quinta-feira, março 29, 2012

A segunda reforma


"Ouvi, Senhor, a tua palavra e temi; aviva, ó Senhor a tua obra no meio dos anos,
no meio dos anos a notifica;na ira lembra-te da misericórdia."
Habacuque 3; 2


João Cruzué

O filme "Lutero", com o ator britânico Joseph Alberic Fiennes no papel principal, é meu "DVD" de cabeceira. Volta e meia  o assisto e sempre me emociono. As cenas iniciais são mal trabalhadas, mas do meio em diante  é uma obra prima. Hoje, entretanto, o ângulo de abordagem vem acompanhado de assunto novo. A Reforma de 500 anos atrás está esgotando sua massa crítica.

Quando Johann von Staupitz, o mestre de Lutero,  enviou-o a Roma para aprender, o discípulo voltou dias depois corado de vergonha e ira santa. Motivo: as vendas de indulgências. Exploração da fé dos crédulos pelos ministros da ICR e a frase terrível: Quando a sua moeda tilintar na caixa do tesouro, a alma do seu ente querido deixará imediatamente o purgatório e será levada ao Céu. Para não falar em fornicação, prostituição, consagrações de chapéus de bispos e arcebispos através de negociatas.

"Roma é um esgoto aberto" Esta frase está no filme. Ela resume a impressão que Luthero teve de Roma. Não estava em seus planos fundar uma nova Igreja, mas Deus sim, tinha planos para reformar ou levar a Igreja como instituição terrena a nascer de novo do Espírito.

Fico da mesma forma muito impressionado com a "lisura". O "trato" com o dinheiro. A obsessão pelo mando. O gosto pela política profana. A deterioração do compromisso de santidade. Isso e tanto mais, que as lideranças da Igreja evangélica brasileira vêm oferecendo aos olhos admirados dos ímpios e dos crentes.

Um "espetáculo" do crescimento da avareza e da omissão.

Faltam planos e ações de evangelização nas praças, no campo, periferias e  favelas. Sobra muita conversa. Muita "palavra" e falta amor. Falta compromisso com Deus. Coro de vergonha ao relatar que os agentes do "tráfico" estão ocupando o vácuo de autoridade que o Estado e a Igreja Evangélica deixaram nas favelas e morros das grandes cidades. Um "espetáculo" de crescimento!

O que fizeram do Evangelho? Se uma pesquisa fosse feita, hoje, no meio das ruas e fosse perguntado aos não crentes apenas isso: Quando um crente venha falando para você de Jesus, você acha que ele de fato está interessado em sua alma ou em seu bolso?

A resposta fica por sua conta.

Este é o "espetáculo" do crescimento que o neopentecostalismo trouxe. E a culpa não é somente dele. Uma multidão de pregadores da outra seara também faz muito "sucesso" mexendo com as emoções do povo em um processo circular e vicioso. Um "evangelho" feito sob medida para se dar bem.

Uma nova modalidade de negócio parece que já chegou à praça. Franquias de "igrejas". Depois disso eu não preciso escrever mais nada. A não ser mais uma coisa: Este fenômeno é global. Não fui em quem descobriu a roda. O diagnóstico é antigo.

Será possível que a Igreja evangélica está à beira da mesma loucura dos tempos que antecederam à Reforma? A conta desta loucura vai ser barata? Não, com certeza não vai. Este 3º milênio ainda nos espera com muitas surpresas desagradáveis.

Então como Habacuque fez, só me resta orar. Orar com os olhos e com a alma.

Se nos humilharmos. Abrirmos os olhos. Nos daremos conta de que os dias são maus. Muito maus. Orando como o profeta, quem sabe Deus nos ouça e se apiede de nós, com mais uma Reforma.

A Reforma da Reforma!




2 comentários:

Jaime Alves disse...

Homens que honraram a fé.

Ouve ó meu Senhor!...



