quarta-feira, janeiro 07, 2009

Deus, a Bíblia e o Casamento

.
João Cruzué

Vou deixar neste texto minhas considerações e opinião sobre o casamento, esta instituição divina que muitas pessoas por ignorância ou propositalmente procuram secularizar. O que há de verdade em seguir em seguir as orientações bíblicas? O concubinato, tão em moda nos nossos dias, por acaso tem o mesmo valor, perante Deus, de um casamento formal perante Deus? É sobre isto que vou deixar alguns parágrafos escritos para que você, meu querido leitor ou leitora possa fazer sua avaliação. Pode ser que não venha concordar comigo, mas o que vou deixar escrito, além de ter base bíblica, tem meu testemunho ocular de coisas que tive oportunidade de testemunhar.

Sob a didática de Deus, na Bíblia em Gênesis 2:18 - 25. "Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma adjutora para estar junto com ele". Uma mulher para um homem. Uma mulher formada de um homem. Se Deus aprovasse o homossexualismo, teria feito um clone de Adão, para ser seu companheiro. Se Deus aprovasse a poligamia, teria formado várias Evas a partir de Adão. Se Deus aprovasse o concubinato, não teria trazida Eva, formalmente, até Adão; teria deixado que ele se relacionasse com ela. Se Deus aprovasse a não-família, não teria estabelecido: "Portanto, deixará o varão seu pai e sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne. No manual divino da formação da família estabelece critérios para união formal, social, carnal, espiritual de um homem e sua mulher.

A família é a célula básica da sociedade, da nação e da Igreja. A vontade de Deus explícita ao longo da Bíblia é que esta célula se forme perfeita. Esta família nasce a partir da união formal, social, e depois carnal, de homem e mulher solteiros. Ou viúvos. Nada além disso é perfeito. O se se formar diferente disso está fora dos elevados padrões do amor de Deus, e o que estiver fora desses padrões não terá nem aprovação nem a proteção de Deus.

Quando Deus estabeleceu padrões de perfeição para a formação de uma família estava pensando no bem estar da sociedade. Estava pensando no aumento da família. Filhos. E filhos nascidos em um lar: uma casa com marido e esposa que se amam. Filhos nascidos em um lar equilibrado pelo amor e pela presença de Deus. Eles cresceriam emocionalmente seguros, felizes, calmos, em paz, amados.

Se o mundo atual está contaminado pela violência onde matar é uma coisa tão simples, rotineira para tantos, com certeza isso não apareceu do nada. O mal primeiro se instalou na família, assim como o câncer que surge na mitose da primeira célula. Filhos nascidos em pseudos lares, sem-famílias e sem amor. Até agora não citei no texto o diabo - adversário - do homem. Quando as pessoas fazem escolhas erradas, fora do Manual de Deus, elas derrubam os muros espirituais que as guardam e ficam vulneráveis a ataques de demônios, agentes espirituais da maldade. A corrupção maligna não tem limites; o avanço dessa maldade sobre a humanidade é contínuo. e gradual. Do ruim para o pior; do pior o assustador, do assustador para o aterrorizador, até a loucura inimaginável. Quando se deixa a porta aberta ou se derruba os muros, o inimigo se assenhoria da sociedade. É por isso que o mal de hoje é maior que o de ontem.

As famílias da terra estão vulneráveis. Não todas, mas quase todas. Vulneráveis à guerra, aos sequestros, aos assassinatos, às drogas, à tirania, à corrupção., ao terrorismo, à pedofilia, à prostituição. Crianças perambulando e morando no meio das ruas. Processos demoníacos matando aos milhares e aos milhões em vários lugares do mundo como em Darfur, Palestina, Etiópia, Zimbabwe, Iraque, Paquistão, Afeganistão, Índia, Myanmar. Onde começou o desvio? Na família. Na família formada ou dirigida fora dos padrões de Deus.
Muitos culpam Deus. Questionam porque Ele não intervém e acaba de uma vez com a violência, este câncer que apodrece a humanidade? Será que a responsabilidade é mesmo de Deus? Abstraindo somente a família como tema, se alguém faz uma escolha errada segundo sua idiossincrasia e deixa que esta escolha se repercuta ao longo de gerações e gerações e com o tempo e falsifique os conceitos de bom e mau, e venham a culpar Deus por omissão, Ele não culpado por escolhas erradas. O manual está aí para ser consultado. A possibilidade de escolher o bem e rejeitar o mal é acessível a todos. O mal é aquilo que ninguém quer colher. A partir dessa premissa ninguém é indesculpável perante Deus.

O que ancontece quando as pessoas se casam obedecendo os padrões de Deus para a formação da família? Esta família vai ficar isenta das provações, tribulações e necessidades da vida? Não! Ela pode passar por todas estas coisas, mas há uma diferença: há um compromisso de Deus com a segurança e amparo desta família que estão ao alcance de uma oração. Quando a família é formada de acordo com os padrões perfeitos estabelecidos no Manual de Deus, a única coisa que pode fazê-la naufragar é a falta de oração.

