quarta-feira, novembro 14, 2012

Está faltando cimento


Tijolo e cimento
------------------------------------------------------------------------------------

A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis 
uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.  
 Romanos 13;8. 
--------------------------------------------------------------------------------------

João Cruzué

É possível  ter dons espirituais e não ter amor? É possível pregar o Evangelho, com muita graça em cima de um púlpito, e não sentir amor por ninguém? É possível ter os nove dons do Espírito Santo e mesmo assim não ter nenhuma solidariedade com o próximo? A leitura do Evangelho e da Carta de Paulo aos Coríntios aponta para esta realidade. Sendo mais incisivo: Nós vivemos em uma época de muitas Igrejas, muitas Bíblias de Estudos, muito conhecimento bíblico, muita erudição, ortodoxia, doutorado - mas apesar de tudo isso - vivemos tempos de baixíssima solidariedade  e compaixão.

Como pode ser isto?  Alguém já comentou (e não me lembro quem) que se puser um sapo na panela com água fria, se esta panela estiver no fogo, a água vai esquentar, o bichinho vai morrer cozido, pois não sentirá a subida da temperatura. Como também morreria de frio se se congelasse a água.

Coisa intrigante. E preocupante.

Assim também pode acontecer com o mais pio dos crentes ou o mais sábio dos pastores. Acostumar com a temperatura do ambiente. Metamorfosear com os ventos da cultura narcisista vigente. É uma leitura destoante, hoje, ler a respeito do serviço cristão. De servir. De se colocar na posição de servir.

Nossa época é a do narciso. Da sanguessuga  bíblica. Agradecer não é dizer "muito obrigado"; é demonstrar agradecimento com atitude e um espírito de gratidão. Amar não pode ser só um verbo intransitivo, nem reflexivo. É preciso que seja transitivo.

Tive uma visão no passado. E nela eu pude ver o prédio de uma Igreja que estava fora do prumo, com uma inclinação, para trás, de quase um metro. Suas colunas também estavam com os ferros à mostra. E a laje que ficava acima dos bancos do Círculo de Oração tinha arriado. E arriou, porque a coluna de sustentação se desfez.


E eu perguntei: Por que a coluna que sustentava esta laje esfarelou-se? E alguém que não identifiquei na visão disse: Puseram pouco cimento. Por  um bom tempo, procurei interpretar qual seria o significado do cimento naquela construção.  Demorei, mas consegui a resposta.


A falta de cimento está generalizada em quase todas as Igrejas Evangélicas de hoje. Falo das Igrejas Evangélicas, porque também sou protestante. Estamos vivendo uma terrível época de falta de amor. Tudo está funcionando. Igrejas e mais Igrejas são instituídas. Templos cada vez maiores estão sendo construídos, mas em lugar do amor, vemos uma administração corporativista. O Espírito Santo ficou de fora, porque não é mais prioridade.


Tal qual na Parábola do Bom Samaritano, os sacerdotes e os levitas de hoje passam ao largo dos caídos à beira da morte porque perderam a capacidade de amar. Passam correndo para construir mais templos. Passam correndo atraídos por coisas que pertencem à cultura eclesiástica do momento.


Não há mais visitas. Nem discipulado. Nem solidariedade. Nem paixão pelas almas. Até missões, hoje, em muitas das vezes é investimento apenas para publicidade. 


Por que está faltando cimento? Talvez seja porque ele tenha esfriado, endurecido ou porque não haja mais compradores. O curioso é que  a fábrica do cimento continua funcionando. Veja Romanos 5:5.






2 comentários:

Nal Pontes disse...

É muito bom encontrar este blog. Vim aqui agradecer a visita ao meu blog Jesus meu porto seguro e tmb segui-lo. Segui o meu tmb quero tmb anunciar o seu. Q a benção do Senhor seja uma constante em tua vida.

Carlos Roberto Silva, Pr. disse...

Caro amigo, Pb. João Cruzue,

O texto por si só já diz tudo. Fui edificado nesta manhã ao lê-lo.
Que o Eterno continue abençoando a sua vida e seu ministério, o presencial e o virtual aqui na blogosfera cristã.

Saúde & Paz!

Seu conservo e admirador,

Pr. Carlos Roberto