quarta-feira, fevereiro 24, 2010

PLC 122 na Comissão de Direitos Humanos do Senado em 2010

.
Senado Federal


Tramitação do assunto PLC 122/2006

Atualizado para 03.10.2010

11/08/2010 - CDH Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa
Anexei ao processado OF.nº 536-P da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, Deputado Helder Valin, Presidente, e cópia anexa da proposição nº 1.155 de autoria do Deputado Mauro Rubem, aprovada em sessão realizada pelo Plenário da Assembleia Legislativa de Goiás, solicitando apoio à aprovação do PLC 122 de 2006.


Histórico tramitações anteriores:

25/11/2009 - CDH Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa
Recebido nesta data Requerimento para a realização de audiência pública, de autoria do Senador Magno Malta, para instruir a presente matéria.

02/12/2009 - CDH Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa
Recebido nesta data Requerimento de autoria do Senador Marcelo Crivella e outros Senhores Senadores, para realização de Audiência Pública para instruir a presente matéria.

08/12/2009 - CDH Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa
Recebido nesta data Requerimento, de autoria do Senador Arthur Virgílio, em aditamento aos dois Requerimentos anteriores, para inclusão no rol de convidados da Audiência Pública do nome de Luiza Cristina Fonseca Frischeisen, Procuradora-chefe da Procuradoria Regional da República da 3ª Região (Estado de São Paulo) e atual coordenadora do Grupo de Direitos Sexuais e Reprodutivos da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão.

04/02/2010 - CDH Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa
Aprovados os Requerimentos nº 01, 02 e 03-CDH, de 2010, para realização de Audiência Pública, de autoria dos senadores: Marcelo Crivella, Magno Malta e Arthur Virgílio, respectivamente, com a finalidade de instruir a matéria. Matéria sobrestada, aguardando realização de Audiência Pública.


Pesquisa de João Cruzué 03.10.2010


MOVIMENTAÇÃO ANTERIOR.

18/11/2009 - 18h38

Notícia de nov.2009

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) decidiu nesta quarta-feira (18) adiar a decisão sobre o substitutivo da senadora Fátima Cleide (PT-RO) a projeto da Câmara dos Deputados, que pune com pena de um a três anos de prisão a discriminação contra pessoa idosa ou com deficiência e ainda em razão da orientação sexual. O acerto foi para que o texto (PLC 122/06) só seja votado depois da realização de audiência pública.

O debate será mais uma tentativa para se chegar a um consenso em torno do conteúdo da proposta, motivo de controvérsia nos últimos dias, tendo sido inclusive objeto de fortes discursos em Plenário. O presidente da CDH, senador Cristovam Buarque (PDT-DF), concedeu pedido de vista coletiva, para abrir espaço para o debate.

Os críticos do projeto argumentam que, se ele for aprovado, pais e líderes religiosos podem até ser presos por dizer que a homossexualidade é pecado. Na reunião, com grande presença dos membros da comissão, a relatora sustentou que as reações ao projeto levam em conta o texto que saiu da Câmara dos Deputados, e não o seu substitutivo, segundo ela com redação mais simples e objetiva e que atende às diferentes demandas.

A relatora reafirmou, no entanto, a necessidade de medidas para punir condutas que apresentam a intenção explícita, motivada por preconceito, de vitimar pessoas. Segundo ela, essa situação ainda permeia o dia-a-dia de milhões de brasileiros, atingidos em seus direitos básicos, até no direito à vida. Em relação aos homossexuais, ela afirmou que a intolerância é evidente e deixou como saldo, somente no último ano, de 122 assassinatos.

- Se essas vidas não importam, nós poderemos dizer que não existe homofobia no país - declarou a relatora.

Pelo texto do substitutivo, a lei que define e pune atos de preconceito de raça ou de cor (Lei 7.716, de 1989), e que também aborda a intolerância em razão da etnia, religião ou origem, passa a também tratar da discriminação contra pessoa idosa ou com deficiência, por orientação sexual, sexo ou identidade de gênero. Em relação ao projeto da Câmara, houve a inclusão dos idosos e das pessoas com deficiência.

Um dos artigos prevê pena, de um a três anos, para quem impedir, a pessoas desses grupos, o acesso ou recusar atendimento em restaurantes, bares ou locais semelhantes abertos ao público. Outro dispositivo fixa a mesma pena a quem impedir ou restringir a expressão e a manifestação de afetividade em locais públicos e privados abertos ao público entre pessoas desses mesmos grupos.

