconhecê-lo. Se houver libertinagem, diremos que não é um Estado de Direito e se houver paz já diremos que o Estado é de Direito. É preciso que todo o cidadão saiba interpretar a lei e saiba também respeitá-la. A lei não é só boa quando nos diz respeito e má quando não nos diz respeito.

Angop - Que leitura faz das tentativas de manifestações e descontentamentos?

Rev. FDS: Ora, todo país sempre vai ter algum tipo de pressão, mas os angolanos sempre resistiram a pressões, quer sejam internas, quer externas, porque os angolanos deram provas do que sabem e o que querem. Fizeram-me esta pergunta há pouco tempo que a situação não está boa e como exemplo eu disse que quando as crianças brincam no quintal é porque o Estado é bom, o problema é brincarem fora do quintal. Por isso, como pais devemos saber onde é que os nossos filhos brincam. Portanto, o nosso país está bem, sem crise, apesar de que muitas forças externas gostariam que Angola entrasse em colapso. Mas nós já experimentamos isso e não queremos mais problemas e tudo faremos para que o país continue em paz.

Angop - Considera o povo angolano participativo?

Rev. FDS: Basta ver o hino do partido no poder “Com o povo heróico e generoso...”.É sim um povo heróico e generoso, é um povo participativo sim, contando pela nossa história.Se não fosse participativo, não teríamos alcançado o que alcançamos.Por outro lado, é preciso que o país reactive as profissões liberais, porque nem todo mundo tem que ser licenciado ou doutor. O país precisa de serralheiros, de carpinteiros, de pedreiros, de ferreiros, de ladrilhadores e se conseguirmos fazer isso poderemos alcançar patamares altos e não precisaremos tanto de estrangeiros.

Angop - Defende maior envolvimento das pessoas nas questões sociais, econômicas e de cidadania para o desenvolvimento de Angola?

Rev. FDS: Sim. É preciso que as pessoas se envolvam mais. Como? Trabalhando, se aplicando, não guardar para depois o que se pode fazer hoje, porque essa Angola para se desenvolver vai e está a precisar do envolvimento do próprio angolano. O estrangeiro não pode ser tido como o principal no desenvolvimento do país, pois não será ele quem fará a continuação e, sobretudo, a manutenção de tudo quanto está a ser erguido.

Angop - Como é que caracteriza a justiça social em Angola?

Rev. FDS: Essas questões são muito difíceis de nós nos pronunciarmos. Eu diria que toda a sociedade tem divisão de classes. As chamadas classes sociais, os sociólogos dizem que a sociedade é como um armário de várias gavetas e o esforço de se sair da gaveta de baixo para a seguinte deve ser o próprio homem e a vontade de permanecer nela depende de cada um.

Agora eu interpreto a justiça social como aquela que os órgãos de justiça estabelecem. O próprio Governo estabelece colocar à disposição as ferramentas para que cada um consiga dar passos firmes e enquadrar-se como um cidadão de sucesso.

Angop - O que tem a dizer sobre valores morais e cívicos na sociedade?

Rev. FDS: Nós, os mais velhos, falhamos na execução do TPC (Trabalho para Casa). Nós ainda temos algum valor, porque recebemos isso dos nossos pais.Mas não estamos a conseguir passar esses valores aos nossos filhos. Temos o hábito de dizer aos nossos filhos deixa lá, isso é normal.Eles são jovens. Então a perda dos valores morais tem a ver com a educação que os pais deram a estes jovens.

Isso é uma chamada de atenção, não só para a igreja, mas para a sociedade no geral. É preciso investir nas escolas desde pequeno. É ali onde se costuma dizer que é desde pequeno que se torce o pepino. É preciso inculcar nas mentes das crianças os princípios de boas maneiras e estamos a deixar isso por conta da televisão.

Acho triste ver que se a criança canta é porque aprendeu na televisão, se ela se expressa, aprendeu na TV, enquanto os pais não têm tempo de conversar com elas. Hoje os pais só estão interessados em ter filhos na Calemba, no Rangel, no Cazenga,..e então essas crescem sem autoridade paternal. Logo um menor assim, depois de grande, tem desvios.Actualmente, as famílias não estão mais interessadas em transmitir os princípios cívicos morais aos filhos. É difícil encontrar um pai sentado à mesa e observar o seu filho como segura os talheres e como se alimenta. O meu apelo é que voltemos ao princípio, educar as crianças a partir de tenra idade em casa.


