quarta-feira, abril 15, 2009

Como as Assembleias Deus vão sair da 39ª Convenção em Vitoria-ES


Atualizado para 23.04.2009


CGADB-2009

João Cruzué

Em atenção aos leitores assembleianos deste Blog, desejei escrever, hoje, dia 15 de abril de 2009, algumas linhas para expressar minha opinião sobre este grandioso evento, que com certeza levará as ADs definitivamente ao Século XXI, independentemente de quem vier a liderar a Convenção pelos próximos quatro anos. A mudança não vai acontecer - ela de fato já aconteceu. A Convenção vai chamar a atenção para essas mudanças.

Pela segunda vez, em dois anos, está acontecendo uma atividade política religiosa, a meu ver saudável enquanto respeitosa e limitada ao campo das idéias. Sim, novas ideias é tudo que uma grande Igreja com a Assembleia de Deus precisa para continuar na liderança do processo de evangelização da nação brasileira. Pastor José Wellington Bezerra da Costa e Pastor Samuel Câmara, neste momento dividem as opiniões e as emoções dos ministros assembleianos. Que vença aquele que for melhor, dentro da vontade do Senhor, para o bem da Igreja.

Vi como uma agradável surpresa, a prorrogação do prazo de inscrição para que as irmãs, esposas de ministros, possam também participar do evento. Eventualmente, isto pode ter acontecido outras vezes, mas de minha parte, vi somente agora. Louvo esta atitude, pois tenho opinião diversa do conservadorismo desta Igreja. Na minha opinião, homens e mulheres são iguais perante Deus, e é um desperdício de ministérios manter a velha ordem de que o púlpito é um lugar privativo de homens. Creio que Deus, a cada época, fala através de seu Espírito e estabelece a sua vontade entre a humanidade. A escravidão que antes era biblicamente tolerada, foi defenestrada pelos ingleses há dois séculos. Era vergonhosa, embora defensável biblicamente.

A segregação racial nos Estados Unidos até Martin Luther King, inacreditavelmente liderada por evangélicos, também foi uma mancha na história da Igreja, que mudou sua forma de pensar e melhorou. A Igreja Assembleia de Deus no Brasil, pelo menos até agora vem se destacando como o "bastião" mundial na "obediência" bíblica por não considerar o direito do ministério de mulheres. Coisa que a Coréia do Sul, um país culturalmente machista, já considera (e foi muito bem sucedido) há mais de 40 anos.

Desprezar o ministério feminino é o mesmo expor perante a sociedade do 3º Milênio é o mesmo que dizer que a mulher seja um ser humano inferior, de ser criado para ser inferior ao homem.

Fecho este assunto afirmando que as Assembléias de Deus do Brasil tem desperdiçado milhares de ministérios femininos por puro preconceito, baseado em sofismas, da mesma forma que foi preconceituosa e sofismática com os Seminários Bíblicos, com o uso do radio, o uso da TV. É certo que não devemos mudar os trilhos ao primeiro vento de mudança, mas há mudanças e Mudanças. Se a Igreja ficar fora do contexto cultural de sua época, ela simplesmente deixa ser eficiente como portadora de Boas Novas da reconciliação do homem com Deus, para ser uma instituição arcaica. E não estou falando de racionalizar com o pecado. Romper com o judaísmo dos ritos de sacrifícios de animais, para estabelecer o cristianismo baseado na remissão dos pecados pelo sangue de Cristo, isto sim, foi uma mudança radical.

Depois de ter abordado a questão feminina dentro do contexto das Assembleias de Deus, pois há mulheres e MULHERES, assim como há homens e HOMENS, vejo com bons olhos uma bipolarização das lideranças da Igreja para esta 39ª Convenção. Isso eleva a temperatura e o pensamento entre as lideranças da Igreja. De certa forma as Assembléias de Deus se assemelham muito ao sistema de governo democrático dos Estados Unidos. Ela cresce, e ainda é a maior denominação evangélica do Brasil, por causa da autonomia de seus Pastores. Não há uma liderança única, controladora. Não há um cabresto curto que force todos a seguir pelo mesmo trilho. As Assembléias de Deus crescem porque, apesar de todos seus defeitos, dá autonomia e espaço para trabalhar. Seu ensino é excelente. Embora ame de todo meu coração o grande Pastor que é o irmão José Wellington para o bem da Convenção Geral a alternância da liderança maior de tempos em tempos é melhor para a Igreja. Isto vai dar oportunidade a que grandes homens de Deus possam também deixar sua marca na administração da Convenção da Igreja além de reduzir a desunião.

