domingo, março 14, 2010

Uma boa consciência e cargos religiosos

.
Entardeder na Galiléia
João Cruzué

Se você tivesse diante de um processo de escolha difícil, qual caminho tomaria: socorrer um ente querido ou investir apenas no ministério pastoral? Não tenho nada de tão importante assim em vida, para que venha influir na vida de alguém, mas julguei conveniente escrever algumas linhas para dizer que oportunidade não voltam se fizermos escolhas erradas contrariando a voz do Espírito Santo.

Em meados de 2000 eu estava à frente de uma congregação com mais de 100 almas. Deus era comigo, ajudando-me muito no cuidado ministerial. Pela mesma ocasião minha mãe começou a ter sérios problemas de saúde mental. Eu pedi uma licença de seis meses ao Pastor Setorial para cuidar do assunto. A princípio ele não se agradou, mas Deus disse-me que seria bem-sucedido. E eu tinha chegado ao limite, antes de conversar com ele. E o fato interessante era que ao dobrar o joelho para orar, minha consciência se apresentava nítida enquanto marcava em brasa o meu coração com o nome de minha mãe.

Eu fui substituído. Conversei com a família e, durante dois anos, mês sim, mês não, eu viajava 900 km, para fazer companhia a minha mãe. Diante dos colegas de ministério eu fiquei com uma mancha. O julgamento deles era diverso do meu. Achavam que primeiro vem o ministério e depois o resto.

Dez anos depois, ainda continuo analisando minha escolha. Descobri que não valia a pena pensar como eles. Perdi o interesse de andar com eles, pois a mim pareceu-me que não estavam dispostos a sacrifícios pela família. Eu não desisti do ministério, mas o Senhor é Senhor do meu tempo, da minha vida e sabe do propósito para o que me criou.

O que aconteceu nestes dez anos? Bom, seis meses depois de estar cuidando de minha mãe, comecei a coletar literatura para enviar para as igrejas do cárcere nas Penitenciárias do Estado de São Paulo. Durante dois anos e meio, coletei e enviei pelo correio mais de 500kg de revistas usadas de Escola Dominical, sempre acompanhadas de algumas Bíblias. Em 14 de julho de 2003, o Senhor pos fim a 11 anos de desemprego, quando abriu-me as portas para ser o contador da Autarquia Hospitalar do Campo Limpo. Trabalhei seis anos ali. Não consegui resolver todos os problemas de minha mãe, mas ela melhorou bastante, e se sentiu bem mais segura.

No final do ano passado, recebi um telegrama em minha casa solicitando minha presença no Tribunal de Contas do Estado de São Paulo para assumir uma vaga conquistada em concurso. Data do concurso 11.12.2005. Quase quatro anos. Mudei de emprego e passei a ganhar um dos melhores salários do Estado.

Eu não contei toda a história. Tive um grande prejuízo por causa de um negócio com outro familiar. Perdi seis terrenos comprados e pagos para esta pessoa. Na época do desemprego a venda desses imóveis livraria minha família das grandes dificuldades que passamos. Eu perdoei o prejuízo e coloquei a causa nas mãos de Deus, sabendo que mais o Senhor tem para dar do que o diabo para carregar!

Examinando o passado e principalmente as duas escolhas mencionadas, percebo que meu coração está em paz. Eu não sei se foi por ter feito as escolhas certas que o Senhor colocou em minhas mãos um cargo de auditor no Tribunal. O que sei é que não tenho nada em meu coração que me faça envergonhar das atitudes que tomei. Elas me custaram muitas feridas e muitos mal-entendidos, mas no final de tudo eu percebi que se não fora Jesus ao meu lado eu teria ficado sozinho.

Mas é melhor ficar sozinho e ter a presença de Jesus do que um ministério de fachada. Acho que é uma grande hipocrisia ensinar amar ao próximo do alto de um púlpito, enquanto abandona pais, mães e a família à própria sorte. Isso é loucura, que nossos filhos, dias mais tarde, vão lançar em nosso rosto.

Se assuntos dessa natureza também estão fazendo parte do seu dia a dia, eu creio que uma consciência em paz com Deus é muito mais valiosa. Mais que uma posição eclesiástica conquistada a preço da negligência, da omissão envolvendo um ente familiar. O preço pode não ser suficiente para comprar a sua própria consciência.








6 comentários:

Anônimo disse...

Muito edificante este testemunho, temos que lembra de que a obra de Deus se faz em todas as partes de nossas vidas. A família é uma grande benção de Deus, por isso, não demos ser negligentes quanto a isso.
Agradeço a Deus João, pelo seus testemunhos, pois Deus tem falado comigo através deles.
Deus abençoe você e sua casa.

Elderson

Ramiro de Oliveira Machado disse...

"E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição. Porque Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe; e quem maldisser, ou o pai ou a mãe, certamente morrerá. Vós, porém, dizeis: Se um homem disser ao pai ou à mãe: Aquilo que poderias aproveitar de mim é Corbã, isto é, oferta ao Senhor;
Nada mais lhe deixais fazer por seu pai ou por sua mãe,
Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas." Marcos 7.9-13

Fique tranquilo Pastor o senhor prcedeu conforme a Palavra de Deus.

Ruy Cavalcante disse...

"Aquele que não cuida dos seus, especialmente os da sua familia, tem negado a fé e é pior do que o incrédulo" (I Tm 5:8).

Infelizmente isso aconteceu com uma vizinha, amiga da familia desde o meu nascimento. Ao se converter, esqueceu a familia e se "entocou" na igreja. Hoje perdeu o marido para outra mulher, um filho para as drogas e outros, apesar de saudáveis, não tem se esforçado muito para serem relevantes, sequer estudaram.

Jota disse...

João pela primeira que acesso seu blog e já dou de cara com uma postagem dessas parabéns. Com certeza creio que o Senhor Jesus Cristo nosso Salvador esteve contigo em todas as suas decisões, como poderia você deixar de lado os de casa... com que cabeça iria dirigir uma congregação não iria fazer bem nenhuma das 2 coisas... Meu humilde pensamento é em
1º lugar Deus ,
2º Conjugue,
3º Familia,
4º Trabalho e
5º Vem a Igreja...
como iria a igreja existir sem os itens acima dela.

Que Deus te abençõe e que a paz do Senhor Jesus esteja sempre contigo.

lery disse...

Parabens irmão, pela sua decisão, mãe é mãe, Jesus não iria gostar que a tivesse abandonado, pois ele é o protetor da família, e se sua mãe chegasse a falecer? seria pior, ficaria com sentimento de culpa e por esta decisão Deus lhe honrrou e deu a vitória, e pode esperar mais benção, pois nosso Deus é grande. Talvez aquele Ministério não fosse o lugar preparado por Deus para o irmão, Já pensou nisso? Deus abençõe hoje e sempre.

francisco disse...

parabens pastor


O Senhor postou :

O julgamento deles era diverso do meu. Achavam que primeiro vem o ministério e depois o resto.



ISSO me chamou muito atençao fico imaginando como um obreiro conhecedor da palavra colocar o ministerio acima da misericordia para com um familiar? Seria mera falta de conhecimento biblico ou pura falta de misericordia ? como dise paulo aquele nao cuida dos seus é pior do que o incredulo!