quarta-feira, janeiro 05, 2011

Qual é o valor do seu perdão.

.

João Cruzué

Quando um dos discípulos pediu a Jesus que os ensinasse a orar, Ele ensinou orando o "Pai nosso". E no texto do "Pai Nosso" há uma frase muito conhecida e pouco entendida: "Perdoa-nos os nossos pecados, pois também nós perdoamos a todo o que nos deve." Quero testemunhar aqui de uma forma bem singela três experiências minhas com o perdão. Eu sei que neste mundo tão violento, se não tomarmos cuidado, podemos repercutir aquele famigerado mandamento "olho por olho e dente por dente".

Quando Jesus ensinou o ato do perdão, ele tinha um propósito: ensinar a confiar nas promessas e provisões de Deus. Mais tem Deus para dar do que o diabo para carregar. Ouvi esta frase ainda criança. E isto se cumpriu literalmente em minha vida em várias ocasiões.

A primeira. Tão logo aceitei Jesus de verdade, em 1985, meus pais muito católicos tiveram uma grande decepção. Eu tinha saído de casa para estudar e trabalhar na grande São Paulo. Dois anos depois, com saudades do sítio, eu estava de volta para a casa deles. Crente convicto. Por pressão do padre, fui "convidado" a sair de casa. Eu não guardei raiva deles. Foi muito difícil mas eu perdoei. Doze anos depois minha mãe se tornou uma crente em Cristo da Igreja Presbiteriana. Dois anos mais adiante, meu pai seguiu o mesmo caminho. Foi uma grande vitória para mim, e quem deu foi Jesus.

A segunda. Em 1993 em estava no sítio. Eu estava vendendo as últimas caixas de tomates de uma experiência de muito trabalho e pouco dinheiro. Um comprador da cidade próximo mandou colher tudo que estivesse nos tomateiros. Foram mais de 200 caixas de 25 kilos cada. Cinco toneladas de tomates. Verificando que o tamanho deles não era o esperado, desistiu da compra.

Assim, no chão estavam estavam 5.000kg de tomates. Era Dia de Finados, quando eu voltei de São Paulo, para o Vale do Rio Doce, onde era o sítio da família. Fiquei tão triste, que não tive coragem de subir até a horta, para ver uma montanha de tomates amadurecendo e se estragando no sol. Eu não dei lugar a raiva. Nem me amargurei com a atitude do comprador. Desde o momento que soube, eu fui orando e contei tudo para Jesus.

Então, eu comecei a ver a mão de Deus. Naquela tarde, um moço da cidade de Muriaé ligou para minha casa. Ele tinha conseguido o telefone do sítio, através de um moço que alugava seu caminhão para que levássemos as hortaliças para o Ceasa de Caratinga.

--Você tem tomate para vender?

--Tenho, mas eles já foram apanhados e estão maduros no chão.

-- Mas são os maduros que eu quero. (O Rio de Janeiro não compra tomates verdes, só maduros.)

E no outro dia, ao lado da montanha de tomates maduros, cobertos por folhas de indaiá, estava um caminhão Mercedes, trucado, com 300 caixas vazias. O preço foi menor do que eu iria ganhar no primeiro negócio.

Mas o testemunho não fica só nisto. Tendo problemas de consciência, o primeiro comprador mandou pagar-me a metade do prejuízo. E somando o que recebi do segundo comprador, com o ressarcimento do primeiro, o total recebido foi maior do que o combinado no primeiro negócio. Quem poderia imaginar que Deus estava neste negócio?

A terceira, e maior experiência. No final dos anos 80 um parente próximo procurou-me para oferecer dois terremos em um bairro da Zona Sul de São Paulo, a 100 metros da Represa do Guarapiranga. Depois, voltou e propôs a compra de mais quatro. Um lugar lindo. Só que poucos anos depois, alguém com apoio da justiça colocou uma cerca de arame de alto a baixo e o negócio complicou-se.