O medo não é o melhor conselheiro a ser ouvido em decisões que envolvam o destino da Igreja. Sonhos e visões, sim. Que cada ministro decida o destino da Convenção da Igreja sonhando com uma Igreja forte, ativa, envolvida, respeitadora, incentivadora, perfeitamente sintonizada no contexto da História, única e exclusivamente focando a mensagem do Evangelho e as almas dos perdidos sem Cristo.

Sobre contexto digital de nossa época, também tenho algo a dizer. É constrangedor ver o mundo inteiro tirando o máximo da Rede Mundial de Computadores, popularmente chamada de Internet, enquanto minha Igreja tem desprezado este recurso, muitas vezes rotulando-o de veículo de pornografia e prostituição. Quando abro o site FGTV da Igreja Coreana, liderada pelo Pr. Cho, e vejo cultos sendo transmitidos interruptamente em para o mundo em oito idiomas diferentes, eu coro de vergonha, pois aqui no Brasil temos muito pouco, a não ser as raras exceções dos Gideões Missionários da Última Hora e do Pr. Silas Malafaia. Enquanto isso, a Igreja Católica não perde mais tempo: o Papa pessoalmente está envolvido para que a mensagem do catolicismo mariano atinja os 2.000.000.000 (dois bilhões) de pessoas que usam c0mputadores em todo o mundo.

Ficar fora da WEB, hoje, significa negar a palavra de Deus a uma geração de crianças, adolescentes e jovens de todas as partes do mundo que já navega neste mar digital e não vai mudar de pensamento para seguir o be-á-bá das lideranças mais conservadores das Assembleias de Deus. Neste contexto, não há volta. Se a Igreja se posicionar contra, vai ficar falando sozinha, do mesmo modo que ficou a reboque quanto à TV - que ontem condenava, mas que hoje está usando. Erros de visão e de estratégia. Neste ponto, como administrador da maior comunidade de blogs evangélicos do Brasil, posso dizer que as pessoas comuns estão adiante dos ministros de suas Igrejas, que suponho, ainda estejam presos às formas mais antigas de comunicação.

Antes de concluir, vou comentar sobre o Projeto Brasil da Igreja para se fazer representar nas Casas de Leis de nosso país. Modestamente, quero opinar que existe um grande erro de estratégia. É público e notório que a taxa de crescimento da Igreja Evangélica brasileira caiu nestes últimos cinco anos e que o "evangelho" da prosperidade não sustentou o crescimento da Igreja. Aliás, nos últimos anos tem trazido má fama para os pastores evangélicos diante dos olhos da sociedade. E o que a sociedade pensa deles? Pensam que são lobos exploradores da fé de pessoas cujas mentes são lavadas em vez de evangelizadas. Isto, não sou em quem diz, mas a voz que ouço das ruas.

Pastores honrados e com grande história de vida e contribuição para a Igreja estão sendo mal vistos e rotulados com o mesmo preconceito destinado aos "expertos" que salivam atrás do bolso dos fiéis. Isto é injusto e deplorável, mas não pode ser escondido: a conta do "evangelho da prosperidade está começando a ser paga agora, com o receio da sociedade de que por trás do nome de Cristo estejam apenas os mercadores da fé. Se a Igreja Assembléia de Deus investir sua energia em um grande projeto de evangelismo, vai ter mais (bons) políticos crentes nas Casas de Leis Brasileiras do que colocar o carro na frente dos bois e buscar uma estratégia, que na verdade não é sua, mas uma cópia do projeto político de uma outra Igreja. Um projeto de minoria, isto não me dá contentamento. Basta que cada crente brasileiro ganhe por ano cinco almas, para que metade do Brasil seja evangélico em menos de dois anos. Com a metade dos brasileiros evangélicos, para quem gosta de política, matematicamente falando, teremos a metade dos congressistas em qualquer Casa Legislativa - sem mudar os objetivos da Igreja.