Nota do Blogueiro: fizemos algumas edições no texto, para adaptá-lo ao português escrito no Brasil.



.




.

sexta-feira, outubro 27, 2017

A separação da Catalunha e a profecia bíblica de Jesus

Barcelona - Catalunha
Por: João Cruzué
.
O século XXI iniciou-se com uma grande abertura no xadrez da dimensão espiritual quando as 2 torres de Nova York foram transformadas em pó em 11/09/2001. A analogia deste evento com uma partida de xadrez é surpreendente. Selecionando outros eventos posteriores importantes, temos: o grande terremoto de 12/01/2010 do Haiti. Em seguida, o grande terremoto do Japão de 11/03/2011 o vazamento nuclear da usina de Fukushima. Um pouco mais adiante, veio a a Operação Lava Jato, o  Brexit do Reino Unido, a eleição de Donald Trump e declaração de independência da Catalunha. 

Estes eventos isoladamente podem não dizer muita coisa, mas à luz da profecia bíblica do Evangelho segundo São Mateus 24.7, eles estão interligados e fazem parte de uma disputa no plano espiritual. Em meio a tudo isto, aqui estamos nós - 7,6 bilhões de terráqueos [1] - vivendo sobre a casca de uma noz. O que está por vir, após estes lances iniciais de preparação para o restante deste século? sinceramente não sei, mas posso especular.

No rastro dos ataques às duas torres de Manhattan, Osama bin Laden deu à luz o Estado Islâmico. Hoje, o terrorismo é parte frequente dos noticiários da TV. A globalização do terrorismo em células. 

O grande terremoto do Haiti trouxe a seguinte mensagem: Nada é tão ruim que não possa piorar. Buscando na memória, Evangelho 2.º São João, 10.10. A miséria como forma de destruição de um povo.

O grande terremoto do Japão de 2011 mostrou ao mundo, além da fúria do mar e o sacudir da terra, a realidade do perigo da  contaminação nuclear. 

A eleição de Trump, com sua miopia, política trouxe um profundo rompimento na globalização, posto que os Estados Unidos da América, agora, estão se desfazendo de toda hegemonia que conquistaram, deixando livre o caminho para China, Alemanha, Rússia, Índia e Japão.

A saída do Reino Unido da União Europeia, a eleição de Trump nos Estados Unidos  e a declaração de independência da Catalunha da Espanha, porém, trouxeram uma novidade no jogo disposto no tabuleiro: O nacionalismo, ou seja o refluxo da onda da globalização.

O que Jesus profetizou no Evangelho  segundo Mateus 24.7? 
Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares.
No plano comportamental, as novidades não são tão novas assim: Homossexualismo, transexualismo e metassexualismo (alternância entre gêneros).

O atualíssimo  referendo de  01/10/2017, que deu origem a pseudo independência da Catalunha, porém, provocou um forte arrepio na comunidade internacional. Ele trouxe o nacionalismo (nação contra nação) a uma textura mais fina: A perigosa ideia de quebra da unidade territorial de uma nação (reino contra reino).


Neste tabuleiro está disposto os planos de ataque do maligno neste começo de século 21: A destruição da família, a destruição da Igreja e a destruição da paz dentro das nações. O objetivo do mal nesta guerra é o total aniquilamento do princípio da autoridade: Da autoridade no lar, da autoridade na Igreja e  da autoridade na politica.

A resposta de Deus contra estas coisas na minha especulação é a permissão de eventos que retiram a falsa sensação de segurança e independência de cada indivíduo. Cada homem dentro deste sistema mundial quer ser como Deus, diante da fome, da peste, da guerra e dos eventos da natureza, por outro lado, trazem à sua consciência a compreensão de sua insignificância.

O que falta neste tabuleiro? 

Quando a humanidade estiver a caminho do próprio auto aniquilamento, a mão de Deus vai abalar o sol a lua e as estrelas. A existência da terra como habitação segura do homem é de uma singularidade ímpar.  A escuridão da luz do sol e a queda as estrelas do céu  tratam da repetição de eventos de aniquilamento em massa. 

Se qualquer dia desses, as mídias sociais começarem a noticiar que os fragmentos de um corpo celeste qualquer, com tamanhos  de 500 metros de diâmetro estão findo em direção a esta terra, os efeitos serão tão devastadores que o medo vai curvar o pescoço de qualquer coisa que viva neste planeta.