Que caminhos tem andado a sua igreja?…

Que volátil flutua em tantas incertezas
tanto misticismo sincretismo,
o mais ferrenho pragmatismo
onde com certeza o humanismo
arremete a um abissal egocentrismo
e tantos outros ismos.

Deturparam demais a sã doutrina
campanhas que fogem ao controle
é sal é rosa e agora até mesmo vela como candeeiro
ó meu Deus velai por nós!

Converteram a tua essência em obsessão por dinheiro.

Velai por este povo alienado
tão perdido e conturbado
e vão cegos e enganados
seguindo por caminhos tão errados.

A igreja voltou ao passado
quando indultos eram cobrados
pedaços da cruz eram comercializados
só que agora o sofisma outro
não se vende mas da cruz
mesmo assim vendem Jesus
nas ofertas escabrosas
sacrifícios sei de tolo
que me vêem com o um tolo
por não querer associar

Com esta disparidade concordar.

Traz de volta à John Yglif
John Hus, ou Savonarola
heróis que o povo ignora
homens que honraram a fé
ressuscita à Lutero
ou alguém que seja sincero
que não queira o poder
mas que possa só querer
uma doutrina mais idônea
uma igreja menos errônea
pois és Deus e nunca erras.

Foi um preço muito caro
todo um sangue derramado
santo sangue imaculado
que nunca soube o que é pecado
e é por este sangue suplico
é neste sangue que me aplico
para a nossa redenção.

Chega de tanto superficialismo
de compulsão de hedonismo
faz valer toda verdade
reverbera a identidade
traz de volta a idoneidade
de um povo que sofreu
cujo sangue sei verteu
por amor ao evangelho
combateram o bom combate
venceram a carreira
guardaram a fé.

Ouvi seus gritos alucinados
quando eram chacinados
por leões eram tragados
muitos sei foram queimados
mas morreram tão honrados
por amor a Jesus Cristo.

***

Eu trago dentro do meu coração um sonho em que por causa da veemência doentia que contaminou a nossa cultura cristã, tornou-se uma utopia tão volátil quanto a compulsão aleatória e muitos cristãos tem vivido.

Os formadores de idéia estão aí arregimentando o seu corporativismo sincrético heterodoxo pouco se importando com a hegemonia do evangelho, e como disse Edmund Burk
"o mal sempre triunfa quando os bons se calam."

Obviamente não são todos, mas dignos preletores que eram ilibados estão se vendendo por uma anseia de poder de ostentação e promiscuíram sua idoneidade tornando-se pessoas réprobas....

Mas voltando ao meu volátil sonho!...

Eu sonho que a igreja volte a ser apenas,
uma simples igreja,
Tão simples quanto o seu verdadeiro dono...
Efésios, 2: 4 - 5

Juscelino Nery disse...

Chamo os líderes desse tipo de evangelismo de "os vampiros da fé". Breve estarei escrevendo um post referente a essa temática. Estou amadurecendo a ideia e pesquisando o assunto. Pra ser bem sincero, acho que estou ficando meio subversivo à ordem evangélica estabelecida, na qual não se estuda mais, não se exerce pensamento crítico às heresias doutrinárias lançadas no meio do povo e que proliferam e seduzem os incautos cristãos, em nome da obediência às autoridades, principalmente evangélicas, cristãs, etc. Aliás, os vampiros da fé normalmente usam esse recurso da obediência cega às autoridades para manipular as massas. E qualquer espécie de atitude de pensamento crítico, de conhecimento secular, científico, acadêmico e outros, não é bem vista pelos próprios evangélicos, como se estes devessem ser seres incultos, ignorantes, e até, às vezes, discriminativos e opressores quando alguém não compartilha ou não aceita ideias cristãs. Ora, vivemos e devemos respeitar as diversidades, sejam estas de caráter religioso, político e etc. Não são as palavras ou atitudes condenatórias e discriminativas que vão converter o coração do homem a Deus, mas o caráter verdadeiramente cristão, e isso não é tarefa das mais fáceis; pra mim não é.