E para concluir, vou dizer como as Assembléias de Deus vão sair depois da 39ª Convenção, que imagino, vai ser o marco decisivo para levar nossa Denominação ao contexto do III Milênio. É claro que aqueles que não forem bem sucedidos em seus projetos, vão ficar aborrecidos por algum tempo. Esse aborrecimento vai passar, assim com passam os dias e as estações. Nossos ministros, apesar de homens de Deus, estão sujeitos às emoções que qualquer pleito traz. Mas, que com certeza eles são guiados pela voz do Espírito de Deus e não por emoções humanas. Eu creio firmemente que as Assembléias de Deus depois desta Convenção vão sair com muito mais energia para tratar dos negócios da Casa do Senhor. O grande perdedor vai ser o diabo.


cruzue@gmail.com
.

17 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro irmão João!
Graça e paz!

Muito obrigado por ter deixado Deus te usar na lavra deste equilibrado e esperançoso texto.

Fui grandemente edificado ao lê-lo.
Glória a Deus!
Parabéns!

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Elizeu Morais disse...

Prezado irmão em Cristo Jesus,

Gostaria imensamente de concordar com tudo o que o sr escreveu neste post mas, infelizmente, o que temos visto são cobras e lagartos serem despejadas sobre esta eleição da mesa diretora da CGADB. Essas cobras e lagartos partem, principalmente, daqueles envolvidos nas eleições, o nr de pastores "consagrados" é espantoso, dá até pra desconfiar. Sobre o projeto político, o que tenho visto é o peso jogado sobre os pastores em épocas de eleição, pastores ficam reféns dos políticos, há nepotismo descarado na composição de suas assessorias e o apadrinhamento de familiares de pastores que apoiam a candidatura destes. Quantos líderes regionais de convensões tem perpetuado o poder? por que não se faz eleições para presidentes de convensões estaduais? Fico imaginando, se um dia, um pastor vai querer formar uma chapa para concorrer a presidencia estadual da convenção do meu Estado, certamente, vão chamá-lo de rebelde!
Oro para que o Senhor Jesus ilumine as mentes de nossos líderes.

Um abraço

Elizeu Morais

Juscelino Nery disse...

E aí irmão João! A paz de Cristo!
Sua matéria é pertinente e relevante. Sou assembleiano de formação, desde meus 6 anos de idade. Porém, com a morte do saudoso pastor Alcebíades P. Vasconcelos a AD no AM tomou novo rumo, e eu particularmente, embora a favor da inserção da igreja no novo contexto cultural, vi a referida igreja envolver-se com política partidária, muitas divisões, inclusive, vergonhosamente com intervenções policiais. Como resultado, mudei para a IBC - Igreja Batista da Chapada, liderada pelo pastor Davi Hatcher, um grande homem de Deus. Aliás, depois do pastor Alcebíades, o pastor Davi foi quem mais contribuiu com meu crescimento espiritual. Com a mudança para Goiânia, estou inicialmente frequentando novamente ambiente assembleiano, o importante é estar servindo a Deus. Sobre a renovação da liderança mencionada, sou plenamente a favor, porém receio que a linha conduzida pelos Câmara, pelo menos no AM, siga pelo caminho, no meu humilde ponto de vista, equivocado, com consequências desagradáveis à igreja. Outro dia até encontrei na net algo do tipo "arranhões e farpas" entre o pastor Samuel Câmara e o pastor Geremias do Couto. Fiquei extremamente decepcionado. Não sei quem está com a razão, nem quero saber; a mim não cabe julgá-los. Conheço o partor Samuel desde a minha infância, inclusive ele fez o meu primeiro casamento, mas devo apenas observar os fatos e reter o que é bom e refutar o que for ruim, dentro da minha consciência cristã. Sobre a inserção teconológica, também não podemos perder de vista a comunhão, congregação da igreja, não permitindo que essa concepção seja substituída pelo cristão virtual que não vai mais à igreja, aos cultos; assim a comunhão fica comprometida. Em meio à contextualização social da igreja surge a necessidade do ponto de equilíbrio. Não sou pelo radicalismo, tradicionalismo e intransigências de lideranças despreparadas e ultrapassadas; mas também não sou pela banalização do evangelho, com liberalidade demais e tolerância com coisas explicitamente contrárias aos princípios bíblicos. E haja sabedoria de Deus para achar esse equilíbrio. É minha humilde opinião.
Ah sim! continuo na luta pelo projeto do blog. Alguns contratempos, mas continuo lendo, pesquisando, aprendendo. Creio que em breve estarei mais atuante ao lado dos nossos irmãos nessa empreitada, da qual você tem imensa influência, participação e contribuição. Um grande abraço.