Não consegui as escrituras. Veio a Prefeita Erundina. E um padre da região reunião muitas pessoas e se apossaram da rua em frente aos terrenos. Uma cerca sobre os terrenos e casas sobre a rua. Eu tinha sido enganado. Era uma área em litígio. Tendo ido ao local, um morador saiu para me receber com um facão na mão.

Fui na Imobiliária e ouvi que não era possível vender. E eu mesmo achei que, sem as escrituras não era honesto vender. Foi aí que orei: Senhor, mais tens Tu para dar, do que o diabo para carregar. Em minhas orações eu coloquei aquela causa nas mãos do Senhor.

Decidi passar uma borracha naquele assunto, e mantive a comunicação como o meu parente. Tive oportunidade de receber tudo de volta - a contragosto dele - mas não usei da oportunidade para revidar. Sofri o prejuízo e confiei no Senhor.

Já testemunhei em minhas últimas mensagens que estou trabalhando no Tribunal de Contas do meu Estado. Concurso feito em 2005; 16.000 candidados para cento e poucas vagas. O concurso foi prorrogado por mais dois anos e, por isso, um telegrama chegou à minha casa, avisando para que eu tomasse posse do cargo de auditor.

Com um ano de remuneração neste meu novo serviço, eu poderia comprar hoje todos eles. Eu até tinha me esquecido do assunto, mas em minhas orações da semana passada o Senhor lembrou-me do assunto.

Conheço, por outro lado, um caso muito triste de falta de perdão. Um outro parente, depois de uns 20 anos, viajou para ver a irmã que no passado tivera uma rusga. Ao bater na porta, ela foi abrir. E ao reconhecê-lo, sem nenhuma palavra, fechou porta com um estrondo. Menos de um ano depois ele morreu. Creio que tinha a consciência limpa. Ele dera uma chance para a prática do perdão, mas o ódio do outro lado ainda era tão forte, mesmo tendo se passado mais de 20 anos, não diminuiu.

Sei por experiência própria que se perdoarmos, se nos esforçarmos para perdoar ofensas, prejuízos, e até dívidas, então em nosso coração não haverá lugar para quenenhuma raiz de amargura cresça. E dessa forma e com essa atitude, nós podemos chegar diante do Senhor e expor nossa situação. Assim, mais dias, menos dias, o que Ele vai nos dar será bem maior do que o que o diabo nos roubou.

E foi por isso que guardei bem o texto de dois versículos da Carta de Paulo aos Filipenses: "...E uma coisa faço: e é que esquecendo-me das coisas que para trás ficam, e olhando para as que estão adiante de mim, prossigo para o alvo pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" Fil.3:13-14.

O valor do perdão pode vir dobrado, triplicado, quadruplicado, decuplicado, ou muito mais que isto. Mas é condicional. Desde que você pare de olhar com angústia o passado. Jesus, através do ensino do perdão, estava dizendo que devemos perdoar para ser perdoados.

O perdão é a única chave que pode abrir as portas das bênçãos que estão no futuro. Negar um perdão é ficar preso ao passado. É a mesma coisa que amarrar uma corrente de aço nos pés, colocar um cadeado nela, fechá-lo, e entregar a chave na mão do diabo. Todo pensamento de amargura e vingança é alimentado (sem que você perceba) por um demônio a serviço do diabo.

Aprenda o propósito do perdão com Cristo para ficar livre das correntes malignas. Conte para O Senhor Deus onde é a sua dor. Onde foi o seu prejuízo. A raiz da sua mágoa. As feridas do seu ressentimento. Aquele enorme prejuízo que você levou. Os abusos que você sofreu. Aquela picuinha que você ainda não esqueceu. Peça forças a Jesus para perdoar. Insista em perdoar. Só assim você vai ficar livre das tranqueiras malignas, para receber as grandes vitórias que o Senhor tem para você.

Com muito carinho, em Cristo

cruzue@gmail.com




.





Um comentário:

Vanessa disse...

Deus seja Louvado!
Sempre esta do nosso lado, mesmo quando achamos que não! Ele nunca nos abandona!
Por isso Louvemos ao Senhor, não importam as circunstâncias!
Lindo testemunho