O dispositivo que mais preocupa os parlamentares opositores ao projeto é o que define pena de até três anos de prisão para quem praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceitos semelhantes. Depois de observar que os livros sagrados de diversos credos condenam o homossexualismo, o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) avaliou que, nos termos previstos no projeto, os religiosos estariam impedidos de fazer qualquer menção a isso.

- Eu não posso ensinar o que está na Bíblia a alguém de minha igreja? Serei proibido? O texto diz que o homossexualismo é uma abominação, mas estarei incitando o ódio se fizer tal menção? - indagou Crivella.

Clareza em questão

Já no início da reunião, o senador Magno Malta (PR-ES) afirmou que o substitutivo havia sido aprovado antes na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) de maneira "inexplicável", tendo sido colocado em votação sem divulgação e acordo prévio, o que foi negado pela senadora Fátima Cleide. Tanto ele quanto Crivella fizeram questão de assinalar que são contrários à discriminação contra os homossexuais. A discordância seria apenas com relação à falta de clareza da proposta, que daria margem a interpretações e punições exageradas.

- Não adianta tentarem passar o recado de que somos homofóbicos, pois não somos - reagiu Magno Malta.

Serys Slhessarenko (PT-MT) concordou com o novo debate, contanto que depois disso o projeto não permaneça engavetado. Conforme a senadora, o país precisa avançar no combate à intolerância e à violência contra os homossexuais. Na defesa do substitutivo, Patrícia Saboya (PDT-CE) leu artigo assinado pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), em que ele destaca que o Brasil está no quinto lugar no ranking da homofobia, com os mais de cem assassinatos de homossexuais. De acordo com o ministro, os homossexuais pagam impostos, votam, sujeitam-se a normas legais, mas, ainda são "vítimas de preconceitos, discriminações, insultos e chacotas".

O senador Valter Pereira (PMDB-MS) condenou a discriminação e apontou avanços no substitutivo, mas considerou que ainda há pontos muito subjetivos, que demandam ajustes. Para Mão Santa (PSC-PI), o projeto em exame é desnecessário, pois a Constituição e a legislação penal já oferecem recursos para a defesa jurídica das pessoas que se sintam ofendidas por atos de discriminação.


Comentário (fev.2010) no jogo democrático as ações políticas contam mais que reclamações e ofensas. Entre 81 senadores, cabe notar a participação ativa de três Senadores: Magno Malta, Marcelo Crivela e Arthur Virgílio. Este ano tem eleição para dois senadores em cada Estado. Não dê seu voto apenas pela simpatia do candidato, seja mais exigente. Descubra se ele tem legítimos compromissos cristãos. A consciência disso é crucial. Se você votar em qualquer um, pode ter uma surpresa nos próximos oito anos. Por exemplo: ser obrigado a realizar casamentos homossexuais na sua Igreja - na marra! Lembra daquele juiz que mandou derrubar a porta de uma Igreja Batista em Goiânia? Pois é, olho vivo em quem você vai votar em 2010. João Cruzué.

Nota: E quando chega os meses que antecedem as eleições esses políticos, inimigos da Igreja Cristã, aparecem disfarçados entre os crentes para colher votos, e depois de eleitos, dão uma banana para a Igreja. Acho que a Igreja ainda padecem de ensinamentos de como exercer a política, sem praticar a policagem.

.




2 comentários:

Marisete disse...

Ainda bem que existem pessoas como o senhor para alertarnos sobre tais assuntos.
Que deus o abençoe sempre!
um abraço

AGUIA/LUZ - O MENSAGEIRO disse...

Osmar Freitas
Graças a Deus temos este espaço para expressar nossa opinião. Tudo esta no controle soberano de Deus que é fiel e justo. Sua justiça e sua lei é diferente da Lei dos homens. Tudo que acontece e que esta por vir está na Palavra de Deus, está escrito diz o Senhor. Em nosso país muitos cristãos querem ser terrenos e celestiais ao mesmo tempo. Alguns preferem a afronta, a discussão, o debate, outros preferem orar, interceder, abençoar as autoridades. Uma coisa é certa parabéns aos que lutam e aos que oram. Se em nosso país não tivesse tanto mau testemunho no meio dos cristãos, pois são raros como exemplo o Senador Magnus Malta. Deus abençoe a todos e continuarei orando, e não criticando.