--Senhor socorre-nos! O mar está revolto e o vento parece um furacão. Olhe para nós Senhor! Quantas vezes já não precisei fazer esta oração! Em 25 anos de casamento, o Senhor nunca falhou comigo. Já tive a oportunidade de pastorear uma Igreja e presenciei alguns casamentos de pessoas que viviam em concubinato. Em todos os casos, depois que estas pessoas regularizaram e formalizaram sua situação civil elas prosperaram. Compraram terrenos, construíram casas, conseguiram empregos.

Este sofisma é muito comum de certo tempo para cá: "Prá que casar, basta ir morar junto sem nenhuma formalidade. Casar é um costume ultrapassado, atraso de vida. Outros ainda dizem: Fulano é casado e sua casa é um inferno e beltrana é "companheira" de beltrano e vivem às mil maravilhas". Sofisma. É instrução bíblica, registrada em Hebreus 13:4 "Venerado seja entre vós o MATRIMÔNIO e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros, Deus os julgará. Neste excerto, o sentido de matrimônio é o matrimonio formal, um compromisso público selado com os votos nupciais de fidelidade. Eu já vi um homem despedir sua companheira no meio da rua. Ela estava com um neném de menos de um ano nos braços. Ele partiu para "outra". Qual é a segurança de uma sociedade em que seus filhos são criados sem amor por mães enjeitadas e repudiadas pelo meio da rua?

Uma célula cancerosa se duplica em outra célula doente, que por sua vez gera outra e assim sucessivamente até matar o corpo. Uma sociedade que se forma com famílias sem compromissos formais, e, principalmente fora dos padrões perfeitos de Deus, está deliberadamente se deixando dominar por um mal pior que o câncer: a violência. Um mal que se desdobra e se multiplica, formando pseudo-famílias doentes, corrompidas, desde o nício. Esta sociedade, esta nação ou esta Igreja que aceita passivamente este "câncer" está se autodestruindo. Quando se despreza conscientemente os padrões perfeitos estabelecidos por Deus, os fundamentos desta sociedade, nação ou Igreja, Deus já foi substituído por racionalizações seculares. O sagrado cedeu lugar ao profano e o bem pela corrupção, violência e pela guerra.

É por isso que temos visto tanta loucura, e estamos nos acostumando à violência, assistindo à mais guerra e menos paz, pois os agentes deste mal nasceram em lares desequilibrados, não moderados, permissivos, onde o sexo vinha em primeiro lugar. Faltou o ingrediente principal: o amor. Alguém que dissesse mais "nãos" do que "sins". Alguém que pelo menos ensinasse a orar, a falar com Deus.


Não posso concluir sem antes dedicar um parágrafo à Igreja Evangélica "moderna", onde o repúdio e o divórcio estão acontecendo do púlpito à porta. Não basta ensinar. Não basta falar. É preciso repreender diretamente. Quando o anjo da Igreja faz ouvidos moucos à realidade da Igreja, ele vai perder (se já não perdeu) o cajado, a unção de Deus. O padrão de longanimidade para se manter um casamento de pé também esta no Manual. Deus não desistiu de Israel, e Jesus não desistiu da Igreja. Um ministro evangélico, um membro de Igreja ou um homem qualquer não pode repudiar sua esposa, casar com outra, e passar impune, sem repreensão ou tendo seu pecado escondido debaixo do tapete. Quem for homem de Deus, que procure o Manual para conhecer a firmeza do profeta Samuel e a fraude que era o sacerdote Eli. Quem for homem de Deus e serve ao Senhor à frente de Sua Igreja que não fique de braços cruzados. Quando um portão é arrombado pelo diabo nos muros de uma Igreja, ele nunca vai ficar satisfeito com apenas um portão. Do lado de dentro ele pode abrir todos os portões e destruir de dentro para fora a moral e a virtude do sagrado.

Quem tem ouvidos para ouvir e sabedoria para discernir que use o prumo de Amós em sua vida, em sua família, em seu ministério, em sua Igreja para saber se é pelo Espírito ou pela carne que falo.

Deus não admite racionalizações em sua palavra. Ou é sim! ou é não! Não existe "talvez" ou "depende".

Se você quiser ter a bênção de Deus para seu casamento, siga o Manual. Comece pondo em prática as instruções dos fundamentos perfeitos para construir seu futuro lar sobre a Rocha. Não namore primeiro para orar depois. Não dê lugar ao diabo dizendo que ama alguém, para levar vantagem e lascívia. Não case com incrédulos nem com pessoas ímpias. Não pratique o sexo fora do casamento. Não abra a porta para o diabo praticando sexo antes de se casar com a pessoa que você ama. Case-se formalmente, publicamente, e se não puder dar uma festa, nem tiver nenhum dinheiro para os gastos de um casamento na Igreja, ainda assim não deixe de convidar o Pastor para fazer um culto onde você possa fazer os votos nupciais de fidelidade ao cônjuge e a Deus; não suba ao leito sem esta bênção. Não se amazie; case-se. Não abandone ou repudie sua esposa depois que ela perder a juventude ou ficar rabugenta. Deus não tolera a infidelidade conjugal nem o adultério. O ministro que se divorciar e se casar de novo perde diante de Deus a unção do ministério. A Igreja que tolerar ministros divorciados pastoreando em seu campo está transgredindo as normas do Manual e abrindo as portas para a entrada de coisas piores.

