sexta-feira, agosto 06, 2010

A síndrome de Salomão

.
João Cruzué

Que paradoxo é empenhar uma vida inteira em projetos grandiosos e depois de muitos anos de sacrifício, o conquistador pára, olha, e de repente uma sombra de tristeza invade sua alma. Em poucos segundos, aquilo que tinha tanta importância, motivo de tanto orgulho muda rapidamente diante de seus olhos e você descobre que tudo aquilo não lhe traz mais nenhum contentamento. Estranho este nosso jeito de querer e se aborrecer. Exatamente assim foi o que experimentou o Rei Salomão e deixou escrito no livro de Eclesiastes.

"Fiz para mim obras magníficas; edifiquei casas, plantei vinhas. Fiz para mim hortas e jardins e plantei árvores de toda espécie de fruto. Fiz para mim tanques de águas, para regar com eles o bosque em que reverdeciam as árvores. Adquiri servos e servas e tiver servos nascidos em casa. Também tive grandes manadas de gado e ovelhas, mais do que todos os que houve antes de mim em Jerusalém.

"Amontoei também para mim prata e ouro, e jóias de reis e das províncias. Provi meu de cantores e de cantoras, e das delícias dos filhos dos homens, e de instrumentos de música de toda sorte. E engrandeci-me e aumentei mais do que todos os que houve antes de mim em jerusalém. Perseverou também comigo minha sabedoria."

"E tudo quando desejaram os meus olhos não lhos neguei, nem privei o meu coração de alegria alguma, mas o meu coração se alegrou por todo o meu trabalho, e esta foi a minha porção de todo o meu trabalho. E olhei para todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também para o trabalho que eu, trabalhando tinha feito e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito."

E por que será que depois de tudo veio a frustração? Bom, se você leu os textos compilados já deve ter percebido quantas vezes foi citado a frase: PARA MIM! Ele deve ter se frustrado porque quando seu egoísmo passou e a "ficha" caiu, percebeu que tudo que tinha feito apenas para se próprio foi como o fumo da luz de uma vela que se apaga.

Assim também tenho certeza que em meus dias a decepção com as conquistas de uma vida inteira é simplesmente real. E não pode ser diferente, quando se corre apenas atrás de coisas "só para mim". A visão que Salomão teve há quase 3.000 anos ainda se repete com muita frequência porque os castelos construídos com areia do egoísmo logo desmoronam e se apresentam como nada ante os olhos de seus donos.

Em um país onde a desigualdade social chega a ser pior que o Haiti, é um pecado ver tantos "conquistadores" que desperdiçam uma vida inteira correndo atrás de coisas "só para mim" e não conseguem ver que ali bem perto deles existem seres humanos procurando migalhas de pão caídas de mesas fartas e contas bancárias recheadas.

Imagino depois de velhos não tenham mesmo contentamento algum!



.


3 comentários:

DÃO caricaturas disse...

GLÓRIA Á DEUS POR ESSA PALAVRA,TENHO PENSADO EXATAMENTE DA MESMA MANEIRA NO QUE DIZ ARRESPEITO DA DESIGUALDADE SOCIAL,E ÁS VESES ME PERGUNTO!(POR QUE?),,..POR QUE? ESSAS COISAS ACONTECEM,EMBORA JA SABENDO DA RESPOSTA PRA ESSAS COISA QUE ESTA NA PALAVRA DE DEUS.O MEU INTERIOR CONTINUA FASENDO A MESMA PERGUNTA POR QUE?..
VOU CONTINUAR FASENDO O QUE POSSO FASER DIANTE DA SITUÇÃO QUE ORAR...ABRAÇO GRANDE E PARABÉNS PELO BLOG..


DÃO CARICATURAS.

CAIO disse...

PAZ DO SENHOR OLHA CRISTÃO TD BOM COM VCS ????

PAZ

Jaime Alves disse...

Temos vivido uma época onde o egocêntrismo tornou-se ferrenho, e o que mais me intristece é ver muito de nossos formadores de ideia fazendo uma apologia exagerada a esta tal de teologia da prosperidade.
Não sou contra ela, também não sou a favor, apenas acho que é um tremendo desfavor a simplicidade da
hegemonia do evangelho...