Isto já aconteceu, e voltará acontecer de novo. Será um sinal inquestionável da volta de Jesus Cristo. As manifestações separatistas nas praças de Barcelona, maior cidade da Catalunha,  estão dizendo, neste começo de século XXI, que o mundo espiritual está decidindo o destino de todos os habitantes da Terra. Causa e efeito.



.









Como mudar a situação política nacional

.
Crédito da foto: Correio Popular de Brasília
Brasília
Por: João Cruzué

Caros irmãos e amigos, 
.
Tenho lido com grande preocupação o que crentes e não crentes andam dizendo nas redes sociais, sobre os políticos e a situação política do Brasil. Fomos ensinados pelos nossos pastores que o Reino de Deus não é deste mundo. Também sabemos por São João que "[...]o mundo inteiro jaz no maligno" (I João 5.9). Por outro lado, São Paulo disse em  Romanos 13.1 que "[...] que não há autoridade que não venha de Deus". O mesmo Paulo escreveu que "Então virá o fim quando ele (Jesus Cristo) entregar o reino a Deus Pai, quando houver destruído todo domínio, e toda autoridade e todo poder" (I Cor. 15.24). Diante dessas considerações, vou dizer adiante o que penso do atual e delicado momento da situação política brasileira. Está ruim? Está! Pode melhorar? Sim, Pode! mas isto depende de uma mudança. Em lugar de aceitar como verdade um pensamento alheio, devemos, nós mesmos, aprender a ter pensamentos próprios.  

Tendo como propósito um desejo de mudança, a sociedade brasileira decidiu experimentar novos rumos, escolhendo Luiz Inácio da Silva e a proposta petista para presidir os destinos da nação. Até certo tempo deu certo. Depois, o mesmo povo foi às ruas e deu sustentação para que o governo petista da presidente Dilma fosse apeado do poder. Um dos principais agentes que concorreu para esta derrubada foi o Juiz da 13.ª Vara Federal de Curitiba - o Dr. Sergio Moro, popularmente reconhecido como o cabeça da operação Lava Jato, embora tal operação, na verdade, seja de responsabilidade do  Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF).

A corrupção no Brasil sempre existiu. Há indícios dela desde a carta de Pero Vaz de Caminha, na chegada de Pedro Álvares Cabral, passando por Dom João VI (1808 - Laurentino Gomes) em que para se fazer negócios com a Corte era precisar pagar 17% por fora. E para receber os serviços prestados para a Corte, mais 17% teriam que ser pagos para receber o valor pendente. 

No mesmo compasso, é de conhecimento geral e divulgado na imprensa que em 2014 ( Estadão) que sem muito dinheiro não há sucesso do candidato na eleição. Resumindo em uma linha, no artigo de  José Roberto de Toledo e Rodrigo Burgarelli, de 07/11/14, está escrito que dos candidatos que "investiram" até R$ 500 mil na campanha, apenas 3% foram eleitos. Dos 513 Deputados Federais eleitos em 2014, a média de gastos de cada um foi de  R$1.422.000,00.

De onde veio todo este dinheiro? Bom, veio principalmente das contribuições de empresas privadas. A Lava Jato expôs perante toda nação que estas empresas eram principalmente a JBS - Friboi, Odebrecht, OAS, Camargo Correia,  UTC, Delta além de muito dinheiro surrupiado da Petrobras etc.

Bom, e daí?

E daí que no Brasil quem elege os políticos não era o povo. Era o dinheiro de grandes empreiteiras que na verdade, segundo as apurações do MPF (leia-se Lava Jato) tratava-se de sobrepreço das obras. As licitações eram superfaturadas, as empreiteiras tiravam o delas e a diferença ia para o caixa de campanha dos políticos que estão aí. Ou seja, sem muito dinheiro o político não se elege. É um sistema corrupto e perverso em que o povo entra com o voto, mas quem elege é o dinheiro.

E o que este dinheiro compra?

Em um resumo simplista, o dinheiro do caixa de sua "Excelência", o senador compra apoio de um ou vários candidatos a deputados federais. O dinheiro em caixa de sua "Excelência" o deputado federal ajuda a financiar a candidatura de um ou vários candidatos a deputado estadual. E mais: no meio deste rolo compressor, pastores, igrejas, sindicatos, líderes comunitários e o "caramba" também são comprados por dinheiro. No final, conforme o artigo citado no texto, em 2014, o político que arrecadou de R$ 5 milhões para cima se elegeu ou foi reeleito. Dos 59 candidatos à Câmara Federal que arrecadaram entre 3 e 5 milhões de reais, 54 se elegeram. Portanto, contra fatos não é possível contra-argumentar.