Só existe um caminho para agradar ao Senhor e construir um lar abençoado e próspero: casando-se de acordo com a vontade de Deus, e a sua vontade não é pesada nem difícil de fazer. Basta seguir o Manual. Está tudo lá, na Bíblia Sagrada. Exemplos do que se deve e não deve fazer. Pessoas que foram abençoadas e infelizes em suas opções de vida. Siga o exemplo dos melhores. Assim você vai ter a prensença de Deus em seu lar. Seus filhos vão crescer amados e emocionalmente equilibrados. Quando adultos vão ajudar a construir uma sociedade mais justa, sem violência, sem guerras.

Comece bem, comece certo.

SP-08.01.2008

.

7 comentários:

Felipe Huvos Ribas disse...

João, ainda tenho 17 anos (esse mês faço 18 heheh) mas fico pensando em casamento já. Fico me imaginando ensinando filhos, comprando presentes para agradar a esposa. E olha que eu nem tenho namorada heheh.
Ótimo texto, espero que ele apareça na frente das pessoas que estão precisando. Vou te recomendar outro texto, mas que fala mais especificamente sobre a criação dos filhos (acredito que já leu, mas tudo bem): http://comoviveremos.com/2008/12/21/a-educacao-dos-filhos-na-pos-modernidade/
Até mais, Deus te abençoe.

Anônimo disse...

olá, axei muito legal este texto, espero q muitas pessoas posaam ler e compreender a importancia q tem seguirmos a palavra d deus.parabens.

Antonio Filho disse...

Louvado seja O DEUS de Moisés e Abrão, texto perfeito é assim de DEUS quer que seja amém.

Amy Cullen disse...

Mas, muitos homossexuais nascem assim, não significa qe Deus não os ame como ama a qalqer um. ser gay é um pecado?
Não sou gay, tenho 13 anos e gostara q me respondesse

Joao Cruzue disse...

Amy,

As coisas de Deus são aceitas pela fé. E fé no sentido Bíblico é aceitar como verdadeira a vontade de Deus que está descrita na Bíblia Sagrada.

As pessoas não são obrigadas a ter fé, nem crer na Bíblia. Deus não OBRIGA ninguém a isso. É por isso que ele nos criou com lívre arbítrio, para escolher ser e fazer o que quiserem.

Mas se eu decido por minha livre e espontânea vontade CRER em Deus, então, é natural (como em um namoro) que eu me intesse fazer somente aquilo que o agrada.

É verdade sim que a Bíblia condena todas as formas de prostituição. Entre elas esta a sodomia, a prática do sexo entre pessoas do mesmo gênero.

O primeiro e maior mandamento para o Cristão é: Amar a Deus de todo o coração, com todas as forças,com todo entendimento e com todo coração.

Então, se eu quero amar a Deus, é preciso agradá-lo, fazendo e deixando de fazer as coisas de acordo com os mandamentos dele.

Se na Bíblia Sagrada, o Lívro onde está a vontade de Deus, diz que nem os sodomintas nem os efeminados hão de herdar o Reino de Deus, minha interpretação disso é que ser gay é pecar contra a vontade de Deus.

Mas como eu disse antes, as pessoas têm livre arbítrio para ser e fazer o que quiserem. No dia da prestação de contas, que todas as pessoas comparecerão diante de Deus para receber o juízo dele sobre seus atos e atitudes, fica ficar bem claro (e talvez tarde demais) para todo mundo qual era o caminho certo e o errado.

Eu decidi ser um Crente em Jesus desde meus 19 anos. Hoje sou um vovô, e não me arrependo da minha escolha. Também tive colegas gays, tanto na escola como no trabalho. Embora não aprovasse suas condutas, sempre os tratei com respeito e consideração, e também sempre fui respeitado e bem tratado por eles.

Espero ter contribuído para seu entendimento sobre qual é a atitude do Cristão diante do homossexualismo.

Em Cristo,

Irmão João Cruzué


.









Mas

Cicero disse...

O que você acha do divórcio de um Ministro que descobriu o fato de sua esposa estar a 4 anos no adultério e que não quer se arrepender de sua prática? Ester ministro vai perder a unção se casar de novo?
De sua resposta.

Maiane disse...

Olá Cícero! Em relação a este caso quem não poderá se casar novamente é a mulher, pois ela cometeu relações ilícitas, foi ela quem adulterou. Ele poderá se casar novamente, pois não foi ele que cometeu o erro. Se por acaso se divorciassem por outra circunstância que não fosse o adultério, nem ele e nem ela poderiam se casar novamente.