domingo, setembro 05, 2010

O perigo da esterilidade na vida cristã

.

Joao Cruzué

"Eis que há três anos venho procurar fruto nesta figueira e não o acho; corta-a. Por que ela ocupa ainda a terra inultilmente? E o vinhateiro respondeu: Deixa-a este ano, até que eu a escave e esterque; e se der fruto, ficará; e se não, depois a mandarás cortar." Lucas 13.
Figueira
Figue
Quantos cristãos deixam de receber respostas de orações para os grandes projetos de suas vidas? Será que a vida abençoada de outros é apenas frutos da coincidência? O quanto as boas obras de cada um representam no julgamento de Deus no ato de enviar a bênção para uns e nada para outros? Creio que este assunto é por demais complexo, dentro das culturas religiosas pré-estabelecidas, mas examinando a Bíblia de forma simples, sem os "mas" religiosos, podemos encontrar algumas respostas; e estas respostas podem nos trazer uma visão menos religiosa e mais cristã.

Jesus e as figueiras. Imagino que nos tempos de Cristo em Israel, as figueiras deveriam ser muito comuns, como em nossa terra temos as mangueiras, goiabeiras, bananeiras... árvores comuns de frutos populares. Em Mateus 21, vemos o Senhor procurando fruto em uma figueira. Achando somente folhas, amaldiçoou-a; e ela secou-se imediatamente, para espanto dos discípulos. Em Marcos 13, fala que ao ver uma figueira começando a soltar brotos é sinal que o verão está chegando. Em Lucas 13, tema do texto, mostra outra vez o desapontamento com a falta de frutos de outra figueira. Zaqueu subiu em uma figueira brava, em Lucas 19; e Natanael mudou sua opinião sobre Jesus, quando o Senhor lhe disse que o viu debaixo de uma figueira. Em alguns desses textos, a figueira é comparada à nação de Israel. Israel era a figueira.

Mas a figueira também, além de Israel, pode ser a figura da vida espiritual de cada cristão. E a procura do Senhor por frutos na figueira, representa os bons frutos de mudança produzidos pela ação do Evangelho em nós. Assim como era impossível para uma figueira adulta não produzir frutos no verão, também aquele que vive cotidianamente na Igreja deve florescer e frutificar. A decepção do Senhor Jesus quando foi procurar fruto na figueira e só encontrou folhas, tem uma explicação: as folhas simbolizam a religião; e a religião pode ter um efeito inverso: desligar o cristão do Cristo.

Assusta-me , e custo a compreender porquê pastores Batistas americanos, homens brancos, que ensinavam e pregavam sermões sobre o amor e graça do Cristo, seriam capazes de criar uma Ku Klux Klan para humilhar, prejudicar, perseguir e matar irmãos de crença -negros. Isto são folhas. Isto é religião. É criar dogmas e preceitos humanos e embrulhá-los com o nome de Deus. Poderia citar outras atrocidades da Igreja Romana, Hindu, Muçulmana e do próprio Judaísmo.

Frutos tem aspectos muito diferentes de folhas. As folhas são importantes, pois realizam a fotossíntese transformando a seiva bruta em seiva elaborada; subindo das raízes para para as folhas e fazendo o sentido inverso. A religião é a cultura, o aspecto social, o que se vê, na vida das famílias que frequentam uma Igreja. Mas ela pode estar totalmente distanciada do Cristo, como estavam os que administravam o sagrado no Templo de Jerusalém. O fruto da figueira em questão, são as ações cotidianas de um cristão que anda na presença de Deus. A presença de Deus é flor que desenvolve o fruto na vida dos que seguem, de verdade, o Cristo.

Não é pela cultura religiosa que agradamos a Deus. Não é apenas pelas boas obras que glorificamos a Deus. É muito mais que isto. Andar na presença de Deus tem um significado mais profundo: É fazer sempre aquilo que é da vontade de Deus. Muitos dizem que estão fazendo a vontade de Deus, principalmente os radicais de todas as religiões.

Qual é a vontade de Deus? Deus quer que conheçamos o Cristo. Que o aceitemos e que isto não seja às ocultas, mas diante da sociedade. Deus quer que não sejamos hipócritas. Aqueles que conhecem a verdade, mas vivem uma mentira. Ensinam a virtude, mas praticam o pecado às escondidas. Deus é santo, e quem quer viver na sua presença, deve abandonar os velhos maus hábitos, para se aproximar dele. Isto se chama: santidade. E para descobrir as arestas e aplainar as imperfeições é preciso ler e entender a Palavra de Deus, que está na Bíblia Sagrada. Apesar da imperfeição das Igrejas e do distanciamento da presença de Deus de muitos pastores e ministros cristãos, Cristo nunca ensinou o abandono à Igreja. Ainda é lá que se aprende os rudimentos e os aperfeiçoamentos pelo ensino da Palavra de Deus. Aprender a palavra, sem condescender com o pecado.

