segunda-feira, janeiro 23, 2012

200 mil pessoas desaparecidas no Brasil a cada 10 anos não são encontradas


.João Cruzué

Segundo reportagem do Jornal da Tarde de 11.02.2011 , "Nesses três anos, [2008/2010] parentes e amigos comunicaram às delegacias paulistas o sumiço de 63.150 pessoas - 19.445 na capital. Dessas queixas, 50.061 foram esclarecidas. Boa parte das pessoas reapareceu espontaneamente. Outras vítimas, entretanto, são encontradas mortas."

Faltou dizer que 13.089 (63.150 - 50.061) dos casos não foram resolvidos e as pessoas não foram encontradas. Sumiu a população de uma pequena cidade em três anos, só no estado de São Paulo.

Tabela do IBGE

Dados do IBGE de 2010, mostram que o Estado de São Paulo tinha cerca de 41 milhões de habitantes. São 21,35% da população nacional. Não estaria longe da verdade se proporcionalizassde e estimasse em 61.294 o total de pessoas desaparecidas e não encontradas em todo Brasil a cada três anos.

Isso dá mais de 20.430 casos por ano; 204 mil pessoas desaparecidas e não encontradas a cada 10 anos em todo país.

Exagerado? Não. Assustado.

Enquanto isso, o Secretário Executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Barreto culpa os estados por não alimentarem a base nacional. Ou seja, como a batata está queimando em sua mão, tratou de transferi-la.

Por que ele ou seu Chefe, o Ministro Cardoso, ainda não pediu para alterar a Lei e colocar um texto coercitivo nela?

Será que 200 mil pessoas desaparecidas e não encontradas a cada dez anos ainda é pouco? A julgar pela lentidão do Ministério da Justiça e autoridades das outras duas esferas, é.



Um comentário:

Tânia Míriam disse...

Parabéns, irmão João!
É uma vitória.
Avante!!!