Anônimo disse...

Há propósito amado :
O irmão é um crente da Assembléia de Deus ? a Bíblia Sagrada não é machista e nem por isso ela delegou as Mulheres o PASTORADO. Pastora é uma invenção humana "made in USA", via Igrejas Neo Pentecostais. A CGADB, em nome de JESUS, não vai aceitar isso mesmo. Apesar de tudo ainda temos homens de DEUS que são verdadeiros estudiosos e mestres na Palavra.

geziel disse...

Amado irmão, a paz.

Boa suas palavras, concordo com muito do que o irmão refletiu.
Quanto à consagração de mulheres, pensando biblicamente, acho que foi uma questão de Deus. A Bíblia fala de dons espirituais, dons naturais. Estes são para todos (Homem ou mulher).

Quando o termo homem aparece na Bíblia, e estudamos a palavra derivada do grego, homem tem derivação de Ântropo, uma referência a homem e mulher.

Mas no caso dos dons ministériais, está escrito que Jesus concebeu dons aos homens. A palavra homens ali não tem derivação de ântropo, para homem e mulher. Mas sim Ândropo, para gêreno masculino.

Acreditamos assim que os dons miniterias são para ÂNDROPO, pessoas do sexo masculino.

Grande abraço
Geziel

Anônimo disse...

a Assembléia de Deus usando as doutrinas cardinais da IEQ no Brasão de 100 Anos essa é nova para mim, eles sempre consideraram a IEQ como mundana!!!!

João Cruzué disse...

.

Réplica aos anônimos:

1) Sobre o Ministério Feminino.
Fiz questão de postar o seu comentário, e a forma com o fez, usando o anonimato, para que todos saibam que o MEDO é a razão porque escolheu o anonimato. A Bíblia não é machista, mas a época em que foi escrita era.

2) Eu sou um crente em Jesus. Não foi a Igreja Assembleia de Deus quem me livrou da condenação do pecado.

3) Não uso do recurso do anonimato, pois não tenho do que me envergonhar, nem medo de expressar minha opinião.

4) Se é de Deus a mudança dos tempos, como era no tempo em que começou o cristianismo, não haverá ninguém que possa se opor a Deus.

5) Se qualquer Igreja hoje vier a público para dizer que a mulher não serve para o ministério, estará sendo preconceituosa além de cavar a própria cova. Mesmo que eu não queira, Deus não era o propósito de Deus criar um ser inferior. Ele os criou iguais.

6) Quem usou da religião para inferiorizar a mulher não foi Deus. Quem usou da cor da pele para fazer escravos de seres humanos, não foi Deus; foi a lei do mais "forte".

Por favor, da próxima vez que comentar algo, seja mais crente e se não esconda atrás de um anonimato para expressar o que pensa. Isto é falta de convição e vergonha do que diz.

João Cruzué disse...

.

Réplica ao segundo anônimo

Sobre os brazões da IEQ.
Obrigado pelo comentário.Discordo do seu argumento e do seu anonimato.

Sou crente em Cristo desde os anos 70 e sei de há muito que os primeiros missionários da Assembléia de Deus, quando vieram para cá, antes dos anos 20, sempre batiam nesse bordão: Jesus Cristo Salva, Jesus Cristo Cura e Batiza com o Espírito Santo, e leva para o céu.

Se isto é novo para você, para muita gente não é. Pesquise um pouco mais, pois o que disse carece de profundidade. Isto não é novo. Também vai fazer 100 anos.


.

João Cruzué disse...

.

Réplica ao Irmão Elizeu Moraes

Estou ciente dos fatos que o irmão comentou. Mas considerando que estou na WEB para fazer uma diferença dentro dos padrões cristãos de conduto, prefiro expressar minha opinião de forma coerente com minha visão.

Como formador de opinião, mesmo não desejando, não posso perder meu tempo agredindo pastores, criticando destrutivamente instituições, pois isso seria jogar gasolina no fogo.

Se perder a esperança e considerar este assunto um caso perdido, estaria agindo por vista e não pela fé. É por isso, que mesmo sabendo que tudo conspira para um fato ruim, creio que a Igreja do Senhor é real e dela fazem parte os que são guiados pelo Espírito Santo.