O início deste século encontrou a Igreja cristã com sérios problemas de joio, ervas daninhas no ministério, entre eles um pernicioso evangelho antropocêntrico, cuja mensagem atrai multidões com interesses nos benefícios da vida cristã, sem o compromisso com o Cristo. A inversão dos valores cristãos, o fim (a bênção) justificando os meios (religião).

Se Cristo viesse ainda hoje, ele não encontraria fruto em muitas vidas. Quando não há um desejo profundo de servir a Deus, quando não há uma consciência viva que nos diz: isto está errado! quando o culto na Igreja é apenas um evento comum, é sinal de que a presença de Deus está longe de nós. Quando procuramos por Deus (como os que seguiam Jesus pelos pães) unicamente atrás de bênçãos materiais, algo está errado. Quando enviamos ofertas, interessados em bênçãos, para atender conversa fiada de pastores com seus projetos de "SEMENTES" estamos nos enganando a nós próprios.

O que pode acontecer? A bênção chegar, mas a presença de Deus, não. Quando damos ouvidos a "evangelhos" de homens reprovados diante de Deus, à medida que o tempo passa, ficamos mais frios na fé. Ficamos tristes dentro da Igreja e não sabemos porquê. Falta alguma coisa e não descobrimos o quê. Sabe o que falta? Falta abrir a porta para o Cristo, que ficou de fora. Falta o Espírito de Deus em nossa vida. É isto que o "evangelho da prosperidade" traz. Cristão ricos de bênçãos, mas pobres da presença de Deus. A angústia , o vazio espiritual, a frieza de muitos cristãos no presente século é um sintoma de esterilidade.

Esterilidade por um problema de semente. Certa vez comprei uma manga enorme na Avenida Paulista. Guardei a semente, plantei, e depois levei a muda para o sítio de meus pais. Em poucos anos estava uma árvore frondosa e começou a florescer. Floresceu por anos seguidos. Era a mangueira mais florida entre todas as outras. Mas vingavam três, quatro frutos, que rachavam e caiam. Fiz como na parábola: adubei generosamente, mas nada. Porque não produzia um fruto sequer, derrubei-a com machado. Eu arranjei uma semente errada; ela parecia igual às outras, talvez até mais bonita, mas quando chegou o tempo de ver os resultados: era completamente estéril. Assim também pode acontecer com quem teima em seguir falsos líderes e falsos profetas, em algum tempo da vida, a presença de Deus irá embora, e você vai ficar frio e vazio.

Esterilidade por falta de cuidados. Foi por isso que o vinhateiro pediu uma segunda chance para a figueira. Se alguém congrega em um lugar e começa a ver que a própria vida espiritual está indo pelo ralo - atenção! Observe bem sua Igreja. Ela possui um gerente como pastor ou um homem de Deus amoroso que cuida bem do rebanho? Não se iluda com templos majestosos. A diferença entre o pastor-gerente e um homem de Deus, é pela respostas de oração. Há ministros que quando oram o Senhor ouve e abençoa a vida da ovelha. Quanto à oração do outro, Deus nunca ouve. É a última coisa que se deve fazer, mas se você congrega em um lugar que não dá a mínima para a vida espiritual de seus membros, já não funciona mais como Igreja.

Esterilidade por falta de compromisso. Deus disse para Salomão, que Davi tinha o desejo de construir um Templo para morada de JEOVÁ, o Deus de Israel. Deus não permitiu, mas se agradou de ver aquele desejo no coração de David. Assim também, quando o Espírito de Deus vem sobre a vida do cristão, ele precisa manter a chama da fé e do compromisso com Deus acesa. No dia que o Senhor vier e olhar no seu coração e não achar nenhum desejo, nenhum compromisso, só religião (folhas) e cuidados desse mundo, sua vida espiritual pode ser apagada. De tanto o Espírito Santo insistir, e você não se mexer, o entristecimento dEle com suas atitudes vai fazer brotar a insatisfação, a murmuração e o vazio. A frieza espiritual é o sinal da ausência do Espírito Santo.

E a coisa mais triste deste mundo é um cristão que saltou e cantou alegre diante da presença do Senhor, e hoje é apenas cinzas de tristeza. Não fique inativo diante de Deus. Ore, contribua, ensaie, cante, louve, se é rico contribua generosamente para missões. Descubra que está passando por necessidades na sua Igreja. Faça alguma coisa, para glorificar o nome do Senhor antes que o vinhateiro diga ao Dono da Vinha: Senhor, eu escavei, adubei, redobrei os cuidados, mas não apareceu nenhum fruto naquela figueira.

Então, o Dono da Vinha vai dar a ordem: Corta-a!


Sorocaba- 05.09.2010








Um comentário:

Volta Cristo disse...

Site òtimo, gostei demais, tudo isto para a Honrra e a Glória de Jesus, visite tb: www.voltacristo.com e siga-nos..que Deus vos abencoe..abraços..