domingo, março 14, 2010

O cumprimento das promessas do Salmo 23 em minha vida

águas tranqüilas

autor: João Cruzué

O Salmo 23 é um dos capítulos mais conhecidos e amados da Bíblia Sagrada. Posso ver nele palavras de lindas profecias que se cumpriram no passado, continuan se cumprindo no presente e cumprir-se-ão também no futuro na vida daqueles que se aproximam do Deus. Entre tantas coisas belas que posso ver nele, existem sete promessas para o nosso dia a dia.

O autor dessas promessas é o Senhor Jeová.

Quando você aceita Jesus como Salvador de sua alma e Senhor da sua vida, você muda de senhorio e de posição diante de Deus. Assim como no Brasil, para ter uma existência civil é necessário o Registro de Nascimento, a Bíblia também ensina, no primeiro capítulo do Evangelho segundo João, que a todos que receberam Jesus em seus corações pela fé, foi dado o direito, por Deus, de ser registrados como filhos de Deus, no Livro da Vida. A esses, o Salmo 23 declara a primeira promessa: de que o Senhor é o Pastor pessoal, atendo a suas necessidades. O Senhor Jesus, o nosso Pastor, sabe o que está passando com você e comigo.

Faltando poucos dias para encerrar o longo período de desemprego por que passei, de 1992-2003, pude experimentar isso bem de perto. Eu estava passando por um mar revolto e o Senhor entrou no barco e me levou para as águas tranqüilas. Em março de 2003 eu estava no sítio concluíndo o plantio de 160 covas de bananeiras, a maioria delas da variedade maçã. Março, na Região do Vale do Rio Doce, significa o fim das chuvas de verão. Ao terminar o plantio delas, um irmão da Igreja Presbiteriana e eu oramos e agradecemos a Deus, como é de costume.

Então, uma chuva caiu moderadamente sobre a superfície da terra seca. Contudo não a molhou completamente. Vi naquela chuva, justamente no final do trabalho o cuidado de Deus. À noite, quando fui me deitar, às 8:00h, assim que pus os joelhos no chão antes de dormir, caiu outra chuva, exatamente quando comecei a orar. Então veio a minha alma uma oração bem humorada: Senhor, por duas vezes hoje já choveu moderadamente. Entendendo eu que o Senhor estava alegre e provocava uma oração mais ousada de minha boca, com muito bom humor orei assim:

--Senhor, eu posso amanhã gastar a metade do dia indo de uma a uma daquelas 160 covas de bananeiras e aguá-las. Mas, já que o Senhor está insistindo, vou orar difente: se queres mesmo molhar aquela terra, então envia uma chuva de verdade, 10 vezes mas forte que estas, pois aí vai molhar de uma vez!

Em meio à madrugada acordei com um barulhão forte no telhado da casa assobradada. Grandes goteiras caiam das telhas na calçada, e no outro dia havia sinais de enxurrada por todos os lados. Molhou mesmo.

Então entendi o significado do cuidado, do amor que Deus tem por nós. Se Ele insistiu em me mostrar que se preocupava em molhar simples bananeiras, era porque ele queria que entendesse que me amava e que estava cuidando de mim e da minha familia, durante todo os onze anos de desemprego.

Presença, cuidado, paz, segurança, vitória, compromisso e bondade. Sete bênçãos. Todas essas elas estão se cumprindo em minha vida.

Vim de uma família que não conhecia a paz. Meus velhos embora católicos, honestos, trabalhadores, eram muito materialistas e me xingavam muito. Um dia comecei a ter ataques epilépticos. Mãe, ficou horrorizada, pois toda família de meu pai tinha esse problema. Assim que entreguei minha vida para Jesus, aos 18 anos, fui curado dessa doença horrível. Quando permiti que Jesus entrasse de verdade em minha vida, a paz que eu não tinha veio completamente.

Eu descia a antiga Rua 10, do Jardim São Luiz - em 1975 - seguindo para meu trabalho onde hoje fica o Supermercado Extra da Ponte da João Dias. Descia alegre, feliz, como se flutuasse sobre a rua. A família estava endoidecida porque eu me tornara crente, mas eu não ligava muito para a raiva deles.


Importante: assim escrevi antes de novembro de 2009:
Uma parte
importante desse Salmo, o quinto versículo, ainda está por se cumprir na minha vida. Aquela que diz que o Senhor prepara uma mesa diante dos inimigos. Na verdade, posso dizer que não possuo inimigos na expressão literal dessa palavra. Mas, entendo que ao me tornar um cristão, deixei de perseguir os degraus da segurança financeira, da riqueza que a família de minha origem sempre julgou mais importante. Para eles, ao me tornar crente preocupei-me em demasia com o espiritual e deixei de correr atrás do que de fato a sociedade valoriza: a fama e a riqueza.

