quarta-feira, março 12, 2008

A páscoa pagã

o coelho e o ovo

Na realidade não existe uma páscoa pagã, e sim a festa da chegada da Primavera celebrada pelos antigos povos pagãos da Europa, que nessa época do ano homenageavam Ostera, ou Esther – em inglês. Easter é um termo pagão com um significado "genérico" de Páscoa. Não tem nada a ver com libertação de escravos.

Ostera (ou Ostara) é a Deusa da Primavera, que segura um ovo em sua mão e observa um coelho, símbolo da fertilidade, pulando alegremente em redor de seus pés nus. A deusa e o ovo que carrega são símbolos da chegada de uma nova vida. Ostara equivale, na mitologia grega, a Persephone. Na mitologia romana, é Ceres. Os pássaros estão cantando, as árvores estão brotando. Surge o delicado amarelo do Sol e o encantador verde das matas.

A celebração de Ostara, comemora a fertilidade, um tradicional e antigo festival pagão que celebra o evento sazonal equivalente ao Equinócio da primavera . Algumas das tradições e rituais que envolve Ostara, inclui fogos de artifícios, ovos, flores e o coelho.

Ostara representa o renascimento da terra, muitos de seus rituais e símbolos estão relacionados à fertilidade. Ela é o equilíbrio quando a fertilidade chega depois do inverno. É o período que a luz do dia e da noite têm a mesma duração. Ostara é o espelho da beleza da natureza, a renovação do espírito e da mente. Seu rosto muda a cada toque suave do vento. Gosta de observar os animais recém-nascidos saindo detrás das árvores distantes, deixando seu espírito se renovar.
Os símbolos tradicionais da Páscoa vêm de Ostara.

Os ovos, símbolo da fertilidade, eram pintados com símbolos mágicos ou de ouro, eram enterrados ou lançados ao fogo como oferta aos deuses. É o Ovo Cósmico da vida, a fertilidade da Mãe Terra.

.........

5 comentários:

Anônimo disse...

discordo completamente!!!!!

Bárbara disse...

Vcs sabiam que ovo e coelho não tem nada a ver comemorar nessa festa chamada páscoa. Essa tradição amaldiçoada vem dos povos pagãos da babilônia, sim, a cidade que O Pai Celestial amaldiçoou e foi incorporado pela igreja católica pelo Constantino do império Romano que cultuavam vários deuses e sincretizou com a pregação de Cristo e Criou o catolicismo. Então fora ovo, fora coelho, não vamos fazer rituais que aborrecem e nos afastam dO Pai! Abram seus olhos e voltem-se aO Pai seu criador e tb dos céus e da terra. Ele te ama e o quer, mas vc tb tem que o querer é por isso que ele te deu o livre- arbítrio!

Anônimo disse...

Desculpem, meus amigos, mas voces dois estao errados. A pascoa é sim uma festa pagã, onde é celebrada a chegada do outono. Na verdade, A Ostara ocorre dia 22 de marco no hemisfério norte e dia 22 de setembro, no hemisfério sul. Na verdade nao sabemos as datas reais do nascimento e do suposto renascimento de cristo, por isso as celebramos nos solstícios e nos equinócios, para amenizar o choque a nova religiao por parte dos pagãos. O natal também é celebrado em uma data pagã, o Yule (solstício de inverno). E quanto a voce, barbara, nada disso tem a ver com babilonia ou tradicoes amaldicoadas. Essas comemoracoes vem das tradicoes druidas, que possuiam grande conhecimento da roda do ano e dos astros. Devemos parar de repetir coisas que nos dizem por ai, e procurar conhecer melhor o mundo e todas as culturas. E a propósito, gostei muito do texto. Bem estruturado e bem informado. Beijos de luz

Stella Matta Machado disse...

Grata pelas explicações, foram muito precisas e sucintas.

Anônimo disse...

O Coelho da Páscoa

"O totem da deusa, a lua-lebre, punha ovos para as crianças comportadas comerem... a lebre da Páscoa era a forma como os celtas imaginavam a superfície da lua cheia..." (Pagan Traditions of Holidays, pág. 10). Não precisa me dizer que as lebres não botam ovos, porque sei isso muito bem; estamos lidando com uma lenda aqui, e com uma lenda ocultista. Tradicionalmente, essas lendas brincam com os fatos reais.

Assim, "Easter" — Eostre ou Ishtar — era uma deusa da fertilidade. Visto que o coelho é uma criatura que procria rapidamente, simbolizava o ato sexual; o ovo simbolizava "nascimento" e "renovação". Juntos, o coelho da Páscoa e o ovo de Páscoa simbolizam o ato sexual e o que nasceu deles, Semíramis e Tamuz.

Assim, é realmente uma questão espiritual muito séria quando as igrejas cristãs incorporam os "Ovos da Ressurreição" como parte da celebração da Páscoa. Na melhor das hipóteses, essas igrejas estão confundindo as mentes de suas preciosas crianças, obscurecendo a linha divisória entre os símbolos pagãos e seus significados e o significado cristão do Dia da Ressurreição. As crianças que participam dos "Ovos da Ressurreição" na igreja serão condicionadas mais tarde em suas vidas a aceitarem a tradição pagã que revolve em torno dos mesmos símbolos.

No pior caso, a igreja que participa na tradição da Páscoa pagã promovendo os "Ovos da Ressurreição" e talvez uma Procura ao Ovo de Páscoa Escondido, é culpada de combinar o cristianismo com o paganismo, um coquetel letal que o Senhor Jesus rejeitará! Lembre-se de nosso verso-chave:

"Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei, e eu serei para vós Pai e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso." [Efésios 6:17-18].

Se sua igreja usa os "Ovos da Ressurreição", você deve considerar desligar-se dela imediatamente; se o pastor titular é liberal o suficiente para permitir os "Ovos da Ressurreição" na celebração do Dia da Ressurreição, então provavelmente também é liberal nas doutrinas e na teologia, mas pode não ser o suficiente para você perceber isso.