segunda-feira, agosto 31, 2009

Como lidar com a insatisfação dentro de uma Igreja evangélica

.
Olhar
O corvo e a águia
João Cruzué

Quem é que ainda não reclamou ou comentou sobre alguma coisa dentro da sua Igreja, principalmente, nos dias atuais em que há muitas novidades e mais liberdade de costumes? A insatisfação é como uma moeda de duas faces. Se você não tomar cuidado, pode entrar por um caminho perigoso e perder a alegria da sua salvação.

É muito comum voltar da Igreja para casa, hoje, com um "cesto" de assuntos não muito cristãos, para dizer o mínimo. Boa parte dos crentes não está indo à casa de Deus para adorar, senão para observar e colher as (más)novidades. Conscientemente ou não.

Quando saímos da posição de adoradores para "observadores" as coisas se complicam. Primeiro isso não agrada a Deus. Seria como uma oferta defeituosa. Acho mesmo que nem oferta seria. Veio à mente uma imagem: mãos vazias. Depois cultuar de mãos vazias, parafraseando a Bíblia, seria como enterrar o único talento. Talento enterrado. Adoração negativa. Sem pensar nisso você estaria ofendendo a Deus indo ao culto sem nada para oferecer; entristecendo o Espírito Santo.

Uma atitude crítica com respeito à vida dos outros. Do pregador, do pastor, da mocidade, das senhoras, das crianças. Do estacionamento, do banco pouco confortável, do secretário, do irmão das conversas paralelas durante o culto. Um arsenal completo não da armadura do cristão, mas do crítico anticristão. Quem se age desta maneira dificilmente vai perceber que se comporta assim.

É por isso que muitos de nós não têm mais prazer de ir ao culto. Não ouve mais a voz de Deus nada dentro da Igreja. Já entristeceu tanto o Espírito Santo, que não recebe mais nada. E não recebe nada por que não veio oferecer nada. Outra imagem de pregações antigas: um vaso de boca para baixo.

Antes de mudar de Igreja, seria muito bom fazer uma pequena anamnésia. Por que eu estou insatisfeito com minha Igreja? Tenho sido um adorador ou um crítico? Minha vida é um sacrifício vivo de adoração a Deus ou só penso em adorar quando vou ao culto? Como estou diante de Deus? Carrego de volta para casa depois do culto tudo o vi de ruim ou ocupo meu tempo comentando como foi bom o culto? Dependendo da resposta, mesmo que mude de Igreja sua insatisfação vai segui-lo/a. E aí?

Eu não creio que seja fácil mudar um comportamento crítico enraizado. Eu me humilharia diante de Deus e evitaria conversar sobre assuntos da Igreja DIUTURNAMENTE com pessoas com o mesmo defeito. Hoje, com tanta liberdade, e tantas Igrejas, e tantos pastores, uma doutrina mais ortodoxa afasta pessoas. Muitas coisas são relevadas e não há, talvez, uma preocupação em ensinar e repisar este assunto. Outra imagem volta a minha mente: a oferta de Abel e a oferta de Caim.

Caim caiu da graça e chegou ao ponto de matar seu irmão por um problema acontecido na adoração. Não sei que tipo de oferta os dois levaram. Mas um deles pensou que eliminando o irmão iria resolver o problema da oferta. E o problema não estava o irmão, mas na forma de cultuar de Caim.

E assim, por causa da insatisfação você pode fazer muitas coisas. Acho que entre todas elas apenas é a melhor. Resolva este problema em oração com o Senhor Jesus. Converse com Ele. Chore na presença Dele. Desabafe suas mágoas e mesquinharias com Ele. Se você fizer assim vai resolver a raiz de muitos males. Se você é cristão e anda insatisfeito com tudo, principalmente com a sua Igreja, tome cuidado. Os santos da sua Igreja são mesmo pessoas com um variado leque de defeitos. A palavra de Deus pode limpá-los, deletá-los. Pedro perguntou: Senhor, até quantas vezes devo perdoar meu irmão - sete vezes? Ao que Jesus respondeu: Não apemas sete vezes, mas 70 x 7 - 490 vezes - por dia!

A falta de perdão é como a louça suja que vai acumulando na pia, dia após dia. Da mesma forma que produz uma insatisfação insuportável chegar em casa e verificar que tem louça por lavar há mais uma semana, um coração que tenha o mau hábito de guardar e comentar tudo o que de ruim se passa na Casa de Deus vai acabar mesmo muito insatisfeito, vazio do Espírito. Um vaso sujo, que precisa ser limpo pelo melhor bombril que existe: o perdão do Senhor Jesus Cristo.

Não dê "mole" para a insatisfação. As vítimas podem ser você e sua família.



.

6 comentários:

Tia G disse...

Prezado irmão João, concordo em gênero, número e grau. O homem é falho, mas nosso foco deve ser Jesus Cristo. Eu me afasto das pessoas que tem este mau hábito. Meu lema é: Se não vai agregar, não tumultue. Deus o abençõe! Irmã Jemima

Deus é fiel disse...

Paz irmão!
Tenho visto esse tipo de comportamento e confesso que tenho lutado pra não cair nesse erro...
Não devemos falar do cisco no olho do irmão tendo uma trave no nosso.(Mt.7:3)Mudar de igreja não vai melhorar em nada,temos que cuidar do nosso vaso pra deixá-lo sempre limpo e receber o perdão do Senhor.
Um abraço!

ismael disse...

Paz do Senhor!!!!

Sem dúvida alguma esra é uma triste realidade que cada Igreja conhece. Muda-se apenas o endereço e talvez o nome da denominação.
Meus parabéns pelo excelente artigo que Deus nos desperte para esta triste realidade e busquemos um novo tempo (de preferencia o principío da nossa fé) e possamos exclamar as palavras do profeta Eliseus aos seus companheiros quando lhe perguntaram sobre a tomada de Elias: CALAI-VOS, CALAI-VOS.

Pr. Ismael de Souza Alves
Vosso Conservo

Alessandra disse...

É incrível como,explicada de maneira diferente,esta palavra tem muito a ver com a postagem ''discutindo a relação'' de meu blog Alessandra Barcelos''.Paz seja contigo,até logo!

Reinaldo Carlos da Silva disse...

com certeza devemos perdoar, e suportar as fraquesas de nossos irmãos.

Viík disse...

Irmão, eu sou assim, mas realmente detesto isso! Não consigo me livrar de criticar os outros, e julgo todos que fazem coisas que não estou de acordo.
O que devo fazer?