Mesmo sabendo e concordando com o irmão em grande parte de sua análise, não posso aceitar como favas contadas a derrocada da Igreja diante de tantos problemas. Eu confio que o Senhor está no controle e que a seu tempo dará a paga aos que têm feito loucuro dentro da sua Casa.

Muito obrigado pelo comentário.

Irmão João.


.

João Cruzué disse...

Réplica ao Irmão Juscelino

Obrigado meu querido irmão pelo seu comentário. Espero que sua mudança para Goiânia tenha se processado bem, além de dar graças a Deus pelo restabelecimento da saúde do irmão (ou da da sua esposa) que algum tempo atrás nos contou.

Estou perfeitamente consciente de quem é o meu Pastor José Wellington e o Pastor Samuel Câmara. Minha inteção com o artigo foi criticar a forma como nossa Igreja tratou o caso reeleição de uma maneira desconfortável para muitos. O que acontecer agora vai ser fruto de uma semeadura antiga.

Mas eu confio que em meio a esses tempos difíceis, Deus levante os verdadeiros líderes para tornar a AD aos trilhos através de uma entalpia de entusiasmo que a leve novamente a catalizar sonhos e visões de um evangelismo nunca dantes realizado.

O que interessa é a Pregação do evangélico. Em um país com 191 milhões de habitantes, dentre os quais menos de 40 milhões são crentes nominais, anseio muito ver uma liderança forte e sábia o bastante para tirar o foco de picuinhas para ganhar para Jeus 150 milhões de almas que eventualmente estejam fora do caminho estreito.

Foi muito bom ouvir você de novo,

Irmão João


.

Nick disse...

A Paz do Senhor JOÃO,

Sou um jovem da Igreja OBPC, e sou novo aqui, quero postar minha opinião quanto a sua postagem, não entenda mal minhas dúvidas, mas preciso que me as esclareça.

O que o senhor quer dizer quanto "vem se destacando como o bastião mundial na obediência bíblica por não considerar o direito ao ministério das mulheres", no meu entendimento, o senhor mostra que nas palavras obediência bíblica, traduzem certo machismo na bíblia, que é até relatado mais abaixo na postagem, eu concordo que a bíblia foi escrita num tempo onde era pouca a valorização das mulheres perante a sociedade, mas essa parte “Igreja Assembleia de Deus no Brasil... por não considerar o direito ao ministério das mulheres”, não concordei, primeiramente, que ministério de mulheres o senhor cita? Aquele de que mulheres não podem subir ao púlpito ou ministrar neles, como a frase “manter a velha ordem de que o púlpito é um lugar privativo de homens”, não sou assembleiano, mas já visitei diversas vezes a AD, é nunca vi uma mulher desvalorizada (termo meu) ou não considerada pelo seu ministério, na AD onde freqüenta.

O novo contexto mundial, exclama direitos iguais, mas onde a AD não respeita esses direitos? O ministério feminino sei que AD respeita, pois acho que tenho idéia quais são, mas novamente com adição venho pedir, quais ministérios femininos a AD não concede o direito? É um fato notória mulheres ungidas na AD, e se há esse crescimento espiritual, como o ministério esta sendo negado, pois o crescimento espiritual é um ramos que o ministério dar segundo o meu entendimento.

Fatos e dúvidas expus aqui, sou um jovem, sou um membro da igreja, não tenho estudos teológicos avançados, não fiquei no anonimato, mas minhas dúvidas eu mostrei, espero que me entenda, fique na Santa Paz do Senhor Jesus, e que Deus continue lhe usando no evangelho.

ELIZEU MORAIS disse...

Prezado irmão em Cristo,

Também, não posso aceitar a derrocada da Igreja ante os fatos ocorridos e como disse, anteriormente, oro para que o Senhor Jesus através do Espírito Santo mude corações e mentes destes pastores. Não pense que sou derrotista ou pessimista e creio, sinceramente, que o Senhor vai mudar esta história. Estamos do mesmo lado, ou seja, no barco de Cristo!

A paz do Senhor!

Elizeu Morais

Rafael disse...

Graça e paz.

AD foi minha igreja por mais de 22 anos. Hoje não me interesso mais por ela.

Menos igreja; mais Jesus. ;-)

Abraços.

Rafael disse...

PS.: A AD é a igreja que mais ganha almas e que mais perde membros.

Eu sei o porquê.

Sei que Deus se angustia quando ver uma ovelha perdida.