Aprendi uma coisa observando um atributo marcante na vida de Davi, antes de tomar qualquer decisão, ele orava e buscava a presença do Senhor para orientar-se. Eu não preciso de riquezas para conquistar mais paz, alegria, gozo, uma família firme na casa do Senhor - pois tudo isso já tenho. Mas por outro lado sei que Ele vai colocar-me atrás de uma mesa, e diante dela todos os difamadores, e murmuradores, e incrédulos, para mostrar a todos eles, não que o joão é alguma coisa, mas que o Deus do João é.

Assim como o João, você está prestes a receber de Deus o que tem buscado. O mesmo Senhor que mostrou-lhe o cuidado para com simples bananeiras vai enviar no tempo apropriado (breve) aquilo que falta a você. Creia nisso. Ele não descançará enquanto não lhe abençoar com todas as bênçãos prometidas, e seus difamadores ainda vão ter que dizer: como é maravilhoso o Senhor Jesus!

O que aconteceu depois de novembro de 2009: Fui convidado para fazer parte do time de contadores do Departamento de Contabilidade da Secretaria de Finanças do Município de São Paulo. Passe em duas entrevistas com o segundo e depois com o Sr. Secretário. Ele me deu as boas vindas. Mas, não fui para a Secretaria de Finanças. Em 14 de novembro recebi um telegrama do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, para assumuir uma vaga de auditor. Eu tinha feito um concurso em dezembro de 2005. Na prorrogação desse concurso, quase três anos depois, quando eu nem mais me lembrava dele, a bênção do Senhor me alcançou. E se cumpriu o versículo 5 do Salmo 23, porque, Graças a Deus por nosso Senhor Jesus Cristo - que me deu grande vitória. Hoje é 14 de março de 2010. Há três meses estou no TECESP, e tenho agradecido, todo dia, esta bênção que o Senhor graciosamente quis dar a mim.





autor: João Cruzué


.

3 comentários:

Daniel disse...

Muito bom esse post, assim como os outros.
Que Deus continue te abençoando cada vez mais!!
Abraços!

beta disse...

Olá!!! Me chamo Roberta

Acho que todos nós filhos de Deus passamos por grandes provações. E não diferente de você tenho passado por muiiitas, e por incrivel que pareça depois que aceitei a Jesus Cristo e comecei a segui-lo fervorosamente. Minha familia se voltou contra mim pela religiao, sao catolicos, os problemas apareceram com grande intensidade até chegar ao ponto de querer a morte, messmo. Pensei que ia morrer, de tantas dores. Hoje tenho 24 anos, trabalho, faço faculdade, a 02 anos me converti, e a cada dia, sorrindo, chorando, eu vou descobrindo mais desse Deus, meu criador, a cada dia mais. Quero que Ele me mostre mesmo o proposito que tem com minha vida, pq, acredito mesmo que grandes coisas Ele irá mover por amor de mim! Fico muito feliz e me fortifico mais quando ouço testemunhos como o seu. Parabens! Deus tem um proposito pra toda dor e sorriso.
Abraços E a paz do Senhor!

João Cruzué disse...

.

Oi Beta,

Quando me converti, minha mãe veio a São Paulo com o propósito de exigir que eu jogasse minha bíblia fora. Eu recusei. Dois anos depois eu voltei para casa, e ela e meu pai se amarguravam muito de que eu tivesse deixado a Igreja Católica. Chegaram ao ponto de "pedir" que eu saísse de casa. Eu Saí.
Mas nunca guardei amargura por isso. Apenas fui orando.
Doze anos depois minha mãe se converteu. Esperei mais dois anos e meu pai também aceitou Jesus. Olha, como disse o apóstolo Paulo, que as tribulações desta vida não se podem jamais comparar com o gozo e glória que experimentaremos na outra vida. Mas, em grande parte dos casos este gozo é aqui mesmo. Eu nem posso imaginar qual preço de ver pai e mãe aceitando a fé em Cristo, tendo passado mais da metade da vida no catolicismo mariano.

Eu estive no fundo do poço, mais Jesus deu-me vitórias tão grandes, que não posso pagar, nem sei como agradecer direito.

E o mesmo vai acontecer com você se continuar firme, orando, e perdoando.

Em Cristo,

Irmão João.






.