De onde vem boa parte do dinheiro arrecadado que elegeu os políticos nas últimas 4 eleições majoritárias (Presidentes, Governadores, Deputados Federais e Deputados Estatuais)?

A Lava Jato revelou que a JBS-Friboi, Odebrecht, OAS, UTC e várias outras empreiteiras COMPRARAM milhares de políticos com o objetivo de se dar bem em negócios envolvendo obras públicas ou empréstimos do BNDES. Não sou eu quem descobriu isso - está tudo na imprensa há pelo menos uns 3 anos.

Dilma foi deposta. O Ministério Público Federal, via PGR apresentou duas denúncias contra o atual presidente Michel Temer. Há pelo menos 3 anos a economia do nosso país está andando para trás ou de lado por causa dos escândalos políticos.

A  11 meses da próxima eleição não, infelizmente não é pragmático destituir o atual presidente. Se isto acontecer, quando outro ocupante do Planalto se assetasse na cadeira, na mesma semana começaria outro buchicho de corrupção. O que isto pode produzir? Mais instabilidade econômica. Grandes empresas podem se retirar do Brasil, da mesma forma que o imbróglio da separação da Cataluña está produzindo em terras espanholas.

Com todo nosso sistema político está corrompido, o certo seria fazer uma limpeza completa. Será que é só o Presidente Temer que deveria ser cassado? E o resto?

Diante disso, é preciso orar um pouco mais pela nação brasileira  e ter paciência por mais 11 meses. Paciência só, não! Como este blog é essencialmente evangélico, cuidado com o voto de cabresto. Cuidado com dinheiro sujo comprando o apoio do pastor da sua Igreja. Precisamos escolher melhor nossos próximos governadores, presidente, deputados federais e deputados estaduais.

Se você continuar votando errado, não adianta  se irritar e gritar "Fora Temer" nas redes sociais. Todo o sistema está podre. Para mudar este sistema corrupto, é preciso paciência, prudência, inteligência e, talvez,  até vergonha na cara. 

Tem outra coisa. Existe uma coisa pior que um sistema político corrupto: A ditadura ou a eleição de um candidato para presidente que nunca foi político. Na pressa de resolver um problema é perfeitamente possível arranjar um outro bem maior. Se você colocar um leão dentro de casa, porque seu gato não está caçando bem os ratos, depois que ele pode engolir você. 

Olhe para a Venezuela. Aquele país estava uma corrupção só, nos anos 90. Hoje, o povo não tem comida, não tem emprego, não tem paz e não tem futuro. Não basta gritar "Fora Temer". É preciso  deixar ele fora em outubro de 2018, com certeza. Mas, se a burrice aumentar, podemos ter uma coisa bem pior. Lembra do Collor?  Foi apresentado pela Rede Globo como o "caçador de marajás". No final, o que ele caçou foi a caderneta de poupança de todo mundo.

Não sei quem disse isso: pensar é uma coisa perigosa. Então comece a pensar. Não deixe que o pensamento dos outros ponha um cabresto na sua mente. Descubra por você mesmo/mesma de quantas e quais maneiras é possível melhorar o Brasil. Se você não sabe, isto também é fazer política. São João escreveu no Evangelho estas maravilhosas palavras de Jesus: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará". 

O Brasil está precisando de liberdade!
















quinta-feira, outubro 26, 2017

A letra e o Espírito

.

Por João Cruzué


Há uns 10 anos, eu  escrevia e gostava de ver o contador de visitas do Blog subindo. Depois, com tanto trabalho e estudos,  fui perdendo o pique. Tempo, eu tenho hoje apenas para escrever coisas que julgo realmente importantes e merecedoras de um post. Isso aconteceu ontem, quando eu  dei início a uma releitura  do volume I e II de Samuel do Novo Comentário Bíblico  Beacon, comercializado pela Editora Central Gospel com a seguinte publicidade: 
Envolvente, perceptivo e, academicamente, minucioso e completo, o Novo Comentário Bíblico Beacon expandirá sua compreensão e aprofundará seu apreço pelo significado e pela mensagem de cada livro da Bíblia. 
Escrito a partir da perspectiva teológica Wesleyana, esse comentário indispensável fornece a pastores, estudiosos profissionais, professores e estudantes da Bíblia uma interpretação crítica, relevante e inspiradora da Palavra de Deus no século 21.
Confesso que, pela segunda vez, me senti confrontado com a mesma mensagem paralela embutida no comentário. O resultado disso levou-me a pensar o quanto é sutil o veneno da letra, do academicismo, para um crente pentecostal, não importando se novo ou maduro. Não posso jogar fora a herança que recebi dos pastores suecos que passaram pelo fogo pentecostal da Rua Asusa no começo do século passado.  Um movimento que varreu os cinco continentes em apenas uma década. Os fatos mostraram que somente o Espírito Santo poderia (e pode) fazer algo tão grandioso assim.

Na verdade,  se por um lado o Novo Comentário Bíblico Beacon (NCBB) é uma obra escrita com todo rigor científico, por outro, na minha opinião, há um veneno mortal escondido nas palavras do volume I e II Samuel. Não li os outros volumes do NCBB, portanto minha opinião é restrita a este volume.

Abrindo um parêntesis, falando em rigor acadêmico de uma obra, por experiência própria, conheci alguns detalhes disso, pela ocasião de um artigo de conclusão de curso de pós-graduação em Auditoria. Por isso, notei que as leituras de vários artigos que o comentarista  KEVIN J. MELLISH realizou para escrever sobre I e II Samuel são realmente a prova de que houve esmero na pesquisa científica. Fecho o parêntesis.

Todavia, rigor científico é uma coisa e analisar as coisas pelos olhos da fé nem sempre é científico, considerando que há ciências e Ciências. Exemplo disso, é o que pode ser entendido do que disse o profeta Isaías:

Portanto, eis que continuarei a fazer uma obra maravilhosa com este povo, sim uma obra maravilhosa e um assombro; e a sabedoria dos seus sábios perecerá, e o entendimento dos seus entendidos se esconderá (Isaías 29.14);
Que desfaço os sinais dos profetas falsos, e torno loucos os adivinhos, que faço voltar para trás os sábios, e converto em loucura a sua ciência (Isaías 44.25);
Sou Eu que confirmo a palavra do meu servo, e cumpro o conselho dos meus mensageiros (Isaías 44.26a).

A mensagem subliminar que o autor passa quando o relato dos textos pesquisados insinua que o escritor bíblico construiu uma narrativa planejada para apresentar David aos leitores judeus (e gentios) esterilizada de qualquer inspiração do Espírito. Ao meu sentir, entendi que o material coletado pelo comentarista está passando a seguinte mensagem: O escritor bíblico de I e II Samuel manipulou o texto para apresentar David como um produto autêntico, da mesma forma que um marqueteiro do seculo XXI apresenta um político ao povo. Quanto a isso, sugiro que também leia o comentário de I e II Samuel. Tire a prova.

A primorosidade da obra "Novo Comentário Bíblico Beacon" sob o ponto de vista acadêmico é inegável, como também é inegável o perigo de sua mensagem subliminar, isto é: se o  escritor  bíblico de I e II Samuel bíblicos manipulou uma verdade conveniente, o que se infere, então, quanto à inspiração dos outros livros?

Como pentecostal que sou, repito o conselho de São Paulo: "Examinai tudo, mas retende o bem". Considero, pessoalmente, no que concerne aos comentários  KEVIN J. MELLISH ao livros de I e II Samuel que ali, embutido no pacote, há um gatilho para aniquilar a fé de novos convertidos e também para balançar a fé de crentes maduros que estão passando por grandes provações. 

Sinceramente, a nota que eu dou para o comentário Beacon destes dois livros é zero. Li, sim! Mas, como pentecostal não gostei. Em tempos tão cheios de corrupção em todos os seguimentos da sociedade, só me faltava um comentário bíblico cuja mensagem no meio de tantas citações insinua que não houve inspiração do Espirito Santo senão manipulação por conveniência de um escriba 

Não sei se algum blogueiro já falou sobre isto, mas a amostra que li desta obra - Novo Comentário Bíblico Beacon, me trouxe uma péssima impressão. Como pentecostal, ensinado que a Bíblia foi escrita ao longo dos séculos sob a inspiração divina, percebi que há veneno na farinha desta panela. Considerando que Deus me deu um pouco de sabedoria, gostaria muito de acrescentar umas palavras mais fortes, mas, ponto final. 


SP- 26/10/17.