João Cruzué disse...

Oi Nick,

Pode me chamar de irmão João. Fiquei adminirado de ver seu desembaraço e atitude polida de expor sua opinião a respeito de um dos tópicos do artigo, o que trata do ministério feminino.

Quando eu disse que que a AD Brasileira vem se destacando como o último bastião mundial de "obediência" bíblica no que diz respeito a manter a mulher fora do cargo e função pastorais.

Isso é verdade, das Assembléias de Deus do mundo todo, é o Brasil, talvez, o único que ainda resiste ao ministério feminino, alegando que Deus nunca chamou a mulher para tal função ou cargo.

Então vem a pergunta: A Igreja do mundo inteiro está errada e o Brasil o último bastião da defesa de somente homens tem chamada para o ministério.
Fica esquisito esta posição, ainda mais se considerarmos que diante de Deus não há macho ou fêmea, os dois são iguais. No Velho Testamento, o assunto mais importante era a vinda do Messias. Quando Jesus veio, e ele era Deus encarnado, não me consta que ele usou de preconceitos, justamente contra mulheres. Há coisas que a Bíblia não diz, e outras que diz explicitamente. Por exemplo, não há nenhum versículo na Bíblia que mostre a condenação de Deus pela escravidão. No tempo de Cristo e antes dele, havia escravos. O que aconteceu, a humanidade, por causa de Cristo, foi percebendo que escravidão não é uma coisa cristã. Da mesma forma, o preconceito contra a mulher ou contra o negro ou contra o Judeu, não tem raiz cristã. Outra coisa, Cristo condenou veementemente o divórcio, e o que acontece hoje? A mesma Igreja que condena o ministério pastoral feminino, tolera o divórcio.

Os tempos não são iguais, a sociedade ocidental atual está preparada para aceitar a mulher em igual condições com o homem. Prova disso, é que existe mulheres em todos os cargos e todas as funções, trabalhando no mundo. Até os Estados Unidos que tinha preconceito de negros, elegeu Barack Obama.

O mundo está mudando, e, em certos aspectos para melhor. Se uma mulher consegue ter filhos e cuidar da educação deles em sua casa, eu não poderia considerá-la inferior para cuidar das ovelhas de uma Igreja. Nem ouso pensar que Deus a discriminaria nisso. Finalizo, dizendo que assim com nem todo homem tem chamada para o Pastorado, e muitos apenas são pastores por tradição ou "política" também existem mulheres que não têm chamada de Deus, mas que existem outras que a têm.

Nick, se você ainda não escreve em um blog, já deu para perceber que você tem talhe para fazê-lo, porque expõe com clareza e eduação as suas idéias.

Visite esta comunidade de blogueiros evangélicos: http://ubeblog.ning.com.

Muito obrigado pelo seu comentário

Irmão João Cruzué


.

escravo livre do teu amor Senhor disse...

A paz do Senhor meu amado...

fui ricamente abençoado com esse texto e digo já que retransmitirei á amigos e irmãos que desejo que saibam a maneira em que Deus o está usando com esse texto, existe sim uma preocupação me nosso coração quanto á convenção e sua eleição, desejando o melhor pra essa denominação á qual eu faço parte e que sinto que precisamos de tantas mudanças, creio que, tudo se atende ao tempo de Deus, e á seu tempo elas virão.

Que Deus possa ser engrandecido!
Oremos então e muito obrigado irmão João.

A paz

Pb. Edivaldo Pereira disse...

A Paz do Senhor Jesus a todos que comentaram aqui no blog.
Olha, ainda com respeito as eleições da CGADB, deu a lógica, Pr. José Wellington, outra vez. A minha visão é que em alguns aspectos a atual administração, vem deixando a desejar, isso em materia de investimento em abrir igrejas, estrutura-las enfim, no campa da comunicação realmente essa gestão não fez nada até agora, no campo moral ai sim, mais em compesação a igreja não tem um padrão. Na minha singela opnião a igreja devia ter um padrão, pois eu viajo ministrando nesse Brasil a fora e cada Pastor faz conforme lhe agardar, tenho a certeza que o Antopocentrismo tem tomado amente de muito homens que se dizem de Deus,a mais a Biblia é a verdade! somente ela. que Deus vos abençoe!
do seu Irmão em Cristo Edivaldo Pereira de Souza, São Paulo- Brasil.