sábado, março 17, 2012

O retorno do Rei

.
PÁSCOA CRISTÃ 2012
.

João Cruzué

A profecia vai se cumprir e o mesmo Cristo,  crucificado em uma cruz para perdoar os pecados da humanidade, vai voltar em breve para cumprir a profecia e estabelecer o Reino de Deus na terra - com poder e grande glória.

Páscoa não tem nada a ver com coelhos,  ovos de chocolates nem outros produtos da mesa dos publicitários, criados para produzir novos desejos de consumo entre as massas; muito eficientes para vender, mas que encobrem e procuram distorcer o real significado desta data.

Páscoa é livramento de um perigo real e imediato. Sua história remonta ao Egito, aos dias do Êxodo judaico. A Páscoa tem origem no mundo espiritual e provoca efeitos diretos no cotidiano temporal.


P A S S A D O

Jesus veio para o povo judeu, em cumprimento de muitas profecias, e  a mais bela delas se encontra em Isaías 9:6: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz."

Todavia, os judeus esperavam um Messias libertador descrito em profecia do Salmo 45: "Cinge a tua espada à coxa, ó valente, com a tua glória e a tua majestade. E neste teu esplendor cavalga prosperamente, por causa da verdade, da mansidão e da justiça; e a tua destra te ensinará coisas terríveis. As tuas flechas são agudas no coração dos inimigos do rei, e por elas os povos caíram debaixo de ti."

E assim, inclinados a uma inversão de valores, focados em Roma e não em Jeovah, aborreceram o Cristo. Por isso foram protagonistas de outra profecia, a de que eles rejeitariam o Messias: "Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do SENHOR? tudo registrado no capítulo 53 do Livro de Isaías.

E na última semana de vida entre os judeus, Jesus desejou ardentemente celebrar a Páscoa com seus discípulos, que Lucas registrou assim: "E, chegada a hora, JESUS se pôs à mesa, e com ele os doze apóstolos. E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça; Porque vos digo que não a comerei mais até que ela se cumpra no reino de Deus. E, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai-o, e reparti-o entre vós; Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus.

E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós. E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai."

A Páscoa foi celebrada pelo povo de Israel pela primeira vez no Egito. No tempo de Moisés, Páscoa tinha o siginificado de "Passar por cima" dizer; em sentido mais abrantente tem o sentido de livramento imediato. Um mal estava a caminho das famílias em todo o Egito. Aquela que colocasse o sangue de um cordeiro na ombreira da sua porta ficaria livre, protegida, da morte do primogênito.

Mas se o anjo destruidor visse mancha de sangue na porta, passaria por cima daquela casa sem executar o mandado. O povo daquela terra desprezava os judeus e o seu Deus, pois o achavam fraco - Deus de escravos. E o anjo passou e executou o juízo. No outro dia, em todo Egito havia um grande lamento, pela morte dos primogênitos.


P R E S E N T E

A Páscoa de hoje está profundamente enraizada em nossa cultura. Sua consciência, símbolo, e profecia, no entanto são desconhecidos de crianças, adolescentes e jovens. Mas parafraseando o Pr. Vanelli, em seu ótimo texto: O reinado do coelho se finda, eis que vem aí o Cordeiro!

Sabemos que não foi com coisas corruptíveis, como ouro, prata, Letras do Tesouro Americano ou coelhos que se paga o resgate de uma vã maneira de viver - que por tradição se recebe dos pais, novelas ou mestres.

O Faraó do Egito escravizava a nação de Israel sob um chicote duro e real. Mas quem são os faraós opressores do século XXI? Não é um homem nem uma nação. É uma cultura universal que adora o ganho e ama dinheiro acima de qualquer coisa. Há dinheiro no mundo para resolver toda fome e derrubar todo tirano da África. Mas ele está sendo gasto em aquisição de armas. Há dinheiro no Brasil para dar 10 vezes mais o valor do bolsa-família. Mas ele está sendo desviado para pagar 200 bilhões em juros (por ano) para os cofres dos barões do capital financeiro. O amor ao dinheiro tem sido o pior dos faraós em nosso século.

