segunda-feira, fevereiro 11, 2013

Banda carioca faz clipe com imagens de culto, ridicularizando Igreja Evangélica


Pastor  Maurício Price


Imagens compiladas por João Cruzué

Banda carioca edita clipe, com imagens ilegais, ridicularizando cultos evangélicos. Pastor critica o vídeo e afirma que a Igreja Evangélica no  Brasil sofre de uma nova onda de perseguição religiosa.  Entre as imagens, aparecem flashes do Pr. Silas Malafaia, do Apostolo Valdemiro Santiago, e de uma centena de de crentes do "ré-té-té" expostos ao ridículo.

Causou-me espanto e repúdio a matéria intitulada “Banda carioca lança clipe com imagens de cultos evangélicos” cuja edição maliciosa e preconceituosa do vídeo da canção “Pélvis” do Grupo "Os Azuis" coloca os fiéis dançando ao ritmo do rock e expondo ao ridículo o que deveria ser no mínimo respeitado, quando não se é compreendido. 

Permita-me dizer que não sou adepto da teologia da prosperidade, nem tão pouco compactuo com qualquer tipo de modismo neopentecostal contemporâneo. Aliás, abomino tudo aquilo que deturpa a simplicidade e pureza do Evangelho de Cristo registrado nas Sagradas Escrituras. Deixo isso aqui bem claro. 
        
Embora, possa admitir que exista atualmente no cenário evangélico brasileiro uma real e histórica diversidade litúrgica e doutrinária entre as denominações evangélicas em nosso país, sinto-me também no dever de reconhecer que a maioria das igrejas evangélicas sérias desse país, tem preocupação com a coerência entre o discurso pregado e a prática vivenciada na vida dos fiéis. É sabido também que uma minoria não segue essa regra. Mas, como já disse, é uma minoria que não representa a grande totalidade da nação evangélica brasileira. Que isso fique bem claro!  
         
Ora, a nação evangélica brasileira é um fenômeno populacional. Isso é inquestionável! Hoje, segundo dados do censo demográfico do IBGE (2010), os evangélicos já somam mais de 42,3 milhões de fiéis ou 22,2% da população brasileira. Logo, essa massa populacional usufrui também dos direitos e deveres de qualquer cidadão nesse país, independentemente de sua filiação religiosa. Parece-me que os autores do vídeo sarcástico que zombam daquilo que não entendem nem compreendem foram profundamente infelizes ao concluírem que o “vídeo é uma comédia”. 

O vocalista do Grupo Azuis, Greco Blue, afirma o seguinte: “ – Não fomos desrespeitosos em nenhum momento. Fizemos apenas um vídeo engraçado. Ninguém vai ficar ofendido”. Ledo engano. Aliás, são milhões de brasileiros que estão sendo ofendidos e afrontados por causa da sua fé e de sua religiosidade. 



Embora as cenas repetidamente exibidas não sejam a regra nas liturgias dos cultos evangélicos na maioria das igrejas do país, afirmo que  faltou prudência. Faltou respeito. Um vídeo claramente preconceituoso que incita a intolerância religiosa e zombaria.  




          
Assim sendo, o conteúdo de tal vídeo é digno da manifestação de repúdio da nação evangélica nesse país, pois demonstra claramente uma “evangelicofobia” declarada e crescente em nosso país cada vez mais notória na mídia de massa. Permita-me lembrar que  a  Constituição de 1988  garante liberdade de fé e religião.  O artigo 5º da Carta Magna diz que "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias." 
          
É importante ressaltar que a fé protestante não compactua com manifestações de ódio e violência contra aqueles que não seguem o mesmo credo. Porém, é digno de ser mencionado que o povo evangélico brasileiro não é composto de cidadãos alienados e despreparados que aceitam facilmente manifestações preconceituosas e discriminatórias. 

Ao contrário disso, a nação evangélica brasileira  acredita também que possuí o seu direito irrevogável e constitucional de defender e expor publicamente a sua fé conforme claramente subscreve  esse signatário.

Mauricio Price é  Pastor evangélico da Igreja Assembleia de Deus. Mestre em Teologia. Presidente do Diretório Estadual no Rio de Janeiro e Conselheiro Nacional da Sociedade Bíblica do Brasil. Membro da Academia Evangélica de Letras. Médico pós-graduado. Escritor, conferencista e radialista. www.mauricioprice.com.br


2 comentários:

Netto disse...

os imbecis crescem como praga e a igreja não será abatida por eles pois é maior quem está conosco do que quem está com eles... que Deus tenha misericórdia de suas almas...

Herberti disse...

E ai? Vai ficar só na reclamação e complexo de vítima, ou alguém com indignação suficiente vai abrir um processo contra estas bestas por difamação, calúnia, e ofensa à liberdade de culto. A sociedade tem que respeitar a igreja, não só pela autoridade espiritual mas também pela firmeza cívica.