O segundo faraó é o egoísmo. A consciência global de hoje pensa assim: que o pobre e o miserável sofram - o que temos a ver com isso? que o analfabeto continue ignorante; que morra o doente - para não gastar o dinheiro da saúde; louvado seja o corrupto esperto que não se deixa apanhar e que sofra nos tribunais os otários que passam recibo; que todo mundo se dane, enquanto eu me der bem; que valha mais uma mentira que me proteja que a verdade que desnude o meu caráter. Que a paz seja a prioridade número 1, desde que não atrapalhe a produção filmes belicosos, novelas imorais e músicas podres. Cristo? ora Cristo... era um santo, mas não tempo para fraquezas. Igreja? todo pastor e padre são ladrões! Só buscam o meu dinheiro.


F U T U R O

E quando o Rei, Senhor Jesus Cristo retornar, ele vai dar início físico do Reino de Deus na Terra. E depois de mil anos virá o grande dia do juízo final, em que serão julgados os vivos e os mortos. O mar e a terra vão devolver o pó e a lama para reconstruir cada corpo. Os espíritos dos que morreram voltaram para habitar os corpos refeitos

Para quê? Todos hão de comparecer perante o Rei. Diante dele todo joelho se dobrará para receber o prêmio de acordo com suas obras. O Livro da Vida será aberto diante de cada pessoa, para que ela veja com os próprios olhos se seu nome está na lista dos que passaram no "vestibular dos salvos. E no Livro das Obras as ações e omissões de cada um serão lidas e confirmadas.

No filme "O Retorno do Rei", o último da trilogia "O Senhor dos Anéis", Denethor II era o regente que ocupava o Trono de Gondor. O pai de Boromir e Faramir. A guerra rompia com fúria os portões da cidade, mas ele não via guerra nenhuma. Estava completamente alheio e ausente. A destruição estava a caminho e nenhuma providência tomou a não ser obrigar o filho mais novo a sair para enfrentar a morte.

Há 6,5 bilhões de pessoas vivendo seus dias na terra. A maioria não sabe que há um mundo espiritual oculto aos olhos físicos, que não podem enxergá-lo. Mas ele está lá. O que acontece lá, repercute depois no plano físico; tal como as ondas em um lago, provocadas pelo cair de um objeto. Satanás é como Sauron. Os orks são seus milhões ou bilhões de demônios. Há anjos caídos ainda mais poderosos - como os Trolls. E príncipes das trevas mais destruidores que o Balrog. Eles são os agentes do reino das trevas, um mundo real no plano espiritual.

Mas a profecia bíblica mostra que Jesus era o Messias esperado e rejeitado pelos Judeus. Ele é o Rei. O filho unigênito do único Deus verdadeiro, o YHWH da TORAH dos judeus. O texto a seguir mostra como e quando Ele voltará


O RETORNO DO REI:

"E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos. Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.

"E, estando os discípulos de Cristo com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco.

--Varões galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir. E eis que Ele vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Ele é o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso.

"E me virei para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro; E no meio dos sete castiçais um, semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas.

E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro."


Meus outros textos de Páscoa

Páscoa Cristã 2008

Domingo de Páscoa

Páscoa Cristã 2009

Jesus o Cordeiro Definitivo

A Páscoa de Isabela





.

4 comentários:

Erick Haendel disse...

gostei da mensagem que o Senhor continue a te usar ...

visita se der esse blog http://botefee.blogspot.com.br/

fica com Deus

Robison disse...

Muito bacana o seu blog meu amigo!!!

Que Deus continue lhe abençoando muito!!!

Aluizio Araujo disse...

Prezado irmão João Cruzué, é sempre uma alegria fazer um comentário em cima de um texto pedagógico que nos faz lembrar a grande importância da Páscoa para todos nós servos do senhor, e principalmente para aqueles que ainda não foram alcançados pelo Espírito Santo de Deus para o aprisco do Senhor.

Essa analogia que você faz, trazendo para os dias de hoje o que aconteceu nos primórdios da civilização é sem dúvida de grande avalia para nós. Parabéns e que Deus continue te abençoando e te dando discernimento para nos presentear com artigos de salutar importância para todos nós.

Pastor Vanelli disse...

Querido irmão João, isto é que se pode chamar de "textaço". Objetivo, esclarecedor e abrangente. Penso que este ano nem vou escrever nada sobre a páscoa, e é bem provável que utilize, com a sua devida aquiescência, tão alusivo texto, focado de um ângulo que nos arremete a grande esperança expressada pela igreja primitiva acerca da proximidade da parousia, quando da sua expressiva verberação de 1 Coríntios 16:22 Paulo já bradava:Maranata. E agora mais perto deste, fazemos coro com o sonho paulino " Maranata, eis que o Rei retorna em